Nobel 2016: para o Philip Roth africano

Por Javier Rodríguez Marcos

Ngũgĩ Wa Thiong’o, o africano sempre cotado ao Prêmio Nobel quando os apostadores lembram da injustiça da Academia sueca com aquele continente.

Neste dia 13 de outubro todos saberão quem ganha o Prêmio Nobel de Literatura – um galardão que a cada ano produz um maremoto de especulações estimuladas em grande parte por dois sentimentos: o narcisismo e o nacionalismo. É o narcisismo que faz com que no instante seguinte da premiação uma porção de leitores lamentem que não tenha ganhado nosso escritor nova-iorquino favorito. A satisfação de dizer “eu vi primeiro” é quase maior que a curiosidade por descobrir um novo autor cujo nome sequer sabemos pronunciar. Às vezes, com o pecado vem a penitência. Cuidado com desejar que ganhe quem mais você goste: o desejo pode não se cumprir e levar nosso candidato a durante doze meses ser condenado a receber honoris causa ou não escrever mais manifestos contra Donald Trump.  

O segundo fator, o nacionalismo, nos leva a suspirar por alguém de nosso país simplesmente pelo fato de ser de nosso país. É o mesmo impulso que leva a orgulhar-se sobre a expansão de seu idioma pelo mundo quando o motivo lógico do orgulho seria a expansão das línguas estrangeiras entre nós. As virtudes literárias de nossos compatriotas já as conhecemos, o que necessitamos é um jurado sueco que nos descubra para os outros.

Ko Un. Tantos romancistas orientais, mas por que não a vez de um poeta?

Há quem diga que o Prêmio Nobel é um galardão político, e é, mas não porque de tempos em tempos ganhe um chinês mas porque desde antes de 1945 brigavam franceses e alemães, depois, desde o fim da Segunda Guerra Mundial a maioria são os estadunidenses (não, digamos, anglófonos) que tenham levado. Não aconteceria nada se ganhar uma vez mais – Philip Roth, por exemplo – mas tampouco estaria mal que nos disseram que em Estocolmo se pergunte se é o Philip Roth africano. Existe esse? Seguramente sim. O que não temos é paciência ou luzes para descobri-lo por conta própria. Para isso existe o comitê do Nobel, que é só um clube de leitura qualificado não um tribunal supremo da justiça literária.

Jon Fosse, outro nome também favorito.

Dezoito indivíduos levaram a obra de Bashevis Singer, Wislawa Szymborska, Herta Müller ou Svetlana Aleksiévitch a merecer certo crédito.  E sobre eles digo que levaram e não que foram descobertos; porque pensar que o Nobel descobriu, por exemplo, Mo Yan parece algo ingênuo se sabemos que era um escritor de 60 anos, com 12 livros publicados (vários deles adaptados para o cinema) e nascido num país de 1,3 milhões de pessoas. A ingenuidade recorda aquela ironia de Eduardo Galeano quando a professor disse numa aula que Núñez de Balboa foi o homem que descobriu o Pacífico. Pergunta de Galeano: “Os índios que viviam ali eram cegos?”

Em outubro as apostas da casa Ladbrokes destacam, como outros muitos anos, o queniano Ngũgĩ wa Thiong'o, que não faz muito tempo teve publicado no Brasil Um grão de trigo (Alfaguara Brasil) e Sonhos em tempo de guerra (Biblioteca Azul). Também repetem o japonês Haruki Murakami, o poeta sírio Adonis, o poeta sul-coreano Ko Un, o norueguês Jon Fosse e, claro, Philip Roth. Estará bem quem ganhar, embora só sirva para depois compará-lo com Borges. Bem pensado, talvez deveria ganhar Edna O’Brien – para que dar-se a Philip Roth se pode ser dado à escritora favorita de Philip Roth?

Ligações a esta post:
>>> Em 2015, Alfredo Monte disse algumas possibilidades ao Prêmio Nobel que ainda são muito válidas.

* Este texto é uma versão livre de "Un Nobel para el Philip Roth africano" publicado no jornal El País.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea

Doze livros que revolucionaram a poesia

Dez livros escritos sob a influência de drogas

A gênese de O velho e o mar, de Ernest Hemingway

Onze obras do teatro moderno e contemporâneo fundamentais a todo leitor

Baudelaire & Poe, Ltda.

Casadas com o trabalho sujo dos escritores

Os melhores de 2016: poesia

Marguerite Yourcenar e Grace Frick

O manuscrito em que Virginia Woolf anuncia o seu suicídio