Miacontear - Os machos lacrimosos

Por Pedro Fernandes



Aproveitando a máxima de que homem não chora, tão em vigor nos cenários sociais onde a figura masculina deve se portar como um autêntico da espécime, isto é, 'homem não chora', Mia Couto subverte o ditado ao compor esse conto. Também subverte a ordem de que o sorriso muda o mundo. Em tempos de espalhados risos - em sua grande maioria falsos-risos - o autor de O fio das missangas vem lembrar que o que essa humanidade carece não é dentes à mostra, mas sim, de lágrimas.

O cenário é o Bar de Makatuane, onde, periodicamente, se reúne um grupo de amigos para distribuir entre eles prosa e riso. Até que um deles, Luizinho Kapa-Kapa, "o grande animador dos encontros", muda o cardápio da prosa por uma notícia tristonha. Que história é essa não sabemos, mas sabemos que seu tom leva toda a macharada às lágrimas. O inusitado é que, agora, essa prosa de lágrimas se torna lugar-comum e, nos encontros seguintes nenhum deles quer mais saber dos gracejos, somente das lágrimas. Uma reunião de machos carpideiros. Alguém até propõe uma associação para acompanhar os cortejos fúnebres. Mas não - "lágrima pública ainda é coisa para o mulherido".

O excesso de choro desses machos corresponde à quantidade de lágrimas encalhadas de uma vida inteira de contenção das lágrimas, se sabemos que ao longo das gerações não se foi permitido ao homem chorar. Pela via do inusitado Mia Couto deve querer nos perguntar com esse conto: não estaria nesse estágio contínuo de sufocamento das lágrimas a resposta para os excessos de irracionalismos cometidos pelos homens?

A resposta pode ser dada com o rumo que tomará cada um dos integrantes desse grupo de lacrimosos. A coisa vai se tomando uma forma que chega o dia em que o choro vai transformando o comportamento asco desses homens. São agora homens responsáveis, atenciosos com suas mulheres e famílias, respeitam os limites da bebida, enfim, são avesso daquele grupo dos risos. Tanta mudança só faz respondermos que não rir o melhor remédio, mas chorar. Chorar liberta os sentimentos. Amaina os ânimos. A lágrima é, no fim das contas, aquilo que nos difere da irracionalidade dos animais. "[...] chorar é um abrir do peito. O pranto é o consumar de duas viagens: da lágrima para a luz e do homem para uma maior humanidade. Afinal, a pessoa não vem à luz logo em pranto? O choro não é nossa primeira voz?"¹


__________
¹ COUTO, Mia. O fio das missangas. São Paulo: Companhia das Letras,, 2009, p.110.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232