Instante (poema. revolução)

Francis Bacon. Crucificação. Três estudos. 1962.


calarei a todos com tiros de fuzil
para que me ouçam
no interior de minha fala poética
que se desdobra na trama frenética
as palavras no papel.

passarei por cima dos primeiros
com a ajuda de minha insana infâmia
no interior de meus gritos amarrados
à tinta na cadeia papel branco.

na história não há espaços para o sutil
para a felicidade como dizia hegel.
no meu poema há brechas para tanto
mas vigora mesmo um grito melancólico
no bucolismo nefasto e vadio
das palavras negras presas no papel.

do poder absoluto resta eu
desmanchado em palavras [balas]
atiradas com fuzil [minha caneta]
ou gritos preso(a)s [as palavras]
num poema de papel.


* Poema publicado no site Garganta da Serpente. Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro