Boletim Letras 360º #176

Depois de longa espera, leitores de Philip Roth no Brasil começam a receber os livros que ainda faltam ser traduzidos por aqui. O primeiro dos últimos está disponível. Mais detalhes ao longo deste Boletim.

Eis a cópia das notícias que divulgamos durante esta semana em nossa página no Facebook e no Twitter @Letrasinverso. Boas leituras!

Segunda-feira, 18/07

>>> Brasil: Os afetos da filha de João Cabral de Melo Neto um a um se revelam em antologias dedicadas a revisitação da obra do pai

Desde sempre Inez Cabral tem estado à frente da obra do pai e desde há alguns dedicada à criação de antologias com retalhos temáticos da obra do poeta. Foi assim com a edição de O rio, com poemas cuja evocação são os rios; e é agora com poemas que registram o olhar de João Cabral de Melo Neto sobre os diversos lugares onde morou e pelos quais tinha predileção na antologia A literatura como turismo. Sabe-se que o brasileiro ao longo de seus quase cinquenta anos de carreira diplomática, morou em países como Espanha, Inglaterra, Senegal, Equador e Honduras. A cultura e a paisagem desses lugares marcaram sua poesia de forma expressiva. Sevilha talvez tenha sido a cidade mais cantada pelo poeta, mas não foi, de modo algum, a única. No Equador, por exemplo, o fascínio pela natureza e os índios dos Andes produziu joias como “O corredor de vulcões” e “O índio da Cordilheira”. Os poemas aí reunidos são entrelaçadas com os relatos memorialistas de Inez Cabral e revelam ao leitor aspectos cotidianos da vida do pai: seus hábitos, opiniões e gostos.

>>> Vaticano: Uma das mais antigas edições e, logo, uma das mais valiosas, da Eneida está online

A organização Digita Vaticana, uma associação sem fins lucrativos filiada à Biblioteca do Vaticano, concluiu, depois de vários anos de trabalho, a digitalização do arquivo. A edição data de aproximadamente 400 d.C. e foi composta por um escriba e três pintores, que buscaram ilustrar o trajeto do herói Eneas desde Tróia a Itália. O manuscrito conhecido como o “Vergilius Vaticanus”, é uma das versões mais antigas do mundo da epopeia de Virgílio; está composto de 76 páginas com 50 ilustrações, mas se trata não de uma edição completa do manuscrito já que as primeiras páginas se perderam; estima-se que o arquivo contemplava toda a obra do poeta e teria algo em torno de 440 folhas e 280 ilustrações. Mais detalhes, aqui.

Terça-feira, 19/07

>>> Brasil: O novo livro de Richard Ford sai no início de 2017

Dificilmente um editor sabe se um livro quando publicado ou traduzido se converterá numa surpresa entre os leitores com força suficiente de levar ao fim dos estoques muito rapidamente da tal obra. É raro, mas aconteceu com a publicação de Canadá, de Richard Ford. E quando acontece, os leitores cobram para outros livros do autor descoberto cheguem logo. E é que acontecerá no início de 2017; Com toda franqueza, título ainda provisório já foi traduzido está em revisão; sairá pela mesma casa editorial, a Estação Liberdade. A obra retoma o alterego do escritor - Frank Bascombe.

>>> Brasil: Mais poesia e livros na caixa postal dos leitores

Uma parceria entre as editoras Azougue e Cozinha Experimental preparam uma coleção de livros artesanais com um panorama da poesia brasileira contemporânea, com autores nascidos entre os anos 1930 e 1960. A coleção será vendida por um sistema de assinaturas, com um livro entregue por mês. São antologias de nomes como Roberto Piva, Glauco Mattoso, Alberto Pucheu, Paulo Henriques Britto e Torquato Neto, entre outros. Cada volume trará uma longa entrevista inédita com cada um dos autores. Outra parceria, agora entre o projeto TAG - Experiências Literárias e a editora Dublinense farão o gosto dos leitores: juntos vão editar uma seleta de livros há muito querido pelos assinantes, mas fora de catálogo. Só que tudo é surpresa: os leitores só saberão qual livro foi editado quando receberem um de seus Kits. As edições terão tiragem limitadíssima e só para os assinantes do projeto.

