Exposição José Saramago: a consistência dos sonhos



José Saramago está de passagem pelo Brasil. O escritor veio para a apresentação de seu novo romance, A viagem do elefante. A ocasião é marcada por outra leva de homenagens; Saramago é, depois de Fernando Pessoa e Eça de Queirós, o escritor mais lido por aqui. Entre as atividades de sua agenda, que inclui conferências, entrevistas e uma sabatina pelo jornal Folha de São Paulo, está a abertura da exposição José Saramago: a consistência dos sonhos, que depois de Portugal alcança o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.

Com curadoria de Fernando Gómez Aguilera, diretor da Fundação César Manrique, a exposição dedicada ao Prêmio Nobel de Literatura analisa obra e vida do escritor tanto da perspectiva de sua transcendência no mundo da literatura universal como de sua dimensão sociopolítica. Concebida por ocasião do 85º aniversário do autor de Ensaio sobre a cegueira, a mostra é resultado de dois anos de intenso trabalho de investigação, não apenas desde o momento do reconhecimento internacional, a partir de 1982, mas também abordando períodos menos conhecidos de sua trajetória.

Ao todo são 500 documentos originais, entre eles, poemas inéditos, e outros tantos de digitalizados que são apresentados através de um desenho inovador que combina os recursos convencionais com os suportes digitais e audiovisuais, empregando mais de 50 monitores. O abundante material traz ainda manuscritos, notas pessoais, primeiras edições, traduções, fotografias, vídeos, gravações originais, etc., que exploram as chaves de seu imaginário.

Seguindo uma ordem cronológica, a mostra é pontuada por quatro instalações desenvolvidas por Charles Sandison especialmente para o projeto. Conhecido internacionalmente desde a sua participação na Bienal de Veneza em 2001, o artista escocês, que vive na Finlândia, produz a partir de programas de computador projeções sobre telas ou sobre as paredes de obras  como A jangada de pedra, Todos os nomes e Manual de pintura e caligrafia.

A exposição José Saramago: a consistência dos sonhos fica aberta ao público até o dia 15 de fevereiro de 2009, de terça a domingo, das 11 às 20h no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232