Ambientalismos: notas

Por Pedro Fernandes

Essa ideia de sustentabilidade é toda ela falsa. Os seres humanos tem se tornado cada vez mais individualistas e não creio de modo nenhum que venhamos a salvar o planeta. Que pretexto temos para salvá-lo? Quem disse que as crianças do futuro querem ver os animais que vemos hoje?

***

Houve um tempo que me preocupei e muito com as questões ambientais. Tanto que pela época dei início a um curso técnico em Controle Ambiental e ficava indignado com a situação na Amazônia, com a situação aqui no Nordeste. Quando via uma queimada queria mesmo sair de lata d'água na mão para apagar o fogo. Agora não mais. Tenho a certeza de que no ponto em que chegamos nada mais é possível fazer, afinal, esse modo de vida que escolhemos não deixa escolhas para nos refazer das perdas que já tivemos e que estamos tendo nesse momento.

***

Quando vou a um restaurante e dou de contas de um palito de dente embrulhado numa embalagem única, um canudo para suco do mesmo jeito, penso no quanto de natureza se é destruído para atender esse metodismo higiênico que desenvolvemos. Situações do tipo só me levam a crer que essa ideia de desenvolvimento sustentável e de salvação do meio ambiente é toda ela falsa.

***

Agora mesmo recebo via Facebook e já havia recebido via e-mail uma campanha para dar um fim às construções em Belo Monte. E eu apenas pergunto: vocês estão satisfeitos com os avanços do Brasil nos rankings econômicos mundiais? Me parece que sim, não? Pois, então, para se manter onde chegamos ou ir além, como sonhamos, precisamos de mais energia. E o que fazer, se a alternativa que temos, no momento, não é outra se não essa? Sou contra Belo Monte, mas enxergo em determinados movimentos uma contrariedade que não tem respostas. E digo mais, se aquilo lá não for destruído pela água, será pela ganância dos grileiros de terra, será pela ganância dos que derrubam a floresta.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro