Roth libertado, de Claudia Roth Pierpont

Por Anna Caballé




Sempre foi dito que Jonathan Swift, talvez o mais importante escritor em língua inglesa de seu tempo (com a licença de James Boswell), foi um escritor que unia à sua grande inteligência uma absoluta incapacidade para a ilusão. Um oculto desespero o levava ser crítico de todos os valores dominantes a fim de ameaçar as próprias raízes da existência humana como faz em As viagens de Gulliver. E agradeço a autora de Roth libertado. O escritor e seus livros, Claudia Roth Pierpont, que sugere as relações apreciáveis quanto ao talento e a sensibilidade dos dois romancistas. Porque, de fato, mesmo com séculos de distância, os dois têm relações em comum: recorrem à sátira como principal instrumento de sua literatura, e há também neles o desejo de renovar a prosa de seu tempo, dotando-a de uma nova e pulsante vitalidade. E não só isso: os dois se caracterizam por um componente obsessivo e amargo de sua personalidade que ocasionalmente o conduzem ao lugar da depressão.

O título deste iluminador ensaio com traço biográfico joga com o conhecido Zuckerman acorrentado de Philip Roth, como se sugerisse a liberação das chaves indispensáveis de acesso ao universo de um escritor contido (no caso aqui como pessoa, não como romancista). Não há nenhum laço de parentesco entre eles – escritor e jornalista –, ainda que o sobrenome seja idêntico. Claudia Roth trabalhou para o The New Yorker até 2004, quando saiu para se dedicar à sua própria escrita. O livro que agora falamos segue sua metodologia característica: justapor vida e obra a fim de que ambas se enriqueçam mutuamente e permitam reconstruir as verdadeiras dimensões de uma trajetória literária. Agiu dessa maneira com Hannah Arendt, Gertrude Stein, Anaïs Nin e Margaret Mitchell. Isto é, quase sempre foram elas – “mentes apaixonantes” – as de seu interesse.

Sua última contribuição é também em torno de uma mente apaixonante; Philip Roth é o escritor vivo mais importante da narrativa estadunidense contemporânea. Mas um romancista que teve seus problemas com a crítica feminista acusando-lhe quase sempre de misógino e inclusive de mal tratamento emocional nas raízes da publicação das memórias de sua segunda companheira, Claire Bloom, em Leaving a Doll’s House.  Um livro que lhe valeu a inimizade de John Updike, quem deu crédito absoluto às acusações, e uma infinita quantidade de comentários e piadas que o deixaram particularmente indefeso. 

Para amortecer o golpe, Roth abandonou Nova York e se refugiou em sua casa em Connecticut, mas aquela experiência trabalharia em seu interior e dela sairiam Casei com um comunista e A marca humana, uma obra excepcional em que o romancista desconstrói a forma como a desonra moral e a fofoca o hão convertido num entretenimento público, causando um dano irreparável. Em todo caso, havia ficado marcado por seu primeiro casamento com Maggie Martinson, uma mulher instável e de quem se vingaria em Minha vida de homem.

Roth libertado se lê com fluidez e está escrito com inteligência e perspicácia; oferece ao leitor uma interpretação coerente de sua carreira literária. Mas não espere uma biografia convencional da personagem, pois o livro conta com sua estreita colaboração: parte de uma amizade imprecisa entre os dois – “na saúde e na doença” – e por isso oferece algumas limitações. A mais grave é que não se analisa a psicologia de Roth nem se menciona sua evidente neurose e passeia panoramicamente sobre o contexto judeu de Newark, de onde saem os primeiros e importantes livros, como O complexo de Portnoy. 

A escritora, consciente de seu antifreudismo, evita aprofundar-se na vida familiar de Roth e traça uma diagonal até o primeiro livro, Adeus, Columbus. Aí é onde Claudia Roth começa a pisar firme, proporcionando uma visão filosófica de sua obra que inclui a tensa relação do autor com a crítica. É óbvio que o livro deve lutar com tudo o que Roth escreveu e disse de si mesmo – Os fatos de um romanista, Patrimônio, O ofício: um escritor, seus colegas e suas obras e especialmente através do seu “heterônimo”, Nathan Zuckerman – mas sai muito bem do empenho. A biografia, entretanto, virá algum dia.

Ligações a esta post:
>>> No Tumblr do Letras um conjunto de fotografias raras de Philip Roth 

* Este texto é uma versão livre "El pequeño Swfit" publicado no El País


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Como enfrentar Ulysses

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay