Boletim Letras 360º #226

Lima Barreto. Nunca se falou tanto sobre o autor e sua obra nunca foi tão reeditada como no ano sabático de 2017.


Nesta semana vieram online as duas novidades divulgadas no último Boletim Letras 360º: o blog recebeu uma nova colunista, a poeta Fernanda Fatureto; e iniciamos a promoção que sorteará os quatro volumes da série napolitana, da Elena Ferrante, editada pela parceira Globo Livros / Biblioteca Azul. No nosso Instagram.

Segunda-feira, 03/07

>>> Brasil: A infância de Aninha. Uma coletânea reunirá textos da poeta Cora Coralina para os mais jovens

A edição é da Global Editora, responsável pela obra de Coralina no Brasil. Lembranças de Aninha reunirá 12 textos escritos pela poeta sobre sua infância em Vila Boa de Goiás, no final do século XIX. São textos já publicados em outros livros da autora, mas reunidos agora numa edição ilustrada. A antologia compila, entre outros, "O boi de guia", "A fala de Aninha – é abril e as meninas", "A formiga e o Boi". A previsão é que livro saia até o fim do segundo semestre de 2017.

>>> Brasil: Mais três títulos de autores pouco lembrados entre os leitores brasileiros ganham tradução

Uma das publicações recentes da Editora e Revista Kalinka foi Parque cultural, de Serguêi Dovlátov, livro apresentado no final de 2016. Agora, a casa editorial trabalha para trazer mais dois títulos do escritor, um deles, a sair ainda em 2017: O ofício e A troca. Em matéria publicada no portal Gazeta Russa sobre os 10 anos da editora foi anunciado que está preparação ainda Salmo, de Naum Gorenshtein - o autor é mais conhecido por ter sido roteirista de Tarkóvski em Solaris. O livro é apresentado pelos editores como uma obra extensa (400 páginas), polêmica, densa, e contemporânea.

Terça-feira, 04/07

>>> Brasil: Uma nova editora chega com proposta de diversificar o mercado livreiro no Brasil

A editora Morro Branco apresenta no segundo semestre de 2014 sua primeira novidade: a tradução inédita no país da obra escritora estadunidense de ficção científica Octavia Butler (1947-2006). Kindred – um romance que conta a história de uma negra que é transportada da Los Angeles dos anos 1970 para a Maryland do início do século XIX, e encontra seus ancestrais – é o primeiro título a sair pela nova casa. Butler é uma escritora aclamada nos Estados Unidos e recebeu mais de uma vez os prêmios Hugo e Nebula, dois dos mais importantes do gênero no mundo.

>>> Brasil: O polêmico livro de Deborah Levy em resposta ao ensaio "Por que escrevo", de George Orwell

A escritora sul-africana radicada em Londres é uma das vozes mais originais e transgressoras da literatura de língua inglesa. Em Coisas que não quero saber ela tece uma resposta, feminina, ao conhecido ensaio de George Orwell, de 1946. Aqui ela reflete, literariamente, sobre as razões que a levaram a escrever, tendo como pano de fundo a África do Sul, onde cresceu e onde seu pai foi preso por lutar contra o apartheid; o subúrbio londrino em que, exilada, passou a adolescência; e Maiorca, a ilha espanhola que é como um refúgio na maturidade. Neste relato vívido e perspicaz sobre como despretensiosos detalhes da vida pessoal de uma autora podem ganhar força na ficção, Levy sugere muito mais do que de fato diz. De certa forma, uma versão atualizada de Um teto todo seu, de Virginia Woolf, esta elegante autobiografia literária desvela a necessidade da mulher de dizer o que pensa, de projetar sua voz e ocupar seu lugar no mundo." A edição é da Autêntica Editora, editora que reúne nessa coleção um livro Doris Lessin sobre gatos (cf. já apresentamos noutra ocasião). A tradução é de Rogério Bettoni e Celina Portocarrero.

Quarta-feira, 05/07

>>> Brasil: Organizado por Beatriz Resende, especialista na obra de Lima Barreto livro – uma coedição com a Fundação Biblioteca Nacional – reúne alguns dos textos mais importantes e saborosos do escritor sobre a cidade do Rio de Janeiro

Lima Barreto – cronista do Rio é publicado pela Autêntica Editora e é um passeio pelas ruas da capital carioca, do final do século XIX a meados do XX, seguindo de perto o olhar atento e crítico do autor, que espelha vários pontos e bairros do Rio, seus principais logradouros e sua mais viva expressão cultural. Para enriquecer o volume, as narrativas são ilustradas com fotos da época, do acervo da Biblioteca Nacional: são imagens do Teatro Municipal, das praças, da Lapa, das ruas do Centro, de Botafogo, do Passeio Público, entre outras. Uma merecida homenagem a Lima Barreto, escritor que morreu esquecido, vítima de preconceito e incompreensão.

>>> Brasil: A Editora Moinhos prepara edição com diálogos entre Maria Valéria Rezende e Roberto Menezes

O anúncio foi postado na página da editora no Facebook. Os dois escritores se encontraram reiteradas vezes para várias conversas que costumam ter. Fim da tarde. Fim da manhã. Ele traz um bolo, ela prepara o café. Não tem pauta, nem pausa, nem pompas. "Hoje, em especial, 04 de agosto de 2014, Roberto pede pra gravar a conversa. Duas horas se passaram e, em nenhum momento, se preocuparam com o gravador", diz o comunicado. Conversa de jardim nasceu assim e o livro será apresentado no segundo semestre.

