Lançamento de "50 poemas escolhidos pelo autor", de José Inácio Vieira de Melo


José Inácio Vieira de Melo. Poeta da nova safra dos brasileiros que tem hoje carreira ascendente. Foto: Alice Santos.

Há nomes que topamos por aí e damos a seguir. Quanto aos artistas conhecíamos eles de ouvir falar ou de dá de cara com suas obras – no caso dos escritores, com seus livros. Hoje, as relações ainda permanecem quase que nesse ponto, mas podem tomar uma direção oposta: conhecermos o autor e só depois conhecermos a sua obra. Pois bem, tenho um rol de nomes que se fixam nesse itinerário contrário. Alguns, consigo até seguir com leituras e comentários. Outros vão ficando pelo caminho. Nesse mover-se de nomes descobri, ao acaso das redes sociais (que é esse o espaço ideal para a inversão da ordem comum dos conhecimentos) o nome de José Inácio Vieira de Melo. Inicialmente chamou-me atenção o nome. Esse Vieira de Melo condiz ipsis literis com o sobrenome de minha mãe, que não herdei por pura idolatria paterna pelo nome do seu pai.

José Inácio Vieira de Melo, ao que conheço é poeta (da nova safra de brasileiros) e agitador cultural. Não sei se ele concordaria com o epíteto, mas o fato é que, de onde tenho observado, vejo que o poeta participa ativamente de eventos pro-poesia e organiza até alguns deles e cuida também de alguns projetos na área. Devo citar aqui (não sem um tanto de surpresa) o encontrar-se, outro dia numa livraria aqui de Natal, isso já depois de lido uma entrevista sua no perfil do seu Facebook, com a coletânea Sangue Novo – 21 poetas baianos do século XXI 

Fato é que, agora, no dia 1º de setembro o poeta estará lançando mais um trabalho seu. Da sua obra, o poeta reúne, nessa que será apresentada em Salvador, onde reside atualmente (o poeta é de Alagoas), uma leva de 50 poemas. O livro compõe, desde já, uma antologia com os mais representativos poemas deste poeta que já tem na bibliografia uma leva de cinco livros publicados. 

Conforme alardeia o realise divulgado pelo poeta, a antologia em questão, 50 poemas escolhidos pelo autor é fruto de uma coleção homônima que é conduzida pelo editor e escritor Waldir Ribeiro. Na coleção, já foram publicados nomes como os de Lêdo Ivo, Gilberto Mendonça Teles, Antonio Carlos Secchin – este que como José Inácio, é um dos nomes que fiz o caminho contrário do conhecimento.

O evento que acontecerá no Restaurante Grande Sertão, Rua Adelaide Fernandes, 122, em frente ao Parque Costa Azul e que tem início marcado para às 19h30 contará com a presença do poeta e do crítico Igor Fagundes. Quem estiver em Salvador e se interessa por novidades nesse campo das artes, deve, sim, visitar esse evento, que é mais marco na ascendente carreira do poeta. De longe, fica meu apreço, desde já. 

Acesse aqui e leia um poema do poeta.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro