Postagens

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Imagem
O escritor estadunidense William Faulkner (1897-1962) é um dos autores principais da literatura do século XX. Foi muito mais valorizado como romancista na França que em seu próprio país, fascinação europeia que lhe facilitou a obtenção do Prêmio Nobel de Literatura em 1949. Tentou combater sem sucesso na Primeira Guerra Mundial e buscou se estabelecer como poeta (seu primeiro livro, O fauno de mármore, é de poemas), mas logo se veria absorvido por uma febril atividade como romancista. 
Nativo do Mississipi, a monumental obra de Faulkner é sempre caracterizada como regionalista, embora se trate de um regionalismo marcado pela técnica moderna de escrever a James Joyce. Escritor do sul, sua literatura está marcada pelo trânsito dessa sociedade arcaica para uma sociedade moderna e por temas como os embates de classe e raça, o mundo rural, o atraso econômico e a violência. Para dar forma ao seu mundo literário inventou um condado imaginário, Yoknapatawpha. As obras desse ciclo são exemplo…

Boletim Letras 360º #237

Imagem
Estamos online com uma nova edição do Boletim Letras 360º, ocasião para revermos quais foram as novidades compartilhadas durante a semana em nossa página no Facebook. 


Segunda-feira, 18/09
>>> Brasil: Vem aí a obra de Liudmila Petruchevskaia
A partir de 2018, os leitores brasileiros poderão ter acesso à literatura de Petruchevskaia em português. A Companhia das Letras, informa a Folha, comprou os direitos de Era uma vez uma mulher que matou o filho da vizinha (título provisório). Uma mulher dá por si a tapar um buraco a meio da noite numa floresta; uma família tranca-se no quarto de forma a combater uma estranha epidemia; um feiticeiro castiga duas belas bailarinas transformando-as numa grotesca performer circense; um coronel é avisado para que não levante o véu da face da sua falecida esposa; e um perturbado pai consegue ressuscitar a filha devorando corações humanos nos seus sonhos. São contos de humor negro, repletos de vinganças, mortes perturbantes e melancolia que estão…

Mar morto e milagre dialético

Imagem
Por Rafael Kafka


Mar morto tem a mesma lógica dialética de "Cadeira", o que talvez explique em algum grau a amizade existente entre Jorge Amado e José Saramago. Nos dois textos narrativos, uma novela e um conto, o processo dialético transcorre sem que as personagens tenham esperança em sua ocorrência, muitas vezes sequer tendo consciência de sua possibilidade. Dulce, a professora de ar frágil do romance amadiano, é a única que talvez perceba alguma outra realidade em potencial que seja diferente da existência de exploração dos pescadores que em seus saveiros vivem em estranha comunhão com o mar.
O poder de síntese de Jorge Amado no romance aqui abordado é impressionante. Em pouco mais de 250 páginas de uma edição de bolso, fui capaz de me deparar com uma linguagem repleta de lirismo, sem perder em nenhum momento o viés social capaz de se mostrar na obra romanesca. Assim como em Gabriela, o outro romance de Amado lido por mim até agora, neste Mar... temos diante de nós um cont…

Desamparo, de Inês Pedrosa

Imagem
Por Pedro Fernandes

A vida é trânsito fugaz de existências. E Inês Pedrosa elegeu, através da sua literatura, a tentativa de captá-las. Por isso, cada livro seu se constitui numa reunião bastante heterogênea e, portanto, complexa de fotogramas cujo núcleo são os elementos que nos acompanham e participam para o bem e para o mal do enforme desse universo convencionado por todos como realidade. Nos dois títulos mais recentes da escritora – Dentro de ti ver o mar e este motivo destas notas, Desamparo – é cadavez mais visível tamanha preocupação. Nesse sentido, a escritora lida com materiais extremamente delicados e capazes de fazer com que suas narrativas se tornem, muito cedo, objetos obsoletos: é o grande risco que corre os escritores imersos demais nas vagas de seu tempo.
No caso específico da escritora portuguesa, os indícios do falhanço não são verdadeiros nem tampouco evidentes. Isso porque, magistralmente, as tais questões ainda não assentadas não estão no plano principal de seu i…

Um instante de amor, de Nicole Garcia

Imagem
Por Pedro Fernandes


Quem encontrar Marion Cotillard em Rock’n roll. Por trás da fama, fazendo papel de si mesma, como uma dedicada atriz sempre capaz de tornar seu dia-a-dia outro para compor a vida de personagem significativa poderá sondar quais exercícios terá cumprido para encontrar o espírito dessa figura do romance de Milena Agus adaptado para o cinema por Nicole Garcia. A impressão é apresentada aqui porque não é tarefa das mais fáceis assumir certo ar da rebeldia adolescente num corpo de balzaquiana e é este o perfil de Gabrielle.
O contexto dessa personagem é o do limiar entre as determinantes da tradição patriarcal, onde às mulheres são delegadas as tarefas de zelo e subserviência ao marido e à casa, e o nascimento de liberdade feminina fora desses moldes opressor. Não bastasse isso, Gabrielle é a filha mais velha numa família de mulheres. Sem pretendentes, porque os que conhecem seu temperamento não se aventuram a propor casamento ou porque ela própria se coloca como a figu…

A ignorância, de Milan Kundera

Imagem
Por Christopher Domínguez Michael


Não sem certa culpa descobri, ante A ignorância, que há quinze anos não lia um romance de Milan Kundera. A brincadeira (1967), A vida está em outro lugar (1973) e O livro do riso do esquecimento (1978) formam uma trilogia essencial na e sobre a história contemporânea da Europa. Irei mais longe: Kundera foi decisivo para que muitos leitores ocidentais rompêssemos as últimas amarras sentimentais e simbólicas com o universo stalinista. Quando vivíamos à sombra da cinzenta árvore da ciência, perdíamos o tempo buscando em Trótski, Bruno Rizzi, Charles Bettelheim ou Rodolf Baho uma iluminação teórica que prometia entender esse eufemismo chamado “real socialismo”. Kundera, com essa convicção não apenas brinda a arte do romance, aparece para permitir, às vítimas da ilusão lírica, o festejo da queda do Muro de Berlim em 1989.
Mas a história castiga seus profetas. Kundera, nascido na antiga Tchecoslováquia em 1929 e refugiado em Paris desde 1975, olhou de fora…

Sepulcros de vaqueiros: uma oportunidade única e fascinante

Imagem
Por Patricio Pron


Rigoberto Belano, narrador de “Pátria” (o primeiro dos três textos que compõem Sepulcros de vaqueros [Sepulcros de vaqueiros]), recorda que quando era criança brincava com seus irmãos a “converter os momentos felizes em estátuas”; e enquanto foge de Santiago do Chile no carro de Patricia Arancibia, se descobre desejando que “alguém, um anjo que nos observasse do céu, convertesse [em estátua] a velocidade e a fuga”.
Poucas literaturas são mais relutantes a adotar uma rigidez estatuária que a do seu autor, Roberto Bolaño; catorze anos depois de sua morte, essa obra nem sequer pode ser dada como concluída: de 1996 a 2003 (seus anos de maior visibilidade), Bolaño publicou 11 livros; desde esta última data até a atualidade publicaram 10, entre eles 4 imprescindíveis: 2666 (2004), A universidade desconhecida (2007), As agruras do verdadeiro tira e Bolaño por sí mismo [Bolaño por ele mesmo] (estes dois últimos de 2011). A existência de outros inéditos cujo título se deu a …

Boletim Letras 360º #236

Imagem
Uma semana muito especial para a literatura brasileira: depois de quase uma década e de muitas promessas, enfim temos a data de apresentação do novo romance de Milton Hatoum [imagem]. Esta e outras informações que copiamos no mural do Letras no Facebook estão aqui reunidas. 


Segunda-feira, 11/09
>>> Brasil: Lima Barreto pornográfico. O escritor teria assinado duas histórias picantes com o pseudônimo de Pelino Língua
As mais recentes descobertas foram divulgadas pelo jornal Folha de São Paulo. Os folhetos são provavelmente de 1912 e até então não se sabia qual nome o escritor havia utilizado para assinar as histórias. O autor assinou "O Chamisco ou o Querido das Mulheres" e "Entra, Sinhór!..." como Pelino Língua. Pelino, não custa lembrar, é uma personagem do conto "A nova Califórnia". Foi o pesquisador Felipe Rissato quem encontrou a novidade. Agora, dos folhetos nenhuma notícia do paradeiro; sabe-se da existência deles graças à biografia de Fran…