"Má conduta", de Matheus Lara

Por Cris Castilho



MÁC-OND-UTA – assim se lê na capa da primeira edição do livro de contos de Matheus Lara (Arte Editora). A coisa, portanto, já começa na disposição das letras que dão título ao livro. Uma brincadeira que você pode ler como quiser e o que quiser. Mácula, Onda, Puta, Mácron, Conde, Bruta. E a intenção de Matheus Lara fica clara a cada página de seu primeiro livro: ele quer que você olhe de novo. O escritor paranaense quer que você olhe de novo para o livro e para as histórias que ele conta. E te provoca a todo tempo para cair na dele.

“Foi isso mesmo que eu li?”, é um dos sentimentos para quem está lendo. O livro traz seis contos intensos e vibrantes que te pegam de surpresa: "Barlavento", "Uma tarde na lanchonete", "Nuas em neons", "Dos porcos na rodovia", "Velhos amores nunca morrem" e "O caçador de dramas". Histórias violentas, com requintes de crueldade, e muito, mas muito bem narradas e amarradas.

Por que? Porque histórias complexas, que perpassam longos períodos de tempo e que se desenrolam nos mais diferentes espaços. Um escritor mediano não conseguiria amarrar bem esses elementos e temas dos contos. 

Será este o caso do escritor que veio pronto? Não. Mesmo que tudo indique que Lara nasceu com o dom de contar histórias e nos transportar para dentro delas, é notável que ele zela pela outra parte que determina o sucesso de uma obra: o leitor. Seus contos parecem filmes. São visuais. Mais do que isso: são palpáveis, com uma realidade próxima da nossa sociedade – do que infelizmente vemos nos jornais diariamente. Lara reforça, com isso, o caráter de peça social da literatura ou dizer o que somos e no que nos tornamos.

Como não se solidarizar com uma senhora que decida abandonar sua pacata vida para sair em busca de uma filha desaparecida? Como não querer acabar com a raça do homem que violentou um parente seu? Como não querer descobrir os desfechos de histórias que ainda não foram concluídas? Ou dá a elas novas possibilidades?

“Má Conduta” não é apenas um livro provocador. É também um livro que choca, que desorienta e que pode incomodar. Um grão de areia nos olhos. Um pedido de atenção: para os temas, para o gênero contos, para a literatura brasileira contemporânea e, por que não apostar: “Má Conduta” é também um pedido de atenção para um promissor novo nome da literatura brasileira.

***

Cris Castilho é jornalista de cultura e atua como freelancer em sites de cultura.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

Como enfrentar Ulysses

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20