Boletim Letras 360º #194

Já se aproxima do nosso recesso de final de ano (brevíssimo, o leitor nem sente). Mas, estes boletins, avisamos, sempre estão mantidos, claro, com dimensão bem menor que a de costume e as redes sociais não deixam também de se movimentar nesse período. Estudamos o período entre o Natal e algumas semanas de janeira, como de praxe, para isso.

"Menina com colar" foi pintado em 1929 e é uma das peças que os pesquisadores da obra de Frida Kahlo tinham por perdida. A peça foi leiloada esta semana por 1,81 milhões de dólares.


Segunda-feira, 21/11

>>> Portugal: Obra com desenhos e textos inéditos intitulada Eça de Queiroz em Casa — Desenhos e Textos Inéditos, com organização e transcrição Irene Fialho ganha edição

Os textos e desenhos são, na sua maioria, inéditos, provenientes de álbuns que estiveram mais de cem anos escondidos do público. Mesmo nos poucos casos em que os textos e as imagens já se encontravam publicados, nunca foram coligidos numa edição que restituísse a sua forma original. A edição não só revela uma faceta quase desconhecida de Eça de Queiroz, a de desenhista, como permite uma visão única do círculo familiar e de amigos em que o grande escritor viveu. São autocaricaturas, retratos de perfil, partituras e desenhos. Entre os escritos inéditos ou menos conhecidos do romancista, a obra reproduz a “Farsa de Inês de Castro”, em verso, dividida em 14 episódios, mas incompleta, e ainda do caderno de D. Emília de Castro, com quem Eça se casou em 1886, vários poemas, alguns em inglês e francês. Inclui ainda, do caderno de Maria d’Eça de Queiroz (1887-1970), a narrativa curta “João Chinchila”, do amigo brasileiro da família, Domício da Gama, que o dedica à filha do escritor.

>>> Brasil: Paul Valéry, Gertrude Stein e Robert Musil entre os livros da nova casa editorial - a Editora Âyiné

Desde quando, em meados de 2016, anunciamos aqui a estreia da editora que os livros já tinham circulação em formato digital; agora, a Âyiné dá seu segundo passo: a publicação impressa dos títulos. Doze, no total: Uma mensagem para o século XXI, de Isaiah Berlin, Sobre o exílio, de Joseph Brodsky, Sobre a França, de Emil Cioran, Instruções para os criados, de Jonathan Swift, Maus pensamentos e outros, de Paul Valéry, Crítica da vítima, de Daniele Giglioli, Picasso, de Gertrude Stein, Conservadorismo, de Michael Oakeshott, Pela supressão dos partidos políticos, de Simone Weil, Sobre a estupidez, de Robert Musil, Direita e esquerda na literatura, de Alfonso Berardinelli, e Judeus errantes, de Joseph Roth. Para marcar a estreia, a editora preparou uma caixa especial com os doze títulos, integrantes de uma coleção batizada de Antagonista, com tiragem limitada. Na lista dos títulos por vir estão, cf. já anunciamos, dois títulos da Wislawa Szymborska, outros dois do Brodsky (um livro de poemas e outro de entrevistas) e mais autores do Leste Europeu; destes, a lista inclui Danilo Kiš, Czesław Miłosz, Zbigniew Herbert,. Alguns livros que sairiam em parceria com a Cosac Naify também sairão pela nova editora; é o caso de uma coletânea de ensaios do Pier Paolo Pasolini.

>>> Morreu William Trevor

O escritor nasceu em Mitchelstown, no condado de Cork, Irlanda, em 1928 e passou quase toda sua vida em pequenas cidades de seu país. Autor de diversos romances, uma coleção admirável de contos e peças de teatro, ganhou vários prêmios literários e a admiração de toda uma geração de escritores. Elogiado pela crítica de seu país natal como um dos maiores nomes da literatura irlandesa, esteve, por várias vezes como finalista do Man Booker Prize. No Brasil, dois livros seus foram editados recentemente — A jornada de Felícia e A história de Lucy Gault, ambos pela Biblioteca Azul. Para ele, sua "ficção pode, vez ou outra, lançar luz sobre aspetos da condição humana, mas eu não o faço conscientemente: sou um contador de histórias". Vivia em Devon.

