Boletim Letras 360º #181

Mais alguns papéis digitalizados e já teremos online boa parte do arquivo de Gabriel García Márquez; esta semana novidades sobre o intenso andamento desse trabalho foram divulgadas, claro, com alguma amostra do já-feito.

Aqui, copiamos todas as notícias relacionadas ao núcleo de interesse do blog, que estiveram ao nosso alcance e foram postadas em nossa página no Facebook. Em breve iremos divulgar nossa promoção - há muito prometida. Aguardem só mais um pouco. É que iremos aproveitar as ocasiões de coisas boas que pensamos já para o aniversário de 10 anos do Letras e gostaríamos de inserir essa big promoção.

Segunda-feira, 22/08

>>> Brasil: Livro-referência de Eduardo Lourenço ganha edição no Brasil

Em meados de 2016, publicamos por aqui que a editora portuguesa Tinta-da-China, com sede no Brasil, passaria a editar uma coleção com autores de Portugal há muito conhecidos no nosso país mas pouco ou já não editados. Os três primeiros títulos vieram a lume: de Herberto Helder, Agustina Bessa-Luís e Antero de Quental. A boa notícia é que em breve sairá O labirinto da saudade, de Eduardo Lourenço, sua obra mais conhecida e já uma referência do pensamento lusitano.

Terça-feira, 23/08

>>> Brasil: Projeto Poemaria lança em setembro aplicativo gratuito para smartphone voltado para poesia

Em tempos de inúmeras possibilidades de o sujeito aparecer na internet, tirar selfies, mostrar o que vai jantar ou o que está pensando, por que não, usar a grande rede como um disseminador de poesia? O ator, diretor e poeta, Davi Kinski, idealizador e realizador do projeto Poemaria, vai realizar um Sarau Poético para promover o lançamento, no dia 13 de setembro, às 20h, no Reserva Cultural, na Avenida Paulista, do App DECLAMAÍ o primeiro aplicativo para smartphones. Inteiramente gratuito, pelo App o usuário poderá ver, gravar e partilhar vídeos com poemas. Os vídeos feitos através do aplicativo serão compartilhados nas redes sociais e divulgados no site onde abriga boa parte do projeto, que contém várias ações, dentre elas a série documental (em fase de criação), além de um longa-metragem, próximo passo do projeto.

>>> Brasil: Chega à web brasileira um hotsite sobre Roald Dahl

O centenário do escritor que é considerado um dos mais importantes contadores de histórias para crianças do século XX é comemorado em 2016. Para marcar a data a Editora 34 disponibiliza um espaço na web que apresenta seus títulos e personagens inesquecíveis, a edição especial de "O Bom Gigante Amigo", que este ano ganhou uma versão cinematográfica, dirigida por Steven Spielberg, além de diversas informações sobre o escritor e o principal ilustrador de seus livros, o genial Quentin Blake. Roald Dahl nasceu em 1916 no País de Gales, filho de pais noruegueses. Passou a infância na Inglaterra e, aos dezoito anos, foi para a África como empregado da companhia de petróleo Shell. Participou da Segunda Guerra Mundial como piloto da Real Força Aérea da Inglaterra. Começou a escrever quando era adido da embaixada inglesa em Washington. Seus livros para adultos e crianças são hoje traduzidos e apreciados no mundo todo. Roald Dahl morreu em 1990, aos 64 anos. De Roald Dahl, com ilustrações de Quentin Blake, a Editora 34 já lançou no Brasil: O BGA, O Bom Gigante Amigo (edição comemorativa do centenário de nascimento), Os pestes, O remédio maravilhoso de George, James e o pêssego gigante, O dedo mágico e O vigário de Mastigassílabas.

>>> O processo de digitalização dos papéis de Gabriel García Márquez

Desde dezembro de 2015 uma equipe de digitalização do Harry Ransom Center tem trabalhado no projeto de digitalização do arquivo do escritor de Cem anos de solidão - algo em torno de 24.000 páginas. Uma nota recente divulgada para a imprensa cita que já foram digitalizadas mais de 2.500 páginas manuscritas. O processo deve se estender ao longo dos próximos 18 meses. O material inclui, além de manuscritos, cadernos, álbuns de recortes, fotografias e coisas efêmeras do arquivo. No Tumblr do Letras postamos algumas peças divulgadas como de interesse aos leitores/curiosos sobre o material. Estão um roteiro de García Márquez para um filme sobre um jogo de futebol perfeito e notas para elaboração de Do amor e outros demônios.

Quarta-feira, 24/08

>>> O centro doméstico que dominou a vida literária de John Updike, a casa no número 117 de Philadelphia Avenue, em Shillington, cidade de pouco mais de cinco mil habitantes no condado de Berks, a 96Km da Filadélfia, se tornará museu em homenagem ao escritor

Foi ali que Updike cresceu depois de ter nascido na vizinha Reading em 1932, e viveu até 1945, quando fez 13 anos e a família se mudou para Plowville, o local a 20Km dali que a mãe conseguiu recuperar para a família. Desde então, a grande casa branca da Philadelphia Avenue teve outros moradores até ter sido comprada em 2012 pela John Updike Society (JUS). Criada em Maio de 2009, quando se celebraram os 50 anos de vida literária do escritor, e quatro meses após a sua morte, o espaço pretende promover a leitura e o conhecimento da obra de um dos autores fundamentais na história recente da literatura estadunidense. Além de uma revista, a JUS organiza conferências, atribui bolsas e conseguiu fundos para criar um museu com o nome e o legado de Updike. Será justamente na casa de Shillington que está prestes a abrir ao público totalmente recuperada, tal como era quando Updike ali viveu. A casa pretende ser um símbolo, a prova de que Updike nunca se descolou das suas origens, apesar de as relatar tantas vezes como claustrofóbicas, marcadas por forte religiosidade, moralmente e sexualmente castrantes, onde o indivíduo luta pela sua singularidade num meio que quer apagar as diferenças. A obra de JU é editada no Brasil pela Biblioteca Azul.

>>> Portugal: A nova edição da Revista Blimunda, mensário da Fundação José Saramago, já está online

"Um livro só existe se é lido; senão é um cubo de papel", diz Alejandro García Schnetzer na entrevista publicada na edição 51 da revista. Ele é quem está por trás da apresentação de "O Lagarto", que une as palavras de José #Saramago ao traço do artista popular brasileiro J. Borges (cf. divulgamos por aqui). A jornalista e escritora portuguesa Carla Maia de Almeida visitou a Biblioteca Internacional da Juventude, em Munique. Criada em 1949, numa tentativa de se trazer um pouco de cultura a um país arrasado pela guerra, a biblioteca reúne hoje mais de 600 mil livros. "É uma espécie de paraíso", relata. E Sara Figueiredo Costa passou uma tarde com os responsáveis pelo projeto "Livros na estrada" – que divulga autores em língua portuguesa aos turistas que visitam Lisboa. Há mais. Para ler basta ir aqui.

Quinta-feira, 25/08

>>> Itália: Davi, de Michelangelo, o belo de pernas frágeis ou como a integridade da estátua está ameaçada

O jornal New York Times publicou na semana passada uma extensa reportagem relatando como as imperfeições poderão levar à queda a estátua mais perfeita do mundo. A emblemática escultura, situada desde 1873 na Galeria de la Academia em Florença poderá ruir, segundo o texto, a qualquer momento se exposta ao um leve tremor provocado mesmo pelo tráfego dos visitantes, pelas obras no subsolo da cidade ou a leve réplica de um abalo sísmico. A fragilidade de Davi não se deve ao maltrato dos anos (ele já sobreviveu a um ataque em 1991 e às intempéries na Piazza della Signoria, onde agora há uma réplica). A causa está na delicadeza desta imensa figura de 5,17m de altura e 5.572Kg de peso se deve a um pequeno deslize de seu criador: o centro de gravidade da escultura se encontra ligeiramente desviado, o que faz com que o peso da peça recaía mais em certos pontos de sua anatomia que, depois de 512 anos, poderá acabar por não resistir. A fragilidade da estátua foi objeto de estudo de um grupo de geocientistas italianos em 2014. Uma inclinação de apenas 15 graus pode fazer ruir a estátua - concluíram. Espera-se que as autoridades responsáveis encontrem uma saída para a situação: dispor o Davi numa área equipada para resistir a sismos é uma das possibilidades.

