o tempo




matamos o tempo e o tempo nos enterra.
(Machado de Assis)

martelava o tempo

tique-taque
tique-taque
tique-taque

exerguei-me escravo do tempo

tique-taque
tique-taque
tique-taque

quase tive um ataque!

tique-taque
tique-taque
tique-taque

matamos o tempo

tique-taque
tique-taque
tique-taque

o tempo nos enterra

tique-taque
tique-taque
tique- taque
tique-taque
tique-taque

* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro