Boletim Letras 360º #195

Alguns leitores do Letras já começaram a receber os brindes do nosso mais recente sorteio que abriu as celebrações pelos 10 anos do blog online; são ganhadores das edições publicadas neste 2016 pela Biblioteca Azul da obra de Valter Hugo Mãe, da Obra completa, de Raduan Nassar (Companhia das Letras), um livro surpresa da Sylvia Plath e Obras completas - Volume A, de Adolfo Bioy Casares, a escolhida por um dos sorteados. Nós só agradecemos a companhia dos nossos leitores; a página do Letras no Facebook ultrapassou nesta semana primeira de aniversário do blog, os 50 mil amigos.

Encontraram um conto inédito de H. G. Wells. Leia mais sobre ao longo deste Boletim.


Segunda-feira, 28/11

>>> Brasil: O que virá das publicações que sairiam pela Cosac Naify

Sabe-se que parte do catálogo da extinta editora - como a rica coleção "Mulheres Modernistas" - foi parar nas mãos da Editora SESI-SP. A negociação com esta casa, por exemplo, soma ainda 27 títulos nunca publicados. E, entre os livros já fechados, está o clássico de Octavio Paz As armadilhas da fé, ensaio biográfico sobre Sor Juana Inés de La Cruz, uma das principais poetas mexicanas, e Ribolópolis, do autor britânico Andy Mulligan, que será o primeiro a sair. No pacote, entrou também uma antologia dos contos de fadas reunidas pelo folclorista Alexander Afanasyev, considerado a versão russa dos irmãos Grimm, por ter compilado centenas de histórias da tradição eslava, que de outro modo teriam se perdido, e "O que há de mais próximo da vida", último livro de James Wood, crítico da revista New Yorker, uma mistura de ensaio crítico e autobiográfico sobre literatura.

>>> França: A arma protagonista na briga entre Arthur Rimbaud e Paul Verlaine será leiloada no próximo dia 30 de novembro

Era o dia 10 de julho de 1873. O amor vivido entre os dois poetas havia alcançado um limite entre o prazer e o tédio; e numa relação já conturbada pelos efeitos do gênio, as brigas se tornaram constantes ao ponto de alcançar o nível de mutilação dos corpos ou mesmo da vida. Foi com a intenção de matar que Verlaine comprou o revólver calibre 7mm, aparentemente popular naqueles finais do século XIX, e atirou contra o amante. Estavam em Bruxelas e fugiam de entre Paris e Londres, numa das temporadas mais intensas do casal. Rimbaud chegou a ficar 10 dias no hospital e Verlaine foi para a prisão por dois anos. O relato do acontecido está bem documentado com as declarações e os depoimentos tomados na época e mantidos na Biblioteca Real da Bélgica. E a arma que agora vai a leilão foi apreendido pela polícia e devolvida para o dono original depois de um relatório balístico. A autenticidade da peça é marcada pelo número de série -14096 - e o seu registro ao lado do nome de Verlaine no caderno de vendas do proprietário. A peça fora entregue para a delegacia quando a loja em fechou em 1981. A casa de leilão Christie's espera arrecadar entre 50 e 60 mil euros.

Terça-feira, 29/11

>>> Estados Unidos: Filme inédito dirigido por Paul Newman em 1962 foi baseado numa peça de Anton Tchekhov

Trata-se de um filme experimental sobre o qual não se tinha qualquer notícia se ainda existia cópia; o trabalho foi encontrado em Nova York, segundo informa a Revista Forward, e passa por restauração. A meta é exibi-lo no TCM em 2017. O projeto nasceu em 1959, quando Paul Newman ficou absolutamente comovido ao se deparar com, Michael Strong, um ator mediano e desconhecido que lhe aparece no Actor’s Studio e recita uma versão do monólogo de Anton Tchekhov, "Os malefícios do tabaco". As filmagens duraram cinco dias no Teatro de Arte Yiddish de Nova York. Michael Strong aceitou o papel protagonista de Ivan Ivanovitch Niukhin. E o resultado é impressionante. Mas o filme de 25min30seg nunca ganhou distribuição. A descoberta veio a partir do diretor de cinema sobrevivente dos campos de concentração nazista Jack Garfein. Nunca se soube se a cópia foi para as mãos de Garfien por doação de Newman ou se o diretor adquiriu de outra pessoa.

>>> Brasil: Torquato Neto é o autor homenageado da Balada Literária de 2017

A próxima edição do evento ocorre entre os dias 8 e 12 de novembro. Torquato nasceu no dia 9 de novembro de 1944; contemporâneo de Gilberto Gil, com quem conviveu no ensino básico em Salvador, trabalhou com Glauber Rocha, foi para o Rio de Janeiro para estudar jornalismo sem nunca concluir o curso. Trabalhou em diversos jornais e fez parcerias com importantes músicos como o próprio Gil, Gal, Jards Macalé e Edu Lobo. Suicidou-se um dia depois de seu aniversário de 28 anos, em 1972. Recentemente a Azogue Editorial incluiu uma antologia com poemas do poeta numa coleção especial com 12 nomes fundamentais da poesia brasileira contemporânea. Para 2017, a Autêntica pretende editar as obras do escritor.

Quarta-feira, 30/11

>>> Inglaterra: Um romance de uma frase só. E ele conquista um dos prêmios mais importantes da Universidade de Londres

Em 2013, a UL começou a organizar o Prêmio Goldsmiths com um objetivo muito claro: premiar um romance capaz de romper as normas do gênero e abra novas possibilidades narrativas. E desta vez, o jurado faz uma aposta inusitada: o prêmio foi para Solar Bones, de Mike McCormack. É que o romance consta de uma só frase. A narrativa se passa em 2008 durante o Dia de Todos os Santos. O protagonista é Marcus Conway, um engenho irlandês de meia-idade que ressuscita para contemplar as desgraças, aventuras e pequenas ruindades do condado onde viveu toda sua vida. A narrativa reflete a torrente de pensamentos que se passam na cabeça de Conway, o que o coloca em relação a obras de outras obras da literatura irlandesa como James Joyce ou Samuel Beckett. O romance de uma frase se converte assim numa das frases mais valiosas da literatura: o prêmio equivale a 10 mil libras. É curioso ainda que três dos quatro premiados desde que começou o Goldsmiths são irlandeses.

>>> Brasil: As livrarias brasileiras recebem uma edição primorosa dos Ensaios, de Montaigne. São mais de mil páginas com texto integral revisado e com notas

A tradução de Sérgio Milliet publicada na década de sessenta ganha, além disso, apresentação de Andre Scoralick. A grandiosa obra de Michel de Montaigne, um homem do Renascimento, mas que até hoje se dirige a nós com uma vivacidade que a distância do tempo não esmaeceu, foi revolucionário para a produção ensaística. Seus Ensaios, publicados entre 1580 e 1588, o tornaram famoso ainda em vida, inspiraram os filósofos do Iluminismo e lançaram as bases do novo gênero literário. Segundo o crítico Erich Auerbach, um de seus mais agudos leitores, ao falar de si, Montaigne falava da condição humana. Tal liberdade de concepção e de tom nunca tinha sido vista até então: as guerras do seu tempo, os humores do seu corpo, os filósofos antigos, o amor e a morte, os assuntos mais variados recebem o mesmo tratamento sob o crivo de uma personalidade única em sua franqueza e seu desprendimento. "Da ociosidade", "De como filosofar é aprender a morrer", "Da educação das crianças", "Da amizade", "Dos canibais", "Dos livros", os capítulos se sucedem, variando em dimensão, sem ligação aparente, numa "linguagem simples e pura, e suculenta, e nervosa, breve e concisa", nas palavras do próprio Montaigne.

>>> Estados Unidos: Descoberto um conto de terror inédito de H.G Wells

O texto se publica na revista literária Strand; "The Haunted Ceiling", escrito pelo autor de clássicos da ficção científica como Guerra dos mundos, O Homem Invisível e A Ilha do Dr. Moreau, foi encontrado nos arquivos da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos. A descoberta do texto foi uma surpresa até para alguns estudiosos do autor. Este ano, a editora Suma de Letras Brasil publicou junho uma nova edição de Guerra dos mundos, com as ilustrações que o desenhista e pintor brasileiro Henrique Alvim Corrêa produziu para a edição belga de 1906 do livro.

>>> Portugal: Uma edição especial e limitada do romance mais conhecido de José Saramago: Memorial do convento.

O livro sai pela Guerra e Paz (em Portugal) e é um sonho do escritor. "Ter o João Abel Manta e o Carlos Reis conosco é um presente do céu quando o havia. Só de pensar que vou ter um livro meu ilustrado pelo João Abel faz com que o pulso se me acelere", disse certa vez José Saramago numa carta ao editor José da Cruz Santos. A edição especial da obra inclui prefácio do professor Carlos Reis e 20 ilustrações inéditas do pintor João Abel Manta e 18 extratextos a cores e 2 dípticos desdobráveis a cores com ilustrações.

Quinta-feira, 01/12

>>> Brasil: Edição reúne a correspondência entre os escritores Casais Monteiro e Ribeiro Couto

Organizado por Rui Moreira Leite Correspondência Casais Monteiro e Ribeiro Couto marca o início de uma nova fase nas relações entre escritores portugueses e brasileiros. As cartas acompanham a introdução dos autores brasileiros em Portugal e a publicação dos ensaios de Casais Monteiro sobre a poesia de Ribeiro Couto, Manuel Bandeira e Jorge de Lima. A obra mostra ainda, por exemplo, a cumplicidade deles em momentos difíceis, como quando Casais foi preso, a sua indicação por Ribeiro Couto para escrever em jornais brasileiros, o desentendimento entre os amigos em meados dos anos 1940 e a posterior reaproximação. A obra sai pela Editora Unesp.

