Dezesseis conselhos de escrita por Gabriel García Márquez



Para Gabriel García Márquez não havia outra maneira de aprender a escrever que não fosse lendo os grandes escritores. O escritor manteve durante toda sua vida o mesmo fascínio pelas pessoas, lugares e situações que à primeira vista pareciam-lhe comuns, mas logo os transformava e mostrava-os que nada é totalmente simples. E essa complexidade do mundo aprendeu lendo: Faulkner, sua grande obsessão, Hemingway, Virginia Woolf, a literatura clássica, com os contos de As mil e uma noites.

Dessas relações, saíram criações sensíveis e profundas marcadas pela exclusão do pedantismo filosófico ou da narração marcada pela simples complexidade da forma. Sua obra cria um mundo à parte do mundo conhecido dos latino-americanos e com ela deu forma a uma das correntes literárias mais importantes do século XX. O homem que dizia encontrar inspiração para o realismo mágico dos contos e lendas contados pela avó quando criança esboçou ao longo de vários textos, cursos e entrevistas alguns pontos que aqui destacamos como importantes no desenvolvimento sobre uma teoria da escrita – ou, se preferir, fundamentais aos interessados no manejo com a palavra literária.

Jornalista, interessado nas vivências da gente comum, e autor de uma das obras mestras da literatura universal contemporânea, Cem anos de solidão, Gabriel García Márquez não escapou do chamado bloqueio criativo; foi quando concluiu seu célebre romance. O próprio escritor afirmaria que uma maneira de superar esse período gris e buscar reinventar-se precisaria de passar por outro exercício além da leitura dos grandes que o antecederam: o de conviver com a certeza de que a prática da escrita é a outra ponta do fio que conduz à saída para fora do labirinto, embora, escrever se torne cada vez mais difícil à medida que se pratica.

Estes são 16 conselhos de García Márquez quem, antes de ser escritor, foi sonhador empedernido, jornalista curioso, leitor voraz, politicamente incorreto e sempre próximo à sua realidade; as características suas terão maior validade a qualquer escritor que mesmo os conselhos a seguir, ou melhor, os conselhos a seguir precisam encontrar alguém com essas características que fizeram Gabo um escritor.

1. Uma coisa é uma história longa e outra uma história alongada.

2. Um escritor pode escrever o que lhe dá na cabeça, desde que seja capaz de acreditar no que lhe vem à cabeça.

3. Não acredito no mito romântico de que o escritor deve passar fome, deve estar fodido para produzir.  

4. É mais fácil pegar um coelho que um leitor.

5. O final de uma reportagem é preciso ser escrito quando estás na metade do texto.

6. Há que começar com a vontade de que aquilo que escrevemos será o melhor que nunca foi escrito, porque logo e sempre fica algo dessa vontade.

7. Quando você se cansa escrevendo o leitor se cansa lendo.

8. Não devemos obrigar o leitor a ler uma frase de novo.

9. O autor lembra mais como termina um texto que como começa.

10. Escreve-se melhor tendo comido bem e com uma máquina elétrica.

11. O dever revolucionário de um escritor é escrever bem.

12. Simplifiquemos a gramática antes que a gramática termine por simplificar nós mesmos.

13. Quase sempre que se evitam os advérbios comuns, na mente se encontram formas belas e originais de dizer as coisas.

14. Para ser um bom escritor é importante ler muito, de frente para trás, os grandes autores que criaram e alimentaram nossa língua e aqueles que segue inventando-a todos dias. Não há outra maneira de aprender a escrever.

15. O ofício do escritor é talvez o único que se torna mais difícil à medida que mais se pratica.

16. Dizem que é preciso começar, e escrever, e escrever, até que logo se sinta que as coisas saem por si só, como se alguém as ditasse no ouvido ou como se quem as escreve fosse outro.


Ligações a esta post:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236