Um poeta de grande futuro

Por Gonzalo Aguiar



Chegou o século XXI e algo foi se fazendo evidente no mundo da poesia: Augusto de Campos não é apenas um dos poetas mais significativos do século que passou mas continua sendo, na atualidade, um dos mais instigantes e estimulantes inventores da cena contemporânea. Frequentemente o apresentam como “o poeta concreto” mas na verdade em sua trajetória de mais de sessenta anos (seu primeiro livro, O rei menos o reino é de 1951), o concretismo – movimento de vanguarda que começou na arte brasileira na década de cinquenta – só abarca cinco anos. É como dizer “o pintor cubista Picasso” ou “o crítico estruturalista Roland Barthes”: só uma parte de sua obra pertence estritamente ao concretismo.

É bem verdade que Augusto de Campos seguiu sempre fiel à poesia visual (uma poesia próxima ao concretismo já que trabalha com o espaço, as tipografias e a disposição das palavras), sua poesia tem uma potência sonora única, a ponto de Caetano Veloso, Arnaldo Antunes e Adriana Calcanhotto interpretarem ou musicarem seus poemas.

Isto é, sua intensidade lírica (ou antilírica) tornou-se frequentemente opaca pelo impacto visual de suas composições. A passagem do tempo também serviu para isso: poucos poetas conseguiram plasmar a angústia e os afetos de nossas vidas caracterizadas pela tensão entre os mídia e a expressão da intimidade. Seus poemas são como máquinas sensoriais em que alguém pode mergulhar para se deslocar num espaço em que cada signo tem peso, cor, forma e altera nossa sensibilidade e entendimento.

A grandeza da obra de Augusto de Campos há muito é reconhecida: João Cabral de Melo Neto o considerou seu herdeiro e Caetano Veloso afirmou que é o maior poeta vivo em língua portuguesa. Seus textos alcançaram popularidade em canções, historietas e seus poemas têm sido estampados nas muitas bandeiras das manifestações que correm o Brasil depois do Golpe de 2016. Merecidamente o reconhecimento começa a se dar também em outros países: exposições em Amsterdã e Buenos Aires (sua obra foi exibida em Proa e na galeria Document Art), shows no MoMa de Nova York e em 2015 veio o Prêmio Ibero-americano de Poesia Pablo Neruda entregue pelo Conselho Nacional de Cultura e Artes do Chile. Em edições anteriores, o galardão foi para nomes importantíssimos da literatura latino-americana como José Emilio Pacheco, Juan Gelman e Nicanor Parra, entre outros. Augusto de Campos foi o primeiro brasileiro a recebê-lo.

Mas por qual razão Augusto de Campos é o poeta do século XX e se projeta para o novo século? Muito já se escreveu sobre sua habilidade técnica, a inovação nos procedimentos de criação e seu estilo objetivo e impactante. Ainda é possível acrescentar, dentre a variedade de elementos definidores de seu trabalho, outros três aspectos que o colocam no centro da produção literária contemporânea. Sua poesia sonora e visual trabalha com formatos diversos e isso permite que seja transposta para exibição em instalações, shows multimídia (desenvolvidos juntamente com seu filho, o músico Cid Campos) e vídeo. Mais que transformar-se, desde o início, Augusto trabalhou num campo experimental onde os signos estão muito além das classificações convencionais e não se limitam a territórios fechados previamente. Augusto de Campos é um poeta da metamorfose do signo.

Outro aspecto que adquiriu um novo sentido nos últimos anos é seu trabalho com a memória literária de seu país. Marca da arte contemporânea, desde há cinquenta anos que poeta-pesquisador tem mergulhado nos arquivos para extrair autênticas pérolas: o poeta do século dezenove Sousândrade, tão audaz que compôs um poema sobre a Bolsa de Valores de Nova York como se fosse o inferno de Dante. Também voltou a colocar em circulação os textos de Patrícia Galvão, mais conhecida como Pagu, musa das vanguardas e militante comunista revolucionária que foi perseguida pela ditadura de Getúlio Vargas.

Nesse ínterim, a lista seria quase infinita e precisaríamos de acrescentar seus mais de vinte livros traduzidos, entre os quais se destacam os poetas provençais que Augusto de Campos estudou como se fosse um scholar e que traduziu para o português seguindo os princípios da tradução de Ezra Pound. Este trabalho, por exemplo, ganhou vida pela voz de Adriana Calcanhotto e Cid Campos que interpretaram os poemas o que mostra como as pesquisas do poeta inspiram os músicos populares.

Finalmente, não é possível deixar de lado a força expressiva e afetiva de sua obra. Embora o concretismo tenha fragmentado o sujeito lírico e definido o poeta como um expoeta, foi essa aparente frialdade o que deu mais força às suas percepções das sensibilidades e dos sentidos. Em “A canção noturna da baleia”, os artistas da vanguarda russa Malevich e Rodchenko são convocados para a construção de um novo sublime: o branco que evoca um gozo extático que aqui é o da própria baleia a ponto de ser assassinada. “a brancura do branco / a negrura do negro / ródtchenko maliévitch / o mar esquece / jonas me conhece / só ahab não soube / a noite que coube / alvorece / call me moby” (Despoesia, 1994).



Enquanto Jonas (o profeta bíblico) conhece a sacralidade do animal, Ahab (o protagonista de Moby Dick) aparece como predador moderno. Augusto de Campos fecha o poema assumindo o canto da baleia e diz “call me moby” em referência à primeira frase do romance de Melville: “call me, Ishmael”. Os “m” que se repetem ao longo do poema são como os rastros dessa baleia que se perde no oceano, são como a onda impossível de esquecermos ou não podemos perceber: a aventura da baleia.

Por inventividades como estas – e são muitas – o poeta do século XX será lido no século XXI.

Ligações a esta post:

* Este texto é uma versão livre de "Un poeta del lago porvenir" publicado no El clarín.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236