A mão


Era a mão
tão próxima de mim
à distância de um toque
na noite

E desejei à noite adentrar
por dentro mim
entre mãos
minhas e dele

E por que não toco?
a noite é espessa
e a distância de um toque
um abismo impossível

Deixa ela lá
lá posso abismá-la
a mão

* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)