Oscar Wilde, narrador

Por José carlos Llop


Oscar Wilde em Paris


Se Oscar Wilde é autor de um só romance, O retrato de Dorian Gray, também é verdade que há outro romance seu oculto em sua própria personagem. Não me refiro a Teley, essa novela homoerótica, nem a De profundis – que traria certas chaves sobre sua autobiografia ou não e logo seria um dos novos arranjos da narrativa moderna – nem tampouco aos contos, dos quais poderia citar O crime de Lorde Arthur, O fantasma de Canterville ou ainda O retrato de Mr. W.H. Neles não poderíamos rastrear gestos disso que os franceses chamam nouvelle e nós aprendemos a chamar como novela. Refiro-me à narrativa de uma vida, novela (ao invés de romance) da vida, novela escrita pelo próprio Wilde com tintas de sua vida e que foi ficcionada em tantas ocasiões, seja por outros romancistas, seja pelo cinema.

A vida de Wilde há aparecido nessa literatura geralmente marcada pelo mistério estético e o drama novelesco de sua personagem principal, dotado entre outras coisas de um talento extraordinário que ficou registrado mais que em suas ficções em sua prosa ensaística. A esse talento talhado em vida deveria referir-se Winston Churchill quando afirmou que entre eleger um conservador e uma excelente companhia, elegeria Oscar Wilde. Certamente que foi o mesmo Churchill o único autor de uma vingança wildeana: prendeu por fascismo Lorde Alfred Douglas, Bosie, responsável junto com o seu pai, não só pelo encarceramento de Wilde, mas pelo descrédito que se criou em torno de sua obra entre os ingleses na mesma sociedade vitoriana que o havia celebrado.

Tinha 46 anos no momento de sua publicação seriada de O retrato de Dorian Gray num periódico estadunidense. E um ano a mais, quando aparece em Londres, já encadernado. A partir desse momento  se converte num território mítico, numa sombra que desliza pela vida cotidiana como o mito de Fausto, Jekill e Hyde, ou – salvaguardando as distâncias – como as figuras de Quixote e Sancho. O retrato é parte da memória metafórica da sociedade ocidental. E, se nele se encerra uma premonição do caso Wilde, seu reflexo antes do que é o corpo e a sombra se unirem para sempre em sua decadência em Paris, expulso do mundo, exilado dele. Entendendo o mundo como a sociedade que o havia elevado para logo lançá-lo às trevas.

Imaginemos Wilde em Paris. Obeso, com o pescoço de uma tartaruga com hidropisia e as mãos cheias de anéis que sublinham o desdém. Aquele dândi fascinado pelo romance A rébours de Huysmans – do qual, da sua leitura, nasceria Dorian Gray – já não pousa sobre um divã, nem sorri para si as donzelas vitorianas nos palcos do teatro. Todos o abandonaram. Os paradoxos do jogo lhe farão morrer num hotel das Belas Artes. Embora seu retrato tenha levado anos a receber punhaladas, a decadência continuava. Por isso, a decrepitude foi lenta, dolorosa e solitária como a de um animal enfermo separado da manada.

Duvido muito que no momento de escrever Dorian Gray, Oscar Wilde sabia que estava escrevendo os fragmentos de sua própria vida – então impensáveis. A paixão turbulenta pela beleza, o prazer e a juventude – que ia se encarnar em Bosie, quem conheceu no mesmo ano de aparição do romance –, o vício de amar a vida no limite e sua incursão pela depravação sob pretextos estéticos, que culminaria, no romance, em assassinato, deixaram suas marcas também na pintura de Wilde.

A suprema ficção da vida acaba derrotando a ficção de laboratório, porque a arte não basta para transfigurar a realidade; por mais que situe a moral numa sutil linha fronteiriça, a transposição é fácil, mas não por isso exata. Quando penso nos dias finais de Dorian Gray, sei que seu pintor não foi Wilde mas que a autoria daqueles traços de seu rosto corresponde à mão da mesma sociedade que o glorificou para logo querer rebaixá-lo. Ela foi sem dúvida Dorian Gray. E não conseguiu suportá-lo.

Ligações a esta post:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

O romance perdido de Sylvia Plath

A ignorância, de Milan Kundera