Terça-feira, 22/11

>>> Estados Unidos: Vai a leilão uma obra quase desconhecida de Frida Kahlo, a artista cuja imagem, obra, e época renasce a cada dia com a viral de um ícone pop

A pintura data de 1929 e até então acreditava-se que estava perdida. Foi pintada no mesmo ano de seu casamento com o muralista mexicano Diego Rivera; Frida tinha 22 anos e sua vida começava a se reinventar. "Niña con collar" é uma obra que não chegou a ver concluída. É uma menina indígena com fortes olhos negros que olhar diretamente para o espectador. Os especialistas inferem que o quadro ficou por concluir porque, já então, Kahlo encontrou em si própria uma fonte de inspiração permanente; mas a pintura, analisam, teve certamente um significado especial para ela, visto que, ao longo de sua trajetória artística parece ter-lhe servido de inspiração para os seus autorretratos. O quadro, de 57x46cm ficou décadas no esquecimento e sua existência só era sabida pelas fotografias de Lola Álvarez Bravo, íntima do círculo de Rivera.

>>> Brasil: Duas obras e Junichiro Tanizaki ainda inéditas por aqui chegam às livrarias até o final do mês de novembro

São edições da Editora Estação Liberdade: "A gata, um homem e duas mulheres/O cortador de juncos" compõem uma edição que reforçam o porquê de Tanizaki ser louvado como um dos grandes mestres da literatura japonesa no século XX. A primeira narrativa descreve um inusitado triângulo (ou, se quiserem, quadrilátero) amoroso que envolve a caprichosa gata Lily, o bonachão Shozo, sua ex-mulher Shinako e sua nova companheira Fukuko. "O cortador de juncos" é uma narrativa em que Tanizaki se propõe o desafio de homenagear duas pedras basilares da arte japonesa: o teatro nô e o "Genji monogatari" (texto escrito no século XI, considerado o primeiro romance da história). Para isso, tanto a estrutura de "história dentro da história" (característica do teatro nô) quanto formulações textuais que remetem à literatura clássica nipônica (bem como referências diretas e indiretas ao "Genji monogatari") aparecem aí. A tradução das obras são de Andrei Cunha, Clicie Araujo, Lidia Ivasa, Maria Luísa Vanik Pinto e Tomoko Gaudioso.

Quarta-feira, 23/11

>>> Portugal: A edição n.54, correspondente ao mês de novembro de 2016, da revista Blimunda já está online

Em novembro de 1986, num momento em que o destino de Portugal parecia atrelado ao da Europa, chegava às livrarias A jangada de pedra, romance de José Saramago que trazia consigo a provocadora proposta de aproximação da Península Ibérica à América Latina e a África. Este é o destaque desta edição da revista Blimunda. Passados 30 anos da publicação do livro, a pergunta que fazemos é: para onde viaja essa jangada? Portugal e Espanha deveriam apostar num futuro conjunto que fosse mais voltado para o Sul do que para o Norte? O número 54 da revista Blimunda traz um dossiê sobre o romance, numa tentativa de perceber, à distância de três décadas, a relevância literária e politica desse romance. Para baixar a edição clica aqui.

>>> Argentina: Foi instaurado processo contra Pablo Katchadjian pela acusação de plágio de O Aleph, conto de Jorge Luis Borges

Há quatro anos que acusação foi lançada por María Kodama — representada pelo advogado Guillermo Carvajal (cf. noticiamos por aqui). Em 2015, a justiça havia decidido fazer uma perícia comparativa entre os dois textos a fim de saber se houve ou não plágio. A conclusão do juiz que comanda o caso é determinante: "Tenho por acreditado que Pablo Esteban Katchadjian vilipendiou os direitos de propriedade intelectual que a legislação vigente reconhece a María Kodama, viúva de Jorge Luis Borges, em relação à obra literária O Aleph." O escritor agora deverá responder oficialmente pela acusação.

Quinta-feira, 24/11

>>> Portugal: Como Fernando Pessoa pode mudar a sua vida - primeiras lições, de Carlos Pittella e Jerónimo Pizarro

Da obra genial de Fernando Pessoa, centenas de páginas ainda estão inéditas. Com investigação meticulosa, Carlos Pittella e Jerónimo Pizarro resgatam da obscuridade de poemas, cartas, anotações, listas, artigos de imprensa e desenhos — esquemas, caricaturas, cartas astrológicas — que dão testemunho de como a poesia pode mudar as nossas vidas. Contrariando a imagem cristalizada de um homem fantasmagórico que se isolava de todos para criar um universo interior, esta edição nos ajuda a conhecer melhor Pessoa e é uma peça na revisão de seu retrato. A obra sai pelas Edições tinta-da-china.

