Boletim Letras 360º #191

Poema inédito de Anne Frank vai a leilão. Mais detalhes ao longo deste Boletim.

Toda semana editamos notícias sobre o universo de interesse do Letras em nossa página no Facebook, local virtual que alcançou mais uma marca: somos 48 mil amigos! Por este e por outros números - o blog chega aos 10 anos online neste mês, convidamos para participar de uma promoção com livros muito bacanas. Saiba mais aqui.

Segunda-feira, 31/10

>>> Brasil: Novo título da Editora Carambaia é um clássico de Herman Melville de antes de Moby Dick

Jaqueta branca ou o mundo em um navio de guerra é um dos relatos de Melville de seus dias na Marinha dos Estados Unidos, entre 1843 e 1844. Nos 14 meses retratados na obra - que sai pela primeira vez em dezembro - o "moço dos convés" Melville passou por diversos países a bordo da fragata estadunidense - inclusive algumas semanas no Rio de Janeiro. A cidade é apresentada como detentora de "uma das baías mais magníficas do mundo".

>>> Brasil: Uma edição de luxo para Dom Casmurro, de Machado de Assis

A mesma editora traz ainda um dos títulos que está entre os mais lembrados de Machado de Assis. Foi publicado em 1899 pela Livraria Garnier. Narrado por Bento Santiago, quem tem o interesse de "atar as duas pontas da vida", a obra guarda um segredo motivo de interpretações das mais diversas: o amor entre o narrador e Capitu teria sido eterno ou manchado pela traição.

Terça-feira, 01/11

>>> Brasil: Reedição da obra de João Antônio e inéditos chegam aos leitores brasileiros a partir de 2017

A obra do escritor começou a tomar novo fôlego com a publicação pela extinta Cosac Naify. Mas, o projeto não foi de um todo abortado; só ganhou novo rumo. Para 2017, a Editora 34 prepara a reedição de Contos reunidos e Calvário e porres do pingente Afonso Henriques de Lima Barreto - este há muito fora de catálogo. Além disso, uma edição com material inédito está nos planos: uma reunião de crônicas musicais e textos sobre o cotidiano do Rio de Janeiro.

>>> Brasil: Edição com clássico da literatura escandinava ganha tradução no Brasil

O livro sai pela Bertrand Brasil com tradução de Pasi Loman e Lilia Loman. O ano da lebre é apresentado como uma fábula sobre os prazeres da liberdade: na meia-idade Kaarlo Vatanen, jornalista, sente-se exausto, cansado da vida urbana. Em uma noite de verão, durante seu trabalho, atropela acidentalmente uma pequena lebre que atravessava uma estrada do campo. Ele, então, sai em busca da criaturinha ferida. Este pequeno incidente se torna uma experiência transformadora para Vatanen, que decide se libertar dos grilhões do mundo: larga o emprego, deixa a esposa, vende suas posses e parte em uma jornada pelas selvas finlandesas com sua nova companhia. Suas aventuras envolvem grandes queimadas, sacrifícios pagãos, jogos de guerra, ursos assassinos e muito mais.

Quarta-feira, 02/11

>>> Brasil: A tradução de Quando tinha cinco anos eu me matei, de Haward Buten

A voz narradora desse romance pertence a Burt, um garoto de oito anos com uma imaginação fecunda e que se expressa por meio de uma linguagem livre, rebelde, misteriosa e, por isso mesmo, incompreensível aos homens de bata branca do Centro de Internamento Infantil no qual está preso, por conta do que fez a Jessica. Eles o assediam, insistem, de modo compulsivo, em ler sintomas clínicos em suas fantasias e tentam submeter seus impulsos infantis aos ditames da moralidade adulta. Uma prosa maravilhosamente eficaz, um romance hipnotizante e cheio de momentos de pura emoção. A tradução é de Alexandre Barbosa de Souza e sai pela Rádio Londres.

