Os desafios de escrever um blogue

Por Pedro Fernandes



Hoje faz exatos dois anos que abri esta página na internet. No fechamento do primeiro ano eu escrevi do interesse meu quando resolvi criar este blogue. Nasceu a ideia meio que por acaso, dizia; tinha o interesse apenas de divulgar um evento na Faculdade; evento em que eu iria ministrar um minicurso sobre a poeta potiguar Auta de Souza. Um blog me permitiria além de divulgar o tal minicurso expor o material produzido e/ou necessário no decorrer dele. Muita coisa publicada dessa ocasião foi deletada, porque como direi mais adiante, e como o leitor tem acompanhado, o blog ganhou outros rumos. 

É que permaneci conduzindo seduzido ou viciado pela ideia e achei que este deveria ser o espaço para que eu organizasse minhas leituras que fizesse na web; então comentaria publicamente por aqui ou traria o texto para cá, claro com as devidas referências. E o propósito durou até certo ponto, quando comecei a postar matérias também minhas: poesia, ensaios, artigos (dos artigos, grande parte, nas reformas que fiz até aqui, foi deletada). Ficou, desde então, como um espaço que preservava a ideia segunda, reunir materiais de leitura minhas na rede ao mesmo tempo que de divulgação de minhas ideias.

Nesse primeiro ano o blogue passa a reunir sete colunas (Alguns dos filmes brilhantes, Apenas meus poemas, Intervalo, Letras&Livros, Os escritores, Escritores e escrituras potiguares, Minhas falas). Todas elas são muito pessoais porque reúnem em si aqueles materiais que tomo conhecimento e aqueles materiais que vou trabalhando na redação.

No segundo ano de blog achei por bem abrir mais uma sessão, a se chamar Eventos para a divulgação dos eventos dos quais participo ou simplesmente porque apoio a iniciativa. Noto, portanto, no correr desses dois anos que o blog começa a demonstrar uma cara mais minha e ser um espaço estritamente pessoal haja vista que são as colunas Intervalo e Minhas falas as que mais receberam postagens. Mas, sinalizo que comecei há alguns dias, muito lentamente, porque o tempo me tem sido algo mais que precioso, a fazer algumas operações de mudanças. 

Uma de tais mudanças é o número de postagens, que tem caído consideravelmente, e outra é a valorização dos já referidos espaços porque são os mais íntimos do blog. Outra a padronização das postagens, principalmente aquelas já postas online. Isso tem o propósito de refazer essa página. Resolvi, então, apostar na ideia de receber contribuições de amigos ou de pessoas interessadas em publicar alguma coisa online, mas, sei lá, ainda não tem um espaço consolidado, ou mesmo queira ajudar com uma proposta que, apesar de não alcançar muito bem seu sentido coletivo, pode ter esse propósito. Mas, basta dizer, depois de muitos empecilhos, sobretudo, o fator tempo, que a ideia desmanchou-se e a constante intervenção particular minha por aqui demonstra que este é um blog fadado a ser um mero espaço individual.

Ou seja, aproveito para dizer que este espaço desde já está desativado para o recebimento de material. O motivo de tudo é o famigerado tempo. Ele me tem sido mais curto do que fora e tenho a impressão de que daqui para frente mais curto será. Tenho além desse espaço de dar conta do caudal de leituras para uma dissertação de mestrado; uma revista, o caderno-revista 7faces, que vem se arrastando e espero dentro em breve pô-la em circulação; outra revista, esta do programa de pós-graduação cuja função de editor também me cabe; a organização de meu livro, o já anunciado Sertanices, que tenho fé também que, dentro em breve, deverá está nas livrarias; além de outras ideias que desenvolvo e que, certamente, os leitores desse espaço ficarão sabendo.

A ideia de manutenção do blog, entretanto, ainda me é sedutora como no princípio dessa aventura. A proposta de uma higienização do espaço, além de que, me é muito bem-vinda, por várias outras razões. O espaço ficará mais leve e mais íntimo; deixará o leitor mais livre para visitação, tirando a ideia de assiduidade, que me parece coisa fátua na web. No mais que se multipliquem seus anos de vida, com pouca ou muita postagem.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)