>>> Canadá: Foi descoberto, um dos primeiros audiolivros do mundo

A notícia foi divulgada no Los Angeles Times Trata-se da gravação de uma versão em áudio do romance Tufão, de Joseph Conrad e data de 1935. Até agora é o primeiro registro de livro neste formato no mundo, embora se saiba de gravações da Bíblia e de um romance de Agatha Christie na mesma época. A edição foi concebida para leitores cegos numa ocasião em que não se pensava na possibilidade de comercializar livros do tipo para motoristas. Antes dessa data, as gravações de áudio de obras literárias foram limitadas principalmente a textos curtos como poesia. Os quatro LPs do livro foram descobertas por um colecionador canadense que contactou um professor na Queen Mary University of London, Matthew Rubery. A publicação foi do Reino Unido Real, do Instituto Nacional de Cegos começou a fazer seus "Talking Books" naquele ano como um serviço para os cegos veteranos da Primeira Guerra Mundial. A instituição então produziu livros em braille, uma revista braille datada de 1871 e publicada até hoje, e criou um código braille árabe e um dicionário de contrações em braille nas décadas seguintes.

Sexta-feira, 02/12

>>> Brasil: A Estação Liberdade irá editar Correspondência 1945-1970 (ainda sem data de lançamento), volume que reúne as cartas trocadas entre Yasunari Kawabata e Yukio Mishima

O material a ser publicado é de desde quando o jovem Mishima se apresenta com reverência ao "mestre" Kawabata até o aprofundamento da amizade e das reflexões que os dois compartilhavam sobre seus trabalhos, suas vidas pessoais e as mudanças ocorrendo no Japão e no mundo. Anunciou a Editora Estação Liberdade, a responsável pela edição. A correspondência entre os dois, além de seguir o desenvolvimento de suas carreiras,permite sentir os ecos do pano de fundo histórico: os bombardeios americanos em Tóquio, o trauma de Hiroshima e Nagasaki e uma insatisfação latente com a modernidade e a ocidentalização da cultura japonesa.

>>> Japão: O escritor japonês Haruki Murakami publicará seu próximo romance no Japão em fevereiro de 2017 - anunciou sua editora, que não revelou nem o nome e nem o roteiro

Será o primeiro romance do escritor depois de publicar O incolor Tsukuru Tazaki e seus anos de peregrinação; o novo romance, o de número 14, sai em abril de 2013.  Será pulicado em dois volumes: o manuscrito conta com 2 mil páginas. Ano passado o eterno Prêmio Nobel para os seus leitores publicou Homens e mulheres" (tradução livre) que inclui seis contos - um deles inédito. No Brasil, recentemente a Alfaguara Brasil​ publicou duas novelas de 1978, do então jovem escritor, "Ouça a canção do vento" e "Pimball1973".

>>> Brasil: Edição reúne fotografias de escritores realizadas por Daniel Mordzinski

A lente subjetiva de Daniel faz dos autores os personagens de uma grande literatura, uma literatura humana, visual e plástica. Criativa, diversa, bizarra, devassa, comportada, séria, debochada, colorida ou não, fechada, panorâmica, solitária, coletiva, escondida, explícita, e também o contrário disso tudo, pois são esses os sentidos que ganham forma nesta literatura universal fotográfica de Daniel. A publicação reúne, pela primeira vez no Brasil, retratos de escritores ao redor do mundo e representa, antes de tudo, uma homenagem e celebração de um amante inveterado da literatura, que dedicou grande parte de sua vida fotografando escritores e escritoras, alguns vivos e outros, agora, somente vivos em sua obra: jovens e não tão jovens, consagrados ou por descobrir, autores do mundo todo reunidos nesta galeria narrativa fantástica. Entre os brasileiros aí fotografados nomes como os de Jorge Amado, Luiz Vilela, Marcia Tiburi, Eric Nepomuceno, João Anzanello Carrascoza, entre outros. Em 2015 editamos uma matéria sobre o trabalho de Mordzinski.

>>> Brasil: Para 2017, a Editora Âyiné deve publicar Max Havelaar, de Multatuli, o principal romance da história da Holanda

A obra ainda inédita no Brasil foi apresentada pelo seu tradutor, Daniel Dago, no blog da editora. De 1860, o romance ainda hoje é posto em 1º lugar no cânone da Sociedade de Literatura Holandesa e seu autor é o mais importante do país. Dago cita que “Freud colocou a obra completa de Multatuli no topo de seus "livros amigos". D.H. Lawrence o elogiou rasgadamente num prefácio da edição inglesa de “Havelaar”. Van Gogh citou o autor em cartas. Mahler falou euforicamente sobre o romance durante jantares. Lênin o citou em diários. Arnon Grunberg diz que é seu clássico holandês favorito”.  O livro a ser publicado em 2017 coincide com os 130 anos da morte do escritor.

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Em teu ventre, de José Luís Peixoto

A atualidade da tragédia grega

É urgente redescobrir a poesia de Hilda Hilst

Ernesto Sabato, algum testamento

Dezesseis obras imprescindíveis ganhadoras do Prêmio Pulitzer

José Américo de Almeida: literatura se faz também com engajamento

A violência como produto humano

Café Society, de Woody Allen

A genial arte de escrever em pé

Mães de tinta e papel: onze livros