>>> Holanda: O possível fim de um mistério: Van Gogh cortou a própria orelha por decepção pelo casamento do irmão

O pintor holandês suicidou-se com um tiro de revólver no peito num povoado ao norte da França, em julho de 1890; tinha só 37 anos. Antes disso, foi protagonista de um episódio citado diversas vezes quando o assunto é sua biografia: a automutilação na noite de 23 de dezembro de 1888. Com uma navalha de barbear Van Gogh decepou a orelha esquerda num quarto da casa amarela de Arlés, na Provença. A noite findou com o pintor entregando o produto do corte a uma mulher num cabaré onde era visitante assíduo. São muitas as especulações em torno desses fatos: Dan Brown, p. ex., constrói a tese de que o suicídio foi, na verdade, um assassinato e em 2009 pesquisadores alemães concluíram que a orelha fora cortada por Guaguin. Agora, o historiador Martin Bailey sustenta que o motivo foi a notícia sobre o casamento do irmão Theo, seu confidente e patrocinador. Van Gogh temia ficar sem o irmão e perder seu único mecenas. A carta de Theo para o irmão anunciando o casamento perdeu-se mas o historiador analisou a correspondência de toda família e vê aí material suficiente para sustentar sua tese.

Quinta-feira, 03/11

>>> Brasil: Uma nova adaptação de A outra volta do parafuso, de Henry James

Com direção de Walter Lima Jr. e estrelado por Virginia Cavendish, Domingos Montagner e Ana Lucia Torre, o longa conta a história da tímida Laura, contratada por um homem rico para cuidar de seus dois sobrinhos órfãos, que moram numa fazenda de plantação de café. Aos poucos, com a presença dos escravos e da governanta Geraldina, Laura tem a impressão de que alguns segredos são escondidos naquela casa. O filme Através da sombra” tem sua narrativa baseada a partir de A outra volta do parafuso, de H. James.

Sexta-feira, 04/11

>>> Portugal: Site reúne cartas e postais trocados entre Mário de Sá-Carneiro e Fernando Pessoa

Em 2015, Jerónimo Pizarro e Ricardo Vasconcelos publicaram uma nova edição crítica da correspondência dos dois poetas. Mas precisarem deixar de lado inúmeros materiais que tinham de ser divulgados de outra forma. O projeto ganhou vida e “Mário de Sá-Carneiro online” está disponível desde a semana passada e inclui dezenas de materiais que agora podem facilmente ser consultados. Basta ir aqui. 

>>> Brasil: Tentativas de fazer algo da vida, de Hendrik Groen ganha edição por aqui

Olhar terno e hilário sobre a terceira idade, romance virou best-seller internacional sem revelar nome do autor. Hendrik Groen pode ser velho, mas nem de longe está morto – e não planeja ser enterrado tão cedo. Seus passeios estão ficando mais curtos porque as pernas já não dão conta, as visitas ao médico se tornaram mais frequentes do que gostaria. É nesse momento da vida que se pergunta se não há nada mais a fazer além de tomar chá fraco e cuidar de flores. Quando o novo ano começa, ele toma uma decisão: escreverá todos os dias um diário, contando os altos e baixos de sua rotina num asilo em Amsterdã. O resultado é um olhar terno e hilário sobre a terceira idade, mas é também um devastador retrato de uma parcela da população esquecida pela família e pela sociedade.

>>> Holanda: Um pequeno poema de oito linhas, escrito e autografado por Anne Frank em março de 1942, vai ser leiloado na Holanda

O texto, escrito no poezie album de Christiane van Maarsen, a irmã mais velha de Jacqueline, colega de turma e melhor amiga de Anne, data de três meses antes de ela e a família se refugiarem no esconderijo em Amsterdã. O poema, dedicado a Cri-Cri (apelido de Christiane), é do gênero dos que eram escritos nos poezie album, que exortavam o seus donos a dar o seu melhor e a serem diligentes no trabalho. As primeiras quatro linhas foram retiradas do poema “Het Ros Beiaard”, de 1938, mas os restantes versos são de origem desconhecida. Anne morreu um ano depois desse texto, em fevereiro de 1945, no campo de concentração de Bergen-Belsen.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez mulheres da literatura brasileira contemporânea

Onze livros para ler na estrada

Dostoiévski, um romântico desgarrado entre a revolução e Deus

Onze obras do teatro moderno e contemporâneo fundamentais a todo leitor

Baudelaire & Poe, Ltda.

O manuscrito em que Virginia Woolf anuncia o seu suicídio

Escritores narcisistas

A arquitetura da cidade como mediadora de leitura

Obras-primas perdidas e felizmente recuperadas

Os melhores de 2016: poesia