Quarta-feira, 20/07

>>> Brasil: Não para a febre Elena Ferrante. Até 2017 grande parte de toda sua obra estará ao alcance dos leitores

Não, a autora italiana não é mais exclusiva da Biblioteca Azul, selo da Globo Livros que traduziu os primeiros livros de Elena no país: o título de abertura da série napolitana. Os próximos quatro livros seus a serem publicados no país foram comprados pela Intrínseca. Entre eles, está La Frantumaglia, com crônicas de Ferrante sobre assuntos como o fazer literário e a razão de seu o anonimato. O livro saiu na Itália em 2003, mas uma edição atualizada está sendo preparada para sair nos EUA. Por aqui, só ano que vem. Em outubro, já saem o romance A filha perdida e Na praia à noite. Este é um infantil que tem como protagonista uma "personagem" que aparece aqui e ali na obra da autora: a boneca perdida. ara 2017, está previsto L'Amore Molesto (O amor perturbador), sobre uma mulher que investiga a história de sua família. Bom, muito recentemente a Biblioteca Azul publicou o segundo volume da série napolitana e, agora, o romance Dias de abandono. O terceiro da famosa série sai em novembro e demais continuam com o selo da Globo Livros. Até lá toda obra de Ferrante estará em língua portuguesa no Brasil.

>>> Portugal: Novo número da Revista Blimunda está disponível na web

É verão na Europa e muita gente daquele continente está em férias. A edição deste mês do mensário da Fundação José Saramago veste a toalha, toma um livro e vai ao encontro dos leitores com o tema "viagem", motivada, claro está, pelo já famoso itinerário saramaguiano de Viagem a Portugal. «O viajante viajou no seu país. Isto significa que viajou por dentro de si mesmo, pela cultura que o formou e está formando», aponta o escritor português no livro publicado em 1981, uma viagem em que ele se coloca na pele de quem percorre o seu país a fim de descobri-lo e descobrir-se. Na Blimunda, as palavras de Pilar del Río, revisita esse título de José Saramago. Há um passeio pelo universo das feiras de edição independentes e alternativas, dá a conhecer traço de Eduardo Fonseca, jovem pintor brasileiro que neste mês de julho expõe o seu trabalho no Centro Cultural de Belém, e vai conhecer os livros de António Mega Ferreira, entre outros destaques. Basta acessar aqui.

>>> Inglaterra: Obra pouco conhecida de Jane Austen ganha adaptação para as grandes telas

Orgulho e preconceito deve ser a obra mais adaptada da escritora. Mas não Lady Susan, obra de quando Austen teria 19 ou 20 anos quando a escreveu e que só foi publicada postumamente. É um livro atípico, atrevido e maliciosamente “subversivo”; escrita sob forma epistolar, tal como uma primeira versão de Razão e sensibilidade, Lady Susan, é uma narrativa curta e diferente de outras obras de Austen porque contraria as convenções literárias da época: sua heroína, Lady Susan Vernon, uma aristocrata, viúva recente, é manipuladora, alcoviteira e estraga-vidas; além de altiva, bonita, inteligente e espirituosa, mal vista pelas mulheres e admirada pelos homens. Love and friendship (algo como "Amor e amizade") é a adaptação dessa obra por Whit Stillman. O filme tem estreia para o próximo mês de agosto de 2016.

Quinta-feira, 21/07

>>> Brasil: Sonhos, uma antologia de poemas sobre o universo dos sonhos e a suposta realidade que nos delineia

Entre 1950 e 1963 Cecília Meireles escreveu uma série de poemas marcados pelo fértil campo dos devaneios, das aspirações e das frustrações no qual toda alma humana transita. Os poemas dessa obra fizeram parte de uma edição da poesia completa da poeta, organizada por Antonio Carlos Secchin, em 2001 e agora são publicados pela primeira numa obra separada. O livro traz uma apresentação analítica e detalhada feita por Rodrigo Petronio e integra o amplo projeto de reedição da obra da poeta realizado pela Global Editora.

>>> Brasil: Uma coleção de clássicos que, em todos os sentidos, cabem no bolso do leitor

Chama-se "Clássico para todos"; e é uma publicação da editora Nova Fronteira cujo interesse é oferecer importantes obras da literatura brasileira e estrangeira a preços populares. Até agora foram apresentados títulos de Guimarães Rosa (Sagarana), Caio Fernando Abreu (Morangos mofados), Carlos Drummond de Andrade (Amar, verbo intransitivo), Ariano Suassuna (O auto da Compadecida), Nelson Rodrigues (A vida como ela é), Machado de Assis (Esaú e Jacó; Dom Casmurro; Memórias póstumas de Brás Cubas), Lima Barreto (Triste fim de Policarpo Quaresma), Mário de Andrade (Macunaíma), Maquiavel (O príncipe), Shakespeare (Romeu e Julieta), Jane Austen (Razão e sensibilidade), Edgar Allan Poe (Histórias extraordinárias), Saint-Exupéry (Terra dos homens), José de Alencar (Til; Iracema), Aluísio Azevedo (O cortiço).

