Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 15, 2016

Romance 11 Livro 18, de Dag Solstad

Imagem
Por Pedro Fernandes


Há um seleto grupo de escritores da literatura nórdica contemporânea fundamentais para se compreender os exercícios de reinvenção praticados com a narrativa e a forma romanesca; há nesta constatação um eco feroz de uma observação de mesmo sentido realizada por António Lobo Antunes quando perguntado numa entrevista sobre o que há de novo e significativo sob o sol da literatura, expressão logo tomada aqui como referência ao romance, gênero que melhor tem praticado o escritor português. 
É que em curso o tempo dos exercícios narrativos para as composições de cunho psicológico – estes cuja contribuição do autor de Os cus de Judas, sobretudo depois do ciclo de obras sobre a ocupação colonial em África, é inegável – ou, para citar outra inovação, mas esta não terá alcançado o fôlego da primeira, o tempo do nouveau roman francês, pouco ou quase nada tem sido praticado ao ponto de significar uma nova guinada a arte de compor romances. 
A afirmativa não é catastrófica porqu…