Maria do Monte: o romance inédito de Jorge Amado, de Carlos Emílio C. Lima

Por Pedro Fernandes



Escrever é multiplicar o sentido das coisas. Desestabilizar fronteiras: fazer o real aparente e o aparente real enquanto o mundo manifestado pela linguagem não é mais nem real nem aparente mas outro mundo, o reino da palavra. Esse é o sentido primordial da poética; a premissa não subvertida da mimesis aristotélica. O criador de formas tem entre o mundo por ele habitado e o mundo sempre selvagem da imaginação seu lugar de périplo. E, mede-se sempre o valor de sua criação pela maneira ciente com que desconstrói aquilo que foi condicionado como algo estabelecido e única forma de ser.

É evidente que essas considerações não se referem à maior parte das criações literárias, sobretudo, as designadas como prosa. A necessidade da verdade do narrado impôs ao romancista, por exemplo, um afastamento do tom às vezes fantasioso ou fantástico, para uma aproximação com a realidade vivida de maneira que o romance terá se convertido quase na sua fotografia, por vezes minimalista, por vezes histórica ou documental. Esse processo, evidentemente, não é restrito a um tempo e nem pode ser determinado em qual momento da história da literatura nasceu, afinal, nesse campo lidamos com a transformação própria do pensamento e este, todos sabem, não é marcado por presenças fixas.

Mas, terá sido na ocasião quando dizer a realidade não pode se confundir com o desenho meticuloso do visível – tal como numa pintura de traço naturalista – que o texto literário ganhou outra grafia ou, para ser mais claro, fez um retorno aquilo que o distingue em parte do exercício retórico. Na literatura brasileira, os exemplos são poucos. Se o leitor tiver acompanhando com atenção esse raciocínio já terá em mente pelo menos três nomes que poderíamos incluir nesse rol de inventivos: um é o Guimarães Rosa (Grande sertão: veredas), outro é o Euclides da Cunha (Os sertões) e o terceiro é Mário de Andrade (Macunaíma).

A essa tradição, quase nenhum outro escritor da nossa literatura terá acompanhado. E é difícil dizer, num texto cujo propósito não é fazer uma investigação sobre o caso, por que razão esse cordão não terá, cada vez mais, ganhado forma. Difícil mas não impossível de acreditar, ao menos sem maiores compromissos, que uma das razões se dá pela acusação por vezes vulgar de herméticos; estereótipo que, cunhado de forma diversa pela crítica e pela mídia, terão dado a esses escritores um afastamento do público leitor. Numa sociedade como a nossa, construída por índices alarmantes de analfabetismo funcional, essa ameaça é quase sinônima de isolamento e, logo, marginalização da obra e do escritor.

É verdade que, guiados pelo estereótipo do hermetismo, sempre houve alguns pretensos escritores que nunca terão deixado de alinhavar enredos cuja natureza prima pela não-fluência da linguagem em detrimento de uma construção literária somente para poucos agraciados e no final o que cometem são textos de valia estética duvidosa e não receptiva ou de fato comprometida com essa posição inaugural do gesto poético: a criação. 

Outra, o grupo que aqui interessa, se filia a esse pequeno reduto de uma linha importantíssima para a literatura não só brasileira mas a produzida nos países da América Latina – onde se pode ler outros nomes, estes sim, muito bem reconhecidos fora de seus estados de origem – reanimam essa tour de force de desapropriação da língua de suas trivialidades e elaboração de uma obra que exige e muito do seu leitor não porque querer o hermetismo (e este nem é um termo adequado) mas porque primam por uma oxigenação dos modelos aí vigentes. É nesse pequeno grupo onde é permitido inserir o Carlos Emílio de Maria do Monte: o romance inédito de Jorge Amado, romance nascido de um conto, detalhe marcado aqui, tanto porque seu autor fez questão de explicar a natureza que deu origem ao seu texto com o gesto de apresentar ao leitor o referido texto que o impulsionou a ordem assumida pela obra. 

Ao trazer a escrita-matriz do romance no final, o romancista incorpora a visão de que não há narrativa, no atual contexto, produzida ao acaso e sim produto de um extenso trabalho de criação e lapidação da linguagem. Conclusão nascida entre a leitura do romance de Carlos Emílio e de outro romance, este do António Lobo Antunes, Não entres tão depressa nessa noite escura; lembro que o escritor português também incita seu leitor nessa mesma direção quando conclui o romance com o que pode ter sido seu ponto de partida: uma crônica. Outra condição nascida dessa e sobre a qual os dois escritores têm plena e coerente convicção é a interseção de gêneros, destituindo-os das determinações baseadas no isolamento e fechamento pela compreensão de que produtos de linguagem, e essa tem sua manifestação volátil, não são produtos acabados ou modelos estanqueis. Isto é, não se trata bem de uma destituição, trata-se de uma restituição à natureza inacabada do texto e sua diversidade de relações mantidas com outros do ponto de vista formal, estético, temático etc.

Além de Guimarães Rosa e de Euclides da Cunha, para pensar o contexto do romance brasileiro, o contato com este romance de Carlos Emílio logo lembrará no leitor (claro, se tiver lido) nomes com Luiz Sérgio Metz (Assim na terra) e R. Roldan-Roldan (Litterata ou o doce sorriso do macho satisfeito) – não pelo aspecto metaficcional dos dois mas  pela qualidade como reinventa o idioma (numa relação entre prosas, o primeiro mais que o segundo); nesse mesmo grupo é possível anotar Paulo Leminski (Catatau) e Hilda Hilst (toda a prosa). Essas considerações não tomam o trabalho integral de Carlos Emílio, porque autor de outras importantes obras, certamente, e este Maria do Monte traz outras perquirições com o material narrativo que o coloca em relevo entre os títulos citados. 

Uma delas, reside na maneira como esse escritor se exercita no território da criação: a linguagem do romance ora lido se deixa contaminar de maneira muito sadia (porque é a própria efervescência do tema que o sustenta o que transpira pelos polos da palavra) por uma exuberância de toque tropical, um ritmo caudaloso capaz de inundar os sentidos do leitor, que são únicos e deixará qualquer aproximação com outra obra cair no torvelinho das especulações gratuitas. Sua obra, ainda pela força criativa que se assume, é uma confirmação de que essa linha da nossa literatura não padeceu com os nomes aqui citados; ela ainda se mantém viva, ativa, e do que precisa é seu reconhecimento como um trabalho fundamental, porque a literatura não pode deixar de cumprir uma violência contra a língua, porque é uma das suas funções, tal como recorda Umberto Eco, oxigená-la, fazê-la forma viva e não mero produto de uso.

Se o exercício não-gratuito com a linguagem é aquilo que o leitor primeiro avista como o de melhor na composição de Maria do Monte, há os artifícios textuais, como a apropriação de outras narrativas, e o tom genesíaco que reintegra o literário com os aspectos míticos que finda por selar de vez esse trabalho de Carlos Emílio como um dos mais interessantes da cena contemporânea brasileira. Os verdadeiros leitores estarão bem-acompanhados com essas páginas que é um puro retorno ao estado de êxtase com a palavra porque o modo de dizer de Carlos Emílio é de integrar a linguagem ao seu estado mais denso: o de imagem.



O leitor comum certamente procurará uma linha narrativa segura pela qual possa se fiar, mas ela não existe. O que existe são lapsos que produzem uma série de perquirições da narradora, Maria do Monte, a que reconstrói uma história possível mas não-criada (ao menos no sentido real sugerido pelo título) pelo autor de Capitães da areia. Carlos Emílio finda por se aproximar do livro inexistente de Borges, inexistente no sentido do objeto, o que não afasta esse romance de ser também um exercício sobre o próprio romance.

É óbvio que entre a reflexão que poderia reduzir Maria do Monte apenas a um livro sobre um livro que não existiu, o romancista elabora toda uma trama que não se refere somente sua posição de autor no trabalho de reelaboração de um livro-possível mas também do próprio Jorge Amado, o autor, de fato, desse não-livro ou livro que se perdeu carregado por toda a diversidade de personagens e recriado de maneira oral ou imaginária, como se num retorno às engrenagens que poderiam ter lhe servido à composição da obra possível. Maria Monte, a que faz as vezes do autor, é o próprio Carlos Emílio, mas Carlos Emílio não é Maria Monte. Essa condição, obviamente, é a responsável pela construção de uma narrativa que exige do leitor o um trabalho de recriação palavra a palavra das possibilidades do narrado.

Ao citar Jorge Luis Borges, Guimarães Rosa, Euclides da Cunha e Mário de Andrade, esta leitura busca integrar o nome de Carlos Emílio no rol dos escritores do chamado realismo fantástico, estética a qual terão vinculado apenas como uma vertente da literatura da América de língua espanhola, mas se esquecem sempre dos nossos que, se não praticaram-na abertamente, tal como Emílio, se assumem de maneira muito legítima como seus precursores: Rosa com o seu sertão forma em toda parte, Cunha com seu encantamento pela força da natureza e a descrição de suas formas de maneira tal como percorre o fluxo da narrativa de Maria do Monte e Mário de Andrade por toda força inventiva na construção de uma epopeia genuinamente brasileira.

No mesmo instante requer reencontrar com a obra de Jorge Amado através de outro prisma que não o do realismo social ao qual sempre esteve associado pela crítica. Isto é, não seria este texto do escritor cearense uma maneira de reinventar também certa face já gasta de um dos nossos maiores ficcionistas? E se visitarmos um dos romances de Jorge Amado considerado uma das obras de maior cunho social, Capitães da areia, não poderíamos chegar a uma resposta para essa inquietação que subjaz o texto de Carlos Emílio? Basta o correr do romance para que possamos perceber que o herói criado por Jorge é totalmente clivado, no sentido de atravessado, pelos liames de seu espaço, carregando consigo, inclusive, no seu próprio signo de identidade, o nome, as marcas do que o fará o líder-condutor do grupo de marginalizados. Nos referimos à alcunha “Bala” advinda do fato de ter sido o seu pai assassinado, fator que desencadeia na personagem seus próprios rumos na diegese. A “bala” que ele carrega no nome é um termo-símbolo que estabelecerá a ligação entre suas ações e as do pai, mas, é esse termo também o que o confunde com a Salvador, cidade emulada pelo narrador como uma transfiguração da cidade histórica a que primeiro se refere o escritor.

Carlos Emílio ao desenhar sua figura principal, Maria do Monte, funde igualmente sua personagem com espaço, e ora não é mais a puta, mas a própria Bahia de Jorge Amado, composta da mesma força tropical que emana da terra. E talvez o mais interessante de considerar nessa construção é como a temática de cariz social geralmente negada pela crítica do romance fantástico se manifesta de forma atravessada no romance. Essa mulata, de corpo cobiçado e menos ilhado do mundo, é a Bahia ou não, aquela cobiçada de quando do período de exploração colonial do país? É ou não a mulher sob o jugo da força masculina e um adendo para se refletir sobre a violação do corpo?

Maria do Monte é uma narrativa em que o fenômeno da linguagem se impõe como síntese-simbólica do mundo; ela é desdobrada numa dinâmica de ritmos e sensações, mas não estará livre dessa determinante sócio-histórica, por mais que o escritor lapide da maneira como lapida Carlos Emílio a palavra. Nessa caudalosa corredeira de impressões, este é um romance que incursiona pelo espaço mítico de suas próprias raízes e o reanima através da expressão lúdico-sensorial da existência; a narrativa fantástica bebe em simultâneo da própria realidade e da força da poesia. E ambas são compostas de matérias muito semelhantes, afinal, o imaginário ou o poético alimenta a realidade mais comezinha e vice-versa. Pela maneira como engendra a palavra e a linguagem, este romance, mira contra a conveniência das formas e reimprime o ar encantatório de uma realidade que desde a consolidação do pensamento racional se tornou amorfa e destituída dos extensos labirintos animados pela força imaginativa.

A narrativa de Maria do Monte tem um tom genesíaco de fundação do mundo, de fundação de um livro, aqui uma e outra coisa as mesmas. Carlos Emílio lapida palavras como quem quer emoldurá-las como símbolo do que nos tem a dizer; e o que nos tem a dizer é que a realidade não é apenas essa camada complexa mas condensada como forma simples, há entre os fios que a constitui outras proezas, outras forças e é matéria da literatura revelá-las – eis um dos textos mais potentes da nossa literatura brasileira recente.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

Há muitos Faulkner

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Onze livros sobre escravidão e racismo na literatura estadunidense