Boletim Letras 360º #211

Imagem
Os leitores que acompanham o Letras desde tempos remotos sabem do nosso esforço por oferecer conteúdo de qualidade e a prova disso está no reconhecimento que silenciosamente galgamos dia após dia. Em 2017, marca-se a passagem de 10 anos online. E já agora apresentamos a primeira das novidades para marcar essa data: inauguramos uma nova interface. Ainda na construção dos ajustes, mas com conteúdo integralmente acessível (quer dizer, quase, que ainda há postagens em revisão). Breve anunciaremos a chegada de novos colaboradores. E assim seguimos – até quando formos possível seguir. Aproveitamos para assinalar duas outras boas notícias: sai hoje o resultado da promoção que sorteia um exemplar de A montanha mágica, de Thomas Mann (Companhia das Letras); e o a nossa página no Facebook ultrapassou os 61 mil seguidores! Somos muito gratos.
Segunda-feira, 20/03
>>> Brasil: Um livro, dois inéditos: edição reúne textos de Friedrich Schlegel sobre a poesia
O autor foi uma voz determinant…

Lawrence Ferlinghetti

Lawrence Ferlinghetti numa leitura pública no Jazz Cellar


A Geração Beat não está tão longe de nós – espacial e temporalmente. Ainda que muitos continuem a acreditar que todos os nomes que deram forma a uma das estéticas mais importantes da literatura estadunidense contemporânea só estão acessíveis pela leitura de suas obras ainda é possível citar pelo menos numa ocasião dessas que ainda há alguém biologicamente vivo. Clássico e muito bem vivo, diga-se, porque está em pleno estado de lucidez e em atividade: com 97 anos, há alguns meses fez uma participação num sarau em San Francisco e seu livro – o segundo – Um parque de diversões (publicado em 1958) – ainda é lembrado como uma obra inquestionável para a poesia contemporânea na literatura dos Estados Unidos.

Agora, além dessas qualidades, todas elas grandiosas, qual a importância de Lawrence Ferlinghetti, é este seu nome, nessa ocasião? Ele foi – respondendo com mais atrativos sobre seu trabalho – o editor do popular e também clássico Uivo, de Allen Ginsberg e esteve à frente pela liberdade de imprensa e de expressão nos anos 1950, quando os rumos da tão falada liberdade estadunidense ganhavam uma forma duvidosa. Esses outros feitos não são nada pequenos se pensarmos que nos tempos atuais é cada vez mais comum a figura do escritor ou intelectual acomodado ante os desvarios da comunidade humana como se fosse ele próprio um senhor de que o que lhe rodeia não lhe atinge.

Para os brasileiros a obra de Ferlinghetti não é desconhecida – ao menos de um todo. Há dois títulos que figuram no catálogo da única casa editorial que desde sempre demonstrou interesse pela literatura da Geração Beat: o já citado livro de 1958 e Amor nos tempos de fúria. Mas a obra do poeta espalha-se por quase 40 títulos; uma vasta biblioteca para uma geração que tem outra marca, quase sempre, salvo raras exceções como esta, não esteve interessada em produzir uma bibliografia muito extensa. Terá preferido investir toda energia para escrever a obra que colocasse o escritor no eixo da literatura de seu tempo: foi assim com Ginsberg e o já citado Uivo, antes, com Jack Kerouac e seu On the road ou Burroughs e o Almoço nu.

Mas, os dois títulos de Ferlingheitti são suficientes para mostrar grande parte do fulgor literário e crítico de alguém que, sem qualquer dúvida, foi um dos envolvidos na construção do espírito transgressor na literatura contemporânea – alguém vindo da estirpe do Renascimento de San Francisco, território para o qual se mudou ainda nos anos 1940, motivado pelo boom da cena cultural desse período.

O poeta fundou o selo City Lights – editora, livraria e revista que são fundamentais para a aparição dos Beat; basta lembrar que grande parte deles, para não dizer todos, teve grande dificuldade de se inserir nessa fechada confraria que é o território das artes. Foi a casa de Ferlingheitti que recebeu e apostou em figuras como Charles Bukowski e coleção de poesia que foi inaugurada com a publicação de seu primeiro livro, Pictures of the gone world, recebeu o mais importante título de Ginsberg, publicação que levou Ferlingheitti ser preso por incitação à obscenidade; atenta ao espírito crítico, foi dela também o mérito de publicar obras como Noam Chomsky – o conceituado linguista que se tornou depois uma das vozes mais atuantes contra os desvarios da sociedade e da cultura capitalista.

