As melhores leituras de 2016 na opinião dos leitores do Letras


- Nem todas as baleias voam, de Afonso Cruz. Os sentimentos que desperta ao longo da leitura, a genialidade com que constrói e descreve as histórias das personagens e a ligação com a filosofia, levando-nos a colocar questões sobre o que nos rodeia e o que faz sentido. (Alexandrina Ribeiro, Guimarães – PT)

O filho de mil homens, de Valter Hugo Mãe. Poético e comovente. Um pouco sobre todos nós. (Elaine Moura, São Paulo – SP)

- Explicação dos pássaros, António Lobo Antunes. Além de ter comprado em uma Bienal do Livro por um bom preço, ele é escrito de uma forma que imita o próprio pensamento. Por isso, é um pouco complexo, mas verídico e coerente com o funcionamento da nossa psique. (Natália Bento, Brasília – DF)

- Os três primeiros livros da série napolitana, da Elena Ferrante (A amiga genial, História do novo sobrenome e História de quem foge e de quem fica). Eu considero-os um mesmo livro, não consigo pensar em cada um individualmente. São sensacionais. (Eudóxia Felisbina Malvez, Goa – Índia)

A vida está em outro lugar, de Milan Kundera. mudou, e muito, a minha percepção sobre a poética. Um grande livro sobre o patético, aliás, essa é a essência da prosa do Milan, o sentimento de ridículo que surge das nossas convicções mais profundas. Estou me levando bem menos à sério desde então. (Rodrigo Dionizio, Itapira – SP)

- Os sofrimentos do Jovem Werther, de Johann Wolfgang von Goethe. Não tenho dúvidas de que este tenha sido o melhor livro que li no ano. Atemporal, riquíssimo em poesias e com pontinhas de suspense quando vai chegando perto do fim (Emerson Almeida, Fortaleza – CE)

As veias abertas da América Latina, de Eduardo Galeano. O livro me capturou pois nele há uma carga imensa de memória emocional sobre a colonização. (Silvia Lima, São Paulo – SP)

- A casa de ler no escuro, de Maria Azenha. Um livro intenso do princípio ao fim. Uma poética interventiva e que não nos deixa indiferente e nos questiona. (Eduardo Júlio, Lisboa – PT) 

- Deus-Dará, de Alexandra Lucas Coelho. Um pungente romance ambientado no Rio de Janeiro que consegue mesclar os resquícios colonialistas com a gíria contemporânea conferindo um encantador painel. (Carlos R. Gutierrez, São Paulo – SP) 

- Razão e sensibilidade, de Jane Austen: Simplesmente lindo! A busca do equilíbrio entre a "razão" (=lógica) e a "sensibilidade" (=amor) de forma adorável! Recomendo! (Luciene Azevedo, Teresópilis – RJ)

- Hereges, de Leonardo Padura. Em tempos de opiniões fundamentadas nas redes sociais, ler essa história de Padura é poder conhecer com maior profundidade as condições de vida em Cuba antes e depois da Revolução, especialmente na comunidade judaica, uma vez que judeus migravam para Havana desde a época da Inquisição na Península Ibérica. Mais tarde, enquanto um grupo permaneceu em Cuba, outro migrou para Miami nos anos 1960. Retrospectivamente Padura relata ainda o papel de judeus originários de Portugal e Espanha na formação da rica Amsterdã, onde a tolerância religiosa era conhecida. Aqui e agora, Cuba é um tema tanto atual quanto desconhecido e cheio de tabus, o que cada vez mais transparece nas contradições e do mundo virtual. Ler continua a ser a melhor via de informação qualificada. (Beth Luna)

- Enclausurado, de Ian McEwan. O último romance de Ian McEwan é de dar inveja a qualquer autor, tanto pela originalidade do tema quanto pela forma magistral como ele conduz a trama até o final. A narrativa é toda feita em primeira pessoa através de seu improvável protagonista, um feto no nono mês de gestação. Obviamente a situação de um narrador não nascido é completamente inverossímil e, ao mesmo tempo, maravilhosa. É justamente a deixa que um grande autor precisa para explorar com oportunismo a intimidade do comportamento humano em tudo que ele tem de melhor e pior. (Alexandre Kovacs, Rio de Janeiro – RJ)

Montevideanos, de Mário Benedetti. As miudezas, a mediocridade, a pobreza de espírito da classe média de Montevidéu em meados do século vinte contadas de forma magistral pelo escritor uruguaio. (Guilherme Paoliello, Ouro Preto – MG)

 - A montanha mágica, de Thomas Mann. Aí pude ver claramente os experimentos com o tempo explorados ao limite e pude entender melhor o choque ideológico da Europa moderna e pós-moderna, bem como a sensação de absurdo e de finitude explorada pelos existencialistas. Mann foi minha grande descoberta literária do ano, e olha que 2016 foi próspero nesse sentido. (Rafael Kafka, Belém – PA)

- Não é meia-noite quem quer, de António Lobo Antunes. O livro reforça o trabalho poético desenvolvido pelo escritor que é sem dúvida um dos raros e brilhantes da língua portuguesa. Se o Nobel tivesse bom senso não teria desperdiçado o prêmio com um sujeito que escreve letrinhas de música. (Gilberto Tavares, Rio Branco – AC)

- Casa de bonecas, de de Henrik Ibsen. Um livro que na época já considerava a mulher como um ser humano em construção, não como uma delicada peça. É pioneiro na descoberta da identidade e no que diz respeito ao florescer e reconhecer dos sentimentos. O final da peça é libertador e o seu desenvolvimento conta com inúmeros pensamentos que desprendem o pensamento, tanto do leitor quanto da personagem principal, da mecanicidade. (Mariana M. Cavallini)

- Poesia reunida, de Adélia Prado. A mística, o cotidiano revisitado, a mineiridade. Livro de cabeceira, para ler, reler, refletir, suspirar. (Monica Sofia, Maputo – Moçambique)

- Os meninos da rua Paulo, de Feren Mólnar. Acho que a descoberta de alguns autores talvez seja mais interessante do que propriamente um título apenas desse autor, pois há deles que sua imersão num mundo social e político de seu tempo nos traz uma amplitude da pessoa que compõe, tem vezes, muito maior que os títulos de sua obra. Fiquei satisfeito em descobrir a literatura de Máximo Gorki, em particular seus contos, num livro intitulado Vagabundo Original, tema de um dos contos, e citar à parte, outro conto desse livro, que o achei uma pérola de escrita, "O Jardineiro". Outro autor que embora o conhecesse por estar entre os clássicos brasileiros, mas que não me ativera antes, e por sinal um erro, foi descobrir Lima Barreto, principalmente a partir das suas crônicas. Mas um livro em especial que me foi muito gratificante de ler e então o recomendo é Os meninos da rua Paulo (Mario Tadeu Saroka, São Paulo – SP).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236