Poetas na web




Faltava isso mesmo. Quando criei o caderno-revista 7faces, pensei num formato inicial de dá suporte a uma rede que congregasse o maior número de vozes poéticas. A coisa não foi adiante porque esse era um projeto que demandaria tempo, mão de obra e dinheiro. Três coisas escassas para mim. Mas, eis que do outro lado do Atlântico alguém teve a mesma ideia que eu tive. E se apresenta na web o primeira rede social para poetas. 

Surge com o objetivo de incentivo à leitura, à escrita e a troca de poesias. Dirigida por Guillermo Spottorno, a plataforma é um meio de comunicação cultural especializado em poesia, que conta com informações atualizadas, agenda cultural e concursos.

Entre os destaques, o serviço oferece sessões específicas, divididas em: poetas, editoras, livrarias, fundações, eventos e novas publicações, além de ser um espaço dedicado ainda ao universo multimídia e aos diferentes canais da Web 2.0.

A nova ferramenta pretende conectar toda comunidade de pessoas e instituições vinculadas ao mundo lírico, já que qualquer poeta poderá criar sua página pessoal nesta rede. A ideia é