Por longa data seu nome se manteve nos bastidores da cena literária; em parte porque sempre se viu como um fomentador e não um “produtor” da literatura, em parte porque esteve eclipsado – mesmo não esquecido dos seus contemporâneos – pela portentosa notoriedade de um Allen Ginsberg, o talento selvagem de um Kerouac ou ainda a peculiar violação da linguagem de um William Burroughs. Nesse último caso, pensemos: se já é ousadia brilhar num universo feito de uma só estrela, imaginem o que é angariar luzes num cuja força vem de uma constelação.

Mas o tempo tem sido generoso com quem nunca se descuidou da voz alheia – porque viu sê-la distinta e primordial para a oxigenação da atmosfera literária na qual respirava – e do próprio trabalho silencioso com a linguagem. De modo que, nessa altura, Ferlinghetti tem sido motivo de vários reconhecimentos oficiais dentro e fora de seu país; em todas as ocasiões fez-se voz ativa por “um mundo seguro / para anarquia”; é o poeta acrobata e hiper-realista que “escala sobre a rima / executa piruetas / e de pela força perceber / a tensa verdade”; é o surfista em busca d’“a onda perfeita / com o perfeito ritmo sublime”, que busca a luz infinita ou “o pequeno charles chaplin  / no ar vazio / da existência”.



Com um estilo marcado pela oralidade, muito joguete com a linguagem, e extrema ironia, em poemas curtos ou em fluxos discursivos, Ferlinghetti é um cronista do instante e do cotidiano; alguém que contempla e retrabalha as situações até torná-las em absurdo porque quer saber o que há no fundo de sua existência – essa inquietação não-rara entre os trabalhadores da palavra – (“Espero que alguém descubra realmente a América”) e no satírico a realidade sem subterfúgios (“A roupa interior controla tudo em última instância”). Mesma na poesia, a palavra lhe serve para bofetear “o império invisível / do genial capitalismo abutre”, o credo do consumo que “come a terra e o homem / disfarçado de democracia”, sem esquecer do aparelhamento econômico, midiático, do governo e das forças militares – Ferlinghetti foi veterano da Segunda Gueirra Mundial; em serviço percorreu lugares com a Normandia e Nagasaki.

Seu discurso lírico não apenas está a serviço de uma profunda revisão da consciência política a ponto de assumir-se como um discurso militante como não se descuida de explorar temas de ordem metafísica, como a eternidade, a beleza, a espiritualidade ou “o renascer do sentido do belo”; aponta em sua poética múltiplas alusões culturais e históricas – nenhuma delas gratuita mas nascida da convivência com academia (Ferlinghetti tem doutorado pela Sorbonne) e com a cultura de outros países (viajou por Espanha, Itália e outros países como corresponde para periódicos estadunidenses, entre elas, a revista Time).

A grande pulsão da vida de Ferlinghetti é a de levantar os de sua comunidade (escritores e leitores) a sair da letargia a que foram submetidos pelo modus vivendi do capital; que sejam figuras ativas, atuantes pela renovação das formas de existir e estar no mundo. É um poeta que constantemente revisa seu labor literário como quem sabe que o valor de peça dessa natureza passa pela lapidação do criador e se em seu Manifesto popular (1974) clamava “temos visto as melhores mentes de nossa geração / destruídas pelo tédio dos recitais de poesia” e “as crianças selvagens de Whitman seguem dormindo por aí. / Despertem e caminhem ao ar livre”, em Adieu a Charlot (1979) perguntava “poetas de outra visão / Quem dentre vocês fala ainda em revolução”. E insistia dizer em Poeta cego, “Vou ver o mundo real / Consegue tua própria venda para os olhos / Não pode ser aminha / Terás que encarar o mundo sem ela” e em seu mais recente título de poesia, Blasts, cries, laughter (2014), onde atira contra Barack Obama e seus aviões não tripulados, pergunta ao leitor qual é seu lado na guerra contra o Terceiro Mundo, ou proclama, “o primeiro grande dia da Ocupação de Wall Street / para implantar sobre este continente uma nova nação”.

Desde a década de 1950, Ferlinghetti não parou de publicar; a vasta obra não é composta só por poemas; na prosa, há, além de Amor nos tempos de fúria, títulos como Her (1960) e Tyrannus Nix (1969) e no teatro Unfair Arguments with Existence (1963) e Routines (1964). Trata-se de um nome cuja atenção sobre seu trabalho é indiscutível.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea

Doze livros que revolucionaram a poesia

Dez livros escritos sob a influência de drogas

A gênese de O velho e o mar, de Ernest Hemingway

Casadas com o trabalho sujo dos escritores

Marguerite Yourcenar e Grace Frick

Elizabeth Bishop e Lota Macedo Soares

Modernidade no realismo mágico de Gabriel García Márquez

Literatura e viagem: dez livros fundamentais da literatura universal

Boletim Letras 360º #207