Postagens

Mostrando postagens de Agosto 16, 2016

A última lua de Federico García Lorca

Imagem
Mito Por Agustín Sánchez Vidal
Lorca foi uma lenda em vida. Sua obra só é um pálido reflexo da aura que irradiava a personagem. Ele próprio tinha um forte sentido do mito, um certeiro instinto para nomeá-lo. E são essas raízes primitivas as que o fazem tão universal. Buñuel e Dalí, que censuravam suas “tendências”, não mediram esse quadro que subjaz sob o fulgor das metáforas, nem a passagem para a modernidade inaugurada pelo ciclo nova-iorquino.
O assassinato foi responsável por encerrar o cerco de sua memória entre os mais velhos como Antonio Machado, seus companheiros da geração de 1927 ou a sucessores como Miguel Hernández, quem tinha na cela onde morreu um exemplar do Romanceiro cigano.
O mito não deixou de crescer. Quando o presidente Eisenhower visitou a Espanha em dezembro de 1959, em sua conversa com Franco colocou o nome de Lorca sobre a mesa. Informou-lhe do manifesto publicado por intelectuais estadunidenses acusando-o de ter a mão entre os assassinos do poeta. O ditador a…