Um conjunto de ensaios que busca olhar para a literatura em suas mais diversas faces


Por Pedro Fernandes

Linguagem, discurso e cultura: múltiplos objetos e abordagens, organizado por Alessandra Cardozo de Freitas, Lílian de Oliveira Rodrigues, Maria Lúcia Pessoa Sampaio

Como todo estudante de Letras (que apesar de graduado, serei sempre) que antes de gostar de Literatura, gosta de ler (acho mesmo que não há como dissociar uma coisa da outra) estive por esses dias lendo um conjunto de artigos acadêmicos de professores e pesquisadores de várias instituições de ensino superior do Nordeste. Trata-se de uma publicação da Editora Queima-Bucha, conduzida pelo poeta Gustavo Luz, de quem escrevi a orelha da reedição de seu recente livro, ainda por lançar, o Das máquinas. A publicação de Linguagem, discurso e cultura se deu em 2008. Acredito que estive em algum dos vários lançamentos que foram feitos desse livro porque tenho frequentado razoavelmente alguns congressos que versam sobre a temática.

Mas, falo sobre esse livro por um motivo: a presença de dois textos, um de uma das organizadoras do livro, Lílian de Oliveira Rodrigues e, o outro de Andrey Pereira de Oliveira, "A voz na memória: narrativa e identidade na cultura popular" e "Do texto visual ao texto verbal: os Quixotes de Portinari e de Drummond", respectivamente.

O primeiro é, antes da apresentação de um estudo que relaciona memória, identidade e cultura popular, um resgate (não no sentido que cabe a palavra resgate, mas no sentido de preservação) de uma figura da cultura popular do Rio Grande do Norte (e são muitas as que se apagam sem a devida atenção da sociedade, do Estado e, também das instituições de Ensino Superior que dentre tantas as missões que têm de cumprir, está o respeito e a valorização da arte autóctone, seja a literatura em suas mais variadas dimensões, seja a pintura etc.) É a figura de D. Maria José, artista popular de São Gonçalo do Amarante, Rio Grande do Norte, já identificada como a “maior cantadeira de romances de Brasil” e pelo nome de D. Militana, seu nome de registro. Dos fragmentos pinçados dos depoimentos coletados pela professora, que se mostram entrelaçados às teorias, afinal de contas, é um texto acadêmico do que estou falando, saltam conjuntos de imagens que estão no limite de alcançar um retrato sobre a autora de uma literatura oral, agora, registrada pela pesquisadora.

O segundo texto que cito traz numa leitura analítica pelas vias da semiótica e da teoria literária sobre as relações entre uma das 21 gravuras em lápis de cor sobre carvão de Cândido Portinari feitas em 1956 a pedido do editor José Olympio para ilustrar uma nova edição brasileira do Dom Quixote, de Cervantes e um poema de uma série também de 21 poemas de Carlos Drummond de Andrade feitas em diálogo com as gravuras do artista plástico. Os poemas foram escritos a partir das imagens, uma vez que o projeto da edição da obra de Cervantes não vingou. Em 1972, a José Olympio, para ver perdido o trabalho de Portinari, aproveitou o trabalho depois do poeta ter aceite as composições.

Apenas pela singularidade desses dois textos, este título na obra que vem prefaciado pela respeitável Rosário Gregolin merece uma olhada


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232