Miacontear - O peixe e o homem

Por Pedro Fernandes



Este conto reitera a linha do fantástico notada em "O homem cadente". Retomando uma passagem do famoso sermão do Padre António Vieira - "O sermão de Santo António aos peixes" - colocada como epígrafe do conto, Mia Couto, no tom de uma anedota daquelas de pescador, dá corda a um narrador que se põe a contar da mania do estranho Jossinaldo. Jossinaldo é um vizinho que tem a também estranha mania de passear de trela com um peixe. Fato que por si o coloca na galeria daqueles sujeitos deslocados do espaço comum - "Jossinaldo era, nos gerais, tido por enjeitado: a cabeça do coitado, diziam, cabia toda num chapéu. E acresce-se que o temiam, sem outro fundamento que essa estranheza do seu fazer." 

O fato é que Jossinaldo não se sentindo bem de saúde vem ter com o narrador para que ele, de agora em diante, passe a tomar conta do peixe de estimação. Isso desencadeará uma troca de lugar capaz de ressignificar sua própria existência. Esse movimento é ensaiado em outros contos de O fio das missangas: a ideia de movência das subjetividades e redesenho das identidades. Afinal, parece que estamos, nesse livro, num território de miscigenações, enraizamentos e desenraizamentos e movências de sujeitos.

***

Minha sabedoria é ignorar as minhas originais certezas. O que interessa não é a língua materna, mas aquela que falamos mesmo antes de nascer.

*
Dentro de mim, vão nascendo palavras líquidas, num idioma que desconheço e me vai inundado todo inteiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro