Dalcídio Jurandir

Por Pedro Fernandes

Dalcídio Jurandir. Foto do Blog do Dário Pedrosa

Vejamos. Em várias entrevistas dadas por José Saramago - me reporto aqui à sabatina feita pela Folha de São Paulo quando o escritor português esteve pela última vez no Brasil para o lançamento do seu A viagem do elefante - ele, quando perguntado da literatura brasileira em terras lusitanas disse haver da parte de lá um total desconhecimento da obra e de escritores brasileiros,sobretudo, daquilo que se produz hoje. Vou mais além que português. A literatura brasileira chega muito mal aos ouvidos dos próprios brasileiros.

Aqueles mais aficcionados por garimpar novidades são os que têm um conhecimento mais amplo sobre nomes e obras. Mas isso se resume a 1% dos que se dão a estudar literatura. A literatura produzida na região Norte do país, por exemplo, é, para quem está no Nordeste (e vejam que geograficamente não estamos longe) uma total desconhecida. Fala-se de um Milton Hatoum e o restante de dedos na mão sobram.

Pois bem, não foi garimpando, mas sim lendo um texto do professor José Alonso Torres que dei pela obra de um nortista chamado por Dalcídio Jurandir. E, então tomei a liberdade de copiar alguns dados sobre a vida e a obra do escritor, para que este blog, seja mais um porto de divulgação sobre o desconhecido nome.

Nascido em Vila de Ponta de Pedras, Ilha do Marajó, Pará, em 1909, Dalcídio deixou uma importante e vasta obra literária. Não viveu toda sua vida no estado natal; esteve no Rio de Janeiro, cidade onde enfrentou muitas dificuldades. Para se ter uma ideia, Dalcídio ocupou trabalhos como o de lavador de pratos até conseguir um lugar como revisor na então revista Fon-Fon, onde foi colaborador sem remuneração.

Dalcídio Jurandir ao lado de Graciliano Ramos em viagem à Rússia

Depois de desistir da vida no Sudeste do país, volta ao Norte; é quando escreve a primeira versão de Chove nos campos de Cachoeira, seu título mais conhecido. Passa, então, a colaborar com bastante frequência a vários jornais e revistas, como O imparcial, Crítica e Estado do Pará e, no ano seguinte, na Guajaramirim e A Semana.

Cedo, filiou-se ao Partido Comunista, posição que o levou por duas à prisão durante a Ditadura Militar: em 1936 e no ano seguinte.

Chove nos campos de Cachoeira é de 1941 é o primeiro título de uma série a qual intitulou Extremo-Norte e é composta ainda pelos livros: Marajó (1947), Três casas e um rio (1958), Belém do Grão Pará (1960), Passagem dos inocentes (1963) Primeira manhã (1968), Ponte do galo (1971), Os habitantes (1976), Chão dos lobos (1976) e Ribanceira  (1978). Iniciou a série Extremo-Sul, mas só publicou Linha do parque, em 1959.

Postumamente, várias obras suas ganharam nova edição. O reconhecimento em vida veio com o recebimento do Prêmio Machado de Assis, pelo conjunto da obra, ainda em 1972.

Ligações a esta post:
>>> Leia sobre o romance Marajó.


* As notas para este texto foram coletadas do site Releituras. Na internet há um portal que trata do escritor e de sua obra. Este portal pode ser acessado aqui.


Comentários

Diêgo Cesar disse…
Essa foi mesmo longe. Nunca ouvi falar desse autor. E deixe registrado que mesmo o povo que cursa Letras tem um certo pé atrás com Literatura!
Pedro, é assim que conheceremos mais de nossa literatura, gracias poe me apresentar Dalcídio Juransir, é assim que cresceremos e aproveito para te passar o blog Literatura sem fronteiras de Nilto Maciel, onde poderás conhecer muitos escritores nordestinos e seguimos:
http://literaturasemfronteiras.blogspot.com/

Um beijo e boa semana.

Carmen.
Pedro Fernandes disse…
Olá, Carmen, o Nilto Maciel não me estranho. O poeta Leontino Filho, que foi meu prof. na graduação já me falava sobre ele. Farei uma visita aos espaços do escritor e prometo postar uma nota na coluna "Os escritores" aqui no blog. Agradecido pela sugestão. Um fraterno abraço.
Que bom Pedro, fico muito feliz com toda essa troca que viemos tecendo.. Elias Canetti sempre me impressionou muito com seus conselhos, até porque acredito muito nisso, que poeta deve ajudar poeta... e ajuda aqui sabemos é conVersar, é trocar, é comentar e isso sabes e fazes muito bem... Fico feliz mesmo que chegues lá no Liteartura sem fronteiras...

Um abraço amigo e boa semana.

Carmen.
Pedro Fernandes disse…
É sim, Carmen. Escritor ou pretendente a escritor falando sozinho não existe. Toda fala sua deve ser uma fala partilhada.

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239