>>> Estados Unidos: Uma nova adaptação de A redoma de vidro, de Sylvia Plath

Será dirigida pela atriz Kirsten Dunst, que estreará como diretora de um longa-metragem. Ela já escreveu o roteiro com Nellie Kim, contará com Dakota Fanning como protagonista do filme. A história de A redoma de vidro mostra uma jovem estudante que, após ganhar um prêmio em Nova York nos anos 1950, retorna para casa e começa a sofrer problemas mentais. O livro de Plath já ganhou adaptação para o cinema em 1979, com o filme homônimo do cineasta Larry Peerce, protagonizado por Marilyn Hassett. O novo longa deve começar a ser filmado no primeiro trimestre de 2017.

Sexta-feira, 22/07

>>> Chega às livrarias o primeiro dos últimos títulos de Philip Roth em tradução no Brasil

Os fatos. A autobiografia de um romancista é a narrativa sobre um romancista que remodelou a maneira como encaramos a ficção. Livro de irresistível candura e inventividade, é especialmente instrutivo em sua revelação sobre as conexões entre arte e vida. Philip Roth foca em cinco episódios de sua trajetória: a infância em Nova Jersey; a formação universitária; o envolvimento com a pessoa mais ríspida que conheceu; o embate com a comunidade judaica por conta de seu livro Adeus, Columbus; e a descoberta do lado adormecido de seu talento que o levou a escrever O complexo de Portnoy. Ao final, um ataque do próprio autor às suas habilidades como biógrafo encerra de forma surpreendente o novo livro de um dos principais escritores contemporâneos.

>>> Estados Unidos: John Crowley, o diretor que adaptou Brooklyn, obra de Colm Tóibín, está à frente da direção de O pintassilgo, de Donna Tartt

O roteiro é Peter Straughan. A obra de Tartt é a história Theo Decker, um nova-iorquino que sobrevive milagrosamente a um acidente que mata sua mãe. Abandonado pelo pai, Theo é levado pela família de um amigo rico. Desnorteado em seu novo e estranho apartamento na Park Avenue, perseguido por colegas de escola com quem não consegue se comunicar e, acima de tudo, atormentado pela ausência da mãe, Theo se apega a uma importante lembrança dela - uma pequena, misteriosa e cativante pintura que acabará por arrastá-lo ao submundo da arte.

>>> Brasil: É preciso conhecer a obra-prima de China Miéville, um dos mais cultuados da literatura britânica contemporânea

Para o bem ou para o mal, o escritor apelidado como o "Žižek da literatura contemporânea", Miéville é formado em Antropologia Social pela Universidade de Cambridge, com Doutorado em marxismo e direito pela London School of Economics e Professor de escrita criativa da Warwick University. Sua obra mescla cultura pop com literatura fantástica e elementos da crítica à sociedade capitalista presentes nas obras de Karl Marx, Walter Benjamin, Kafka e os surrealistas. Em Estação perdido o leitor é levado para Nova Crobuzon, no planeta Bas-Lag, uma cidade imaginária cuja semelhança com o real provoca uma assustadora intuição: a de que a verdadeira distopia seja o mundo em que vivemos. Nele, Miéville cria um universo instigante que expõe a realidade das relações trabalhistas, sociais e raciais que marcam a vida nas grandes metrópoles contemporâneas e comprova a força da imaginação crítica literária para pensar e construir uma verdadeira utopia anti-capitalista à altura da alienação e do fetichismo em que estamos imersos. A edição é da Boitempo Editorial.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea

Doze livros que revolucionaram a poesia

Dez livros escritos sob a influência de drogas

A gênese de O velho e o mar, de Ernest Hemingway

Casadas com o trabalho sujo dos escritores

Marguerite Yourcenar e Grace Frick

Elizabeth Bishop e Lota Macedo Soares

Modernidade no realismo mágico de Gabriel García Márquez

Literatura e viagem: dez livros fundamentais da literatura universal

O leitor Ricardo Piglia: 12 escritores estadunidenses sob a lupa escritor argentino