>>> Brasil: Um banco de dados dedicado a reunir informações das mais variadas sobre a obra e a biografia de Guimarães Rosa

Em 2008, durante um seminário dedicado ao centenário de Guimarães Rosa em Berlim, Sandra Vasconcelos, professora titular da USP, notou que havia uma grande demanda pela produção bibliográfica sobre a obra do autor mineiro, até então organizada de maneira difusa apenas em publicações impressas. Nasceu daí o projeto de um banco de dados online que pudesse reunir este tipo de material em uma só plataforma, facilitando o trabalho de pesquisadores interessados na vida e na obra de Guimarães. No ar há uma semana, o acervo digital já conta com 4.079 títulos entre livros, prefácios, textos de periódicos, teses, dissertações, registros de eventos e textos da web. Um acervo bibliográfico que pode crescer indefinidamente; a ferramenta é útil tanto para estudantes quanto para pesquisadores mais experientes, já que a busca bibliográfica é o ponto de partida para qualquer trabalho acadêmico. Acessível aqui

Sexta-feira, 25/11

>>> Rússia: Mais um espaço em em Moscou onde o autor Mikhail Bulgákov vive para os leitores

Trata-se do apartamento onde o escritor morou nos anos 1920 e 1930 e escreveu sua obra mais conhecida, O mestre e Margarida; o local será um museu. A decisão de reutilizar o espaço foi feita em dezembro de 2015. O apartamento descrito no livro Um coração de cachorro está localizado na rua Bolshaya Pirogovskaya, 35a (próximo às estações de metrô Sportivnaya e Frunzenskaya). “A casa onde Bulgákov viveu e trabalhou é um memorial de nossa herança cultural”, diz Peter Mansilla-Cruz, “por trás da fachada há uma mansão do século 19 que foi reconstruída de cima a baixo na época soviética. O apartamento foi ocupado por serviços administrativos e usado como depósito, por isso está conveniente gasto. Também sofreu mudanças internas – o arco que conduzia ao famoso escritório foi recoberto com tijolo.” O desenvolvimento do conceito do museu e a restauração continuarão ao longo de 2017, mas Mansilla-Cruz adianta que o memorial irá exibir a escrivaninha de Bulgákov e outros artefatos. “Felizmente, muitas de suas fotos da época foram preservadas, todos esses detalhes podem ser restaurados”, acrescentou o diretor. Moscou já possui um espaço dedicado ao escritor, o Museu Estatal Bulgákov, que está localizado na rua Bolshaya Sadovaya, 10 (perto do metrô Mayakovskaya), no endereço onde Woland e sua trupe viviam em O mestre e Margarida.

>>> Brasil: A edição completa da série Estações Havana, de Leonardo Padura está agora disponível aos leitores brasileiros

A Editora Boitempo preparou uma caixa com os romances policiais que consagraram o escritor cubano como um dos mais importantes escritores contemporâneos. A série narra o dia a dia do tenente investigador Mario Conde – que, na verdade, queria mesmo era ser escritor – pelas ruas da capital cubana durante as quatro estações do emblemático ano de 1989, marcado pela queda do Muro de Berlim. O que sai inédito no Brasil agora é o romance que encerra a tetralogia, Paisagem de outono que vem acompanhado de um texto complementar sobre o seu processo de escrita e a criação da série; Passado perfeito, Ventos de quaresma e Máscaras são outros títulos que ganharam novo projeto editorial. A série foi recentemente adaptada na Espanha para um longa-metragem (inspirado em "Ventos de quaresma") e três filmes para televisão, um para cada livro.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

16 + 2 romances de formação que devemos ler

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Milena Jesenská, muito além de namoradinha de Franz Kafka

Boletim Letras 360º #221

Cem anos de solidão cumpriu a profecia de Melquíades

Um romance com treze títulos

Como enfrentar Ulysses

J. R. R. Tolkien, o mito desconstruído

O homem sem doença, de Arnon Grunberg