Oscar Wilde, narrador

Por José carlos Llop


Oscar Wilde em Paris


Se Oscar Wilde é autor de um só romance, O retrato de Dorian Gray, também é verdade que há outro romance seu oculto em sua própria personagem. Não me refiro a Teley, essa novela homoerótica, nem a De profundis – que traria certas chaves sobre sua autobiografia ou não e logo seria um dos novos arranjos da narrativa moderna – nem tampouco aos contos, dos quais poderia citar O crime de Lorde Arthur, O fantasma de Canterville ou ainda O retrato de Mr. W.H. Neles não poderíamos rastrear gestos disso que os franceses chamam nouvelle e nós aprendemos a chamar como novela. Refiro-me à narrativa de uma vida, novela (ao invés de romance) da vida, novela escrita pelo próprio Wilde com tintas de sua vida e que foi ficcionada em tantas ocasiões, seja por outros romancistas, seja pelo cinema.

A vida de Wilde há aparecido nessa literatura geralmente marcada pelo mistério estético e o drama novelesco de sua personagem principal, dotado entre outras coisas de um talento extraordinário que ficou registrado mais que em suas ficções em sua prosa ensaística. A esse talento talhado em vida deveria referir-se Winston Churchill quando afirmou que entre eleger um conservador e uma excelente companhia, elegeria Oscar Wilde. Certamente que foi o mesmo Churchill o único autor de uma vingança wildeana: prendeu por fascismo Lorde Alfred Douglas, Bosie, responsável junto com o seu pai, não só pelo encarceramento de Wilde, mas pelo descrédito que se criou em torno de sua obra entre os ingleses na mesma sociedade vitoriana que o havia celebrado.

Tinha 46 anos no momento de sua publicação seriada de O retrato de Dorian Gray num periódico estadunidense. E um ano a mais, quando aparece em Londres, já encadernado. A partir desse momento  se converte num território mítico, numa sombra que desliza pela vida cotidiana como o mito de Fausto, Jekill e Hyde, ou – salvaguardando as distâncias – como as figuras de Quixote e Sancho. O retrato é parte da memória metafórica da sociedade ocidental. E, se nele se encerra uma premonição do caso Wilde, seu reflexo antes do que é o corpo e a sombra se unirem para sempre em sua decadência em Paris, expulso do mundo, exilado dele. Entendendo o mundo como a sociedade que o havia elevado para logo lançá-lo às trevas.

Imaginemos Wilde em Paris. Obeso, com o pescoço de uma tartaruga com hidropisia e as mãos cheias de anéis que sublinham o desdém. Aquele dândi fascinado pelo romance A rébours de Huysmans – do qual, da sua leitura, nasceria Dorian Gray – já não pousa sobre um divã, nem sorri para si as donzelas vitorianas nos palcos do teatro. Todos o abandonaram. Os paradoxos do jogo lhe farão morrer num hotel das Belas Artes. Embora seu retrato tenha levado anos a receber punhaladas, a decadência continuava. Por isso, a decrepitude foi lenta, dolorosa e solitária como a de um animal enfermo separado da manada.

Duvido muito que no momento de escrever Dorian Gray, Oscar Wilde sabia que estava escrevendo os fragmentos de sua própria vida – então impensáveis. A paixão turbulenta pela beleza, o prazer e a juventude – que ia se encarnar em Bosie, quem conheceu no mesmo ano de aparição do romance –, o vício de amar a vida no limite e sua incursão pela depravação sob pretextos estéticos, que culminaria, no romance, em assassinato, deixaram suas marcas também na pintura de Wilde.

A suprema ficção da vida acaba derrotando a ficção de laboratório, porque a arte não basta para transfigurar a realidade; por mais que situe a moral numa sutil linha fronteiriça, a transposição é fácil, mas não por isso exata. Quando penso nos dias finais de Dorian Gray, sei que seu pintor não foi Wilde mas que a autoria daqueles traços de seu rosto corresponde à mão da mesma sociedade que o glorificou para logo querer rebaixá-lo. Ela foi sem dúvida Dorian Gray. E não conseguiu suportá-lo.

Ligações a esta post:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

Como enfrentar Ulysses

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20