Postagens

Mostrando postagens de Março 22, 2016

Natalia Ginzburg, deusa das pequenas coisas

Imagem
Por Luis Alemany


Literatura, judaísmo, feminismo, política... Se Natalia Ginzburg houvesse sabido que, 100 anos depois de seu nascimento, a recordamos com essas ideias avançadas, talvez não tivesse se sentido deprimida. Os estudos de gênero a aborreciam muito, o judaísmo era uma parte de sua bagagem com a qual não se dava bem e sua história com a política tendia ao desencanto. Bom, resta a literatura. O centenário da escritora italiana propicia agora uma visita à sua obra: Léxico familiar, Caro Michele, O caminho que leva à cidade, Foi assim, entre outros.
Por onde começar? Elena Medel, autora dos prefácios que acompanham as novas edições de alguns desses importantes títulos na Espanha, oferece um conselho aos recém-chegados à obra de Natalia Ginzburg: “Eu leria primeiro Todos nossos ontens romance que antecipa a atmosfera da Léxico familiar e As tarefas de casa, obra que esclarece a imaginação e a voz de Ginzburg. Além disso, é curioso pela atualidade, e surpreendente pelo que Ginzb…