Quinta-feira, 06/07

>>> Brasil: Obra pouco conhecida e tida como obscura na bibliografia de Lima Barreto ganha edição: Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá

Apesar de escrito por um dos mais importantes autores nacionais, é um livro pouco lido, pouco conhecido, pouco estudado e pouco editado. No ano em que Lima Barreto é escolhido o autor homenageado da Festa Literária de Paraty – a Ateliê Editorial repara este equívoco e apresenta, em uma edição especial, o romance. Organizado por Marcos Scheffel, professor da UFRJ, o livro traz um texto introdutório com importantes informações ao leitor que ainda não teve contato com a obra: histórico da publicação, um resumo sobre atuação de Lima Barreto como cronista, um estudo sobre os personagens, informações literárias e as razões sobre as quais esta é uma obra que quase caiu no esquecimento. Lima Barreto iniciou o projeto de Vida e morte de M. J. Gonzaga de Sá em 1906, mas o livro só foi publicado mais de uma década depois, em 1919. Isso porque, com dois projetos de romances em mãos – Vida e Morte e Recordações do Escrivão Isaías Caminha – o carioca resolve apresentar Recordações para seu editor. A razão está em uma carta de Lima Barreto a Gonzaga Duque: "Era um tanto cerebrino, o Gonzaga de Sá, muito calmo e solene, pouco acessível, portanto. Mandei as Recordações do Escrivão Isaías Caminha, um livro desigual, propositalmente malfeito, brutal por vezes, mas sincero sempre".

>>> Brasil: A poesia de Raymond Carver numa antologia

Reconhecido como um dos grandes mestres da arte do conto no século XX, ele também é autor de uma obra poética que se equipara, em fôlego e intensidade, a sua obra de ficcionista. Mais do que isso: a poesia oferece um ponto de vista privilegiado para compreender a visão de mundo do escritor. Afinal, como observou sua companheira, a escritora Tess Gallagher, "era da corrente espiritual da poesia que ele partia para escrever os contos". Admirador de William Carlos Williams e com um pé na tradição confessional de Robert Lowell e Sylvia Plath, a poesia de Carver é riquíssima em termos de observação da realidade. Mantendo um registro sempre próximo à vida cotidiana, seus poemas, com aparente despretensão, condensam experiências de grande pungência e alta voltagem lírica. A Editora 34 apresenta então a primeira coletânea da obra poética de Carver em nosso país: Esta vida. O livro reúne em edição bilíngue cinquenta poemas do autor, selecionados e traduzidos por Cide Piquet com base em seus principais livros de poesia: Fogos (1983), Onde a água se junta a outra água (1985), Ultramar (1986) e Um novo caminho para a queda d'água, publicado postumamente em 1989.

>>> Brasil e Portugal numa só Granta

Depois de a Alfaguara Brasil descontinuar a publicação da revista por aqui, eis uma novidade: a Tinta-da-China assume, a partir de 2018, a publicação de uma edição única em língua portuguesa, publicada em simultâneo no Brasil e em Portugal. A Granta unificada foi apresentada como "um projeto literário de língua portuguesa — de modo nenhum um projeto português", em que se manterão a periodicidade semestral e o diretor, o jornalista Carlos Vaz Marques.

Sexta-feira, 07/07

>>> Brasil: Peste e cólera, o novo livro de Patrick Deville chega às livrarias

Discípulo brilhante de Pasteur, o jovem Alexandre Yersin (1863-1943) tem uma carreira brilhante e segura pela frente: antes mesmo de completar os estudos, já fez avanços importantes no estudo da difteria e da tuberculose. Com tempo e trabalho, a fama cívica e científica baterão à sua porta. Mas não. Outros horizontes acenam para o jovem, que se faz médico de bordo no Oriente, explorador dos planaltos da Indochina sob dominação francesa e começa a ganhar ares de herói colonial. Mas não, novamente não, Yersin dá mais uma guinada, escapa, vai viver num lugarejo de pescadores, onde se dedica aos mais variados estudos e empreitadas, até que se vê convocado por Pasteur a enfrentar uma epidemia de peste bubônica em Hong Kong... Peste e cólera é a crônica dessa vida feita de ciência e aventura, utopia e ceticismo, vivida no mesmo ritmo vertiginoso que vai tomando conta da história europeia e logo mundial nos anos finais do século XIX, rumo às catástrofes do século XX. Perseguindo com rigor factual as pegadas de Yersin, este novo "romance sem ficção" de Patrick Deville põe o leitor diante uma figura tão fascinante quanto esquiva, um herói das Luzes que conserva em seu íntimo vastas zonas de sombra, à maneira dos heróis fugidios de Joseph Conrad. A edição da Editora 34.

>>> Brasil: Em agosto estreia nos cinemas Lady Macbeth

O filme foi inspirado em Lady Macbeth do distrito de Mtzensk, de Nikolai Leskov; esta considerada a grande obra do escritor russo. A versão russa da tragédia shakespeariana também inspirou o romance noir de Raymond Chandler, a famosa ópera de Dmitri Shostakóvitch, de 1934, e o filme Lady Macbeth siberiana, do cineasta polonês Andrzej Wajda. Katherine (interpretada por Florence Pugh) está presa a um casamento de conveniência. Casada com Boris Macbeth (Christopher Fairbank), a jovem agora se vê integrante de uma família sem amor. É só quando ela embarca em um caso extraconjugal com um trabalhador da propriedade do marido que as coisas começam a mudar. Ela só não contava que isso iria desencadear vários assassinatos. A estreia ocorre dia 10 de agosto. Veja o trailer no Grupo do Letras in.verso e re.verso 

.........................
Sigam o Letras no FacebookTwitterTumblrGoogle+InstagramFlipboard

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói