Boletim Letras 360º #174

Jorge Luis Borges. Um documentário brasileiro busca os passos do escritor.

Contamos assim mais uma semana online. E aqui estão as notícias que apresentamos durante ela no compartimento mais movimentado de nossa casa: a sala de estar no Facebook. 

Segunda-feira, 04/07

>>> Brasil: Nova obra de Heinrich Böll 

Pela Editora Estação Liberdade, que já havia publicado O anjo silencioso, também do escritor alemão. Heinrich Böll foi o ganhador do Nobel de Literatura, em 1972 e o romance ora publicado é Pontos de vista de um palhaço. A obra traz ao leitor as questões que tensionavam a Alemanha pós‑Segunda Guerra, uma nação em reconstrução, trespassada por sérios conflitos de ordem econômica, religiosa e ideológica. Hans Shnier, personagem central, é um palhaço abandonado pela companheira – fato que o coloca numa rota reflexiva e autodestrutiva até os níveis mais profundos e sutis do conflito alemão.

>>> Brasil: Nos passos de Jorge Luis Borges

O cineasta Cristiano Burlan é o autor do documentário "Em busca de Borges"; como se sabe, Borges escolheu Genebra para passar a fase final da vida, já na companhia de Maria Kodama. Tinha, com a cidade, uma relação estreita, pois lá vivera parte da juventude e, como gostava de dizer (e escrever), lhe parecia a cidade onde se podia ser mais feliz. Lá morreu, há exatos 30 anos, e lá está enterrado. E é daí que parte a viagem empreendida para a realização do roteiro do filme que passa ainda por Buenos Aires, Lausanne, Zurique e São Paulo, de onde parte o personagem (Henrique Zanoni) em busca de Borges. Não é um filme que busca "explicar" Borges; é um filme dedicado a ele faz a paráfrase de um dos seus contos mais conhecidos, "Em Busca de Almotássim", no qual o percurso parece muito mais significativo do que a chegada.

Terça-feira, 05/07

>>> Brasil: A poesia de Pedro Mexia transita quase sem espanto, desassombrada, por entre ruínas, lúcida e melancólica

A frase é do também poeta Eucanaã Ferraz que apresenta a obra Contratempo do escritor, cronista e poeta português. "Os versos fazem-se, sobretudo, com o diapasão da simplicidade. Os mistérios surgem então como resquícios, restos que emergem da lembrança, testemunhos silenciosos e confusos: casas, automóveis, livros, espingardas, fotografias, animais, canções." — acrescenta Ferraz. O título integra uma coleção de obras ainda desconhecidas (sobre as quais falamos já numa ocasião nesta página) do público brasileiro de figuras de Portugal.

Quarta-feira, 06/07

>>> Brasil: Uma nova tradução e edição para um clássico do romance francês, Graziella

A publicação é da jovem e já reconhecida interessante editora Carambaia. Graziella data do auge do romance na França; foi escrito por Alphonse de Lamartine (1790-1869), nome admirado por autores como Victor Hugo, Charles Nodier e Charles-Augustin Sainte-Beuve. Segundo o crítico literário Brito Broca, o livro inspirou gerações de escritores românticos no Brasil, sobretudo José de Alencar. Para afastar um jovem francês de 18 anos de um romance indesejado, sua família o envia para uma temporada na Itália – Roma, Florença e Nápoles. Após quase naufragar durante um passeio num barco de pescadores, ele aporta na pequena ilha de Procida, no golfo de Nápoles, e conhece Graziella. A moça o faria esquecer rapidamente do amor deixado na terra natal, e a história dessa paixão resultou numa das obras mais emblemáticas do Romantismo francês. Graziella não era editado no país desde os anos 1960. A tradução é de Sandra M. Stroparo, professora de Literatura na Universidade Federal do Paraná, que também assina o posfácio.

>>> Brasil: Mais um título nas reedições da obra da escritora Adalgisa Nery, uma das personagens mais fascinantes da história cultural brasileira

A obra da poeta, jornalista, política, escritora e musa de artistas como o pintor modernista Ismael Nery e o poeta Carlos Drummond de Andrade começou a ser reeditada em 2015 pela José Olympio | Grupo Editorial Record. Depois de A imaginária (1957) a reedição continua com Neblina (1972). O título é o segundo romance de Nery. Na narrativa, uma mulher em seu leito de morte, vegetativa após uma complicação cirúrgica, entrega-se a um fluxo de consciência que recupera os momentos definidores de sua vida em um surreal diálogo com uma segunda cabeça que, em seu delírio, ela enxerga projetada de seu ombro.

Quinta-feira, 07/07

>>> Brasil: A cabra vadia, o próximo título reeditado da obra de Nelson Rodrigues

O trabalho conduzido pela Editora Nova Fronteira traz de volta aos leitores a seleção feita por Nelson Rodrigues em 1970 das crônicas públicas no jornal O Globo entre 1967 e 1969. São 84 textos dotados de uma sinceridade inabalável, que estremece nossas certezas e que fez do autor um incômodo para a intelectualidade de uma época marcada pela radicalização de posições políticas. Voz dissonante na imprensa desabituada à complexidade, Nelson não tinha medo de expor suas radicais e polêmicas opiniões. Atacava personagens nos quais via a hipocrisia da época - o padre de passeata, a grã-fina de nariz de cadáver que faz pose de socialista - e não perdoava nem os amigos.

Sexta-feira, 08/07

>>> Brasil: Livro desconhecido por aqui e de grande importância para a literatura francesa ganha tradução e edição no Brasil

Foi em 2015, depois que o jornalista e editor Mateus Kacowicz saiu do cinema que veio o interesse pela obra. O filme O diário de uma camareira lhe deixou com várias dúvidas, entre elas, como podiam ter feito um filme tão ruim a partir de uma história tão boa; e por que, tanto tempo depois (o romance é de 1900), a obra não havia sido publicada no Brasil. Para a primeira dúvida descobriu que obra já tinha inspirado outras três adaptações cinematográficas bem melhores, incluindo uma do espanhol Luis Buñuel e outra do francês Jean Renoir. E para a segunda, ele próprio traduziu, diagramou, prefaciou e publicou a primeira edição brasileira da obra de Octave Mirbeau. O diário de uma camareira é considerado o romance mais importante de Mirbeau, que também foi jornalista e crítico de arte. Pelos olhos da narradora, a criada Celestine, o escritor faz um retrato impiedoso da burguesia francesa na virada do século XIX para o XX.

>>> Brasil: Breve, textos de Kurt Vonnegut ainda inéditos no Brasil virão a lume

Kurt Vonnegut se tornou um clássico da literatura estadunidense com Matadouro-5; mas ele foi um dos mais populares – e disputados – paraninfos na história das formaturas universitárias dos EEUU. Seus discursos ficaram conhecidos pela leveza, pela graça e pela sabedoria. Em 2013, esses textos foram reunidos numa coletânea com o título de If this isn't nice, what is? The Graduation Speeches and Other Words to Live. Vendeu horrores! E agora sai mais uma edição com textos inéditos; é esta a edição que chegará ao Brasil pela Editora Rádio Londres.

>>> Brasil: O romancista Ignácio de Loyola Brandão foi anunciado nesta quinta-feira como o vencedor do prêmio Machado de Assis, outorgado pela Academia Brasileira de Letras

O prêmio outorgado a Brandão marca a reformulação das gratificações da ABL, que até 2015 concedia prêmios nas áreas de poesia, ficção, ensaio, literatura infanto-juvenil, tradução, cinema e história e ciências sociais. A partir deste ano, o Machado de Assis se torna a única premiação da instituição, intercalando as áreas de literatura e de humanas.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

O romance perdido de Sylvia Plath