>>> Brasil: Título inédito de Lewis Carroll no Brasil ganha edição

Publicado originalmente em 1876, na Inglaterra, o poema Caça ao Esnarque (uma agonia em oito surtos) é um épico do nonsense. Trata-se de um longo poema escrito por Lewis Carroll com alguns dos mesmos personagens do poema Jabberwocky, citado em Alice através do espelho. Dez personagens viajam em busca de um ser imaginário, o Esnarque, entre eles um Castor, um Banqueiro e um Padeiro. Traduzido ao longo de dez anos pelos mesmos tradutores de A bicicleta epiplética, de Edward Gorey, a edição brasileira da editora Laranja Original publica a obra com Ilustrações da artista plástica polonesa Gosia Bartosik e tem projeto gráfico assinado por Ana Caruso e Arthur Vergani.

>>> Estados Unidos: Cinzas de Truman Capote vão a leilão

Nos 32 anos da morte do escritor estadunidense eis o anúncio insólito: a empresa de leilões Julien Auctions (segundo conta o jornal The Guardian) levará à venda os restos mortais de Truman. Julien, presidente da casa, justifica a sua ideia com o fato de o autor gostar de criar oportunidades para aparecer na imprensa e ler o seu nome no jornal. Preservadas numa caixa esculpida japonesa, as cinzas fazem parte do patrimônio de Joan Carson, ex-mulher do lendário anfitrião do The Tonight Show, Johnny Carson. Joan acompanhou Truman nos seus últimos momentos e tinha as cinzas do escritor guardadas na divisão da casa onde Capote morreu em 25 de agosto de 1984. As comparações mais próximas que o leiloeiro conseguiu arranjar foram os leilões de uma pedra renal de William Shatner e o pênis do imperador francês Napoleão Bonaparte, este comprado em 1972 por um urologista de Nova Jersey. 

Sexta-feira, 26/08

>>> Inglaterra: O canal BBC2 encomendou a produção de seis episódios de Os luminares, adaptação de Eleanor Catton de sua própria obra

Situada no ano de 1866, período da corrida do ouro, a narrativa do extenso volume, acompanha Walter Moody, um escocês, que viaja para a Nova Zelândia em busca de sua fortuna. Numa noite chuvosa, ele chega a um hotel onde encontra doze homens que participam de uma reunião secreta para tentar solucionar uma série de eventos inexplicáveis que ocorreram na região. Entre eles, o desaparecimento de um homem rico, a tentativa de suicídio de uma prostituta e a descoberta de uma grande quantidade de ouro na casa de um bêbado. Cada um dos homens relata os eventos sob seu ponto de vista. Na adaptação para a BBC, a história acompanhará a trajetória de Anna Wetherell, que no livro de Catton é uma prostituta viciada. Ela é uma britânica que viaja para a Nova Zelândia no ano de 1895, também em busca de sua fortuna. Lá ela se envolve com Emery Staines (outra personagem do livro), com quem se envolve romanticamente. Ao longo da história, os dois lutam para ficar juntos. As filmagens terão início em 2017, com produção da Working Title Television (empresa adquirida pela NBC Universal) em parceria com a WTT. Ainda não há uma previsão de estreia. No Brasil o livro foi publicado pela Biblioteca Azul.

>>> Inglaterra: Mais sete livros de Agatha Christie serão adaptados nos próximos quatro anos

As novas adaptações fazem parte de um contrato firmado entre o canal BBC1 e a Agatha Christie Productions Ltd. Até agora o canal divulgou apenas três títulos dos sete que serão adaptados: Punição para a inocência, E no final a morte e Os crimes ABC. Para 2017 (cf. divulgamos aqui noutra ocasião), estreará a minissérie Testemunha de acusação. Em 2015, a rede de TV iniciou a série Partners in crime que foi cancelada depois de apenas uma temporada; e a minissérie E não sobrou nenhum/O caso dos dez negrinhos


.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

16 + 2 romances de formação que devemos ler

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Milena Jesenská, muito além de namoradinha de Franz Kafka

Boletim Letras 360º #221

Cem anos de solidão cumpriu a profecia de Melquíades

Um romance com treze títulos

Como enfrentar Ulysses

J. R. R. Tolkien, o mito desconstruído

O homem sem doença, de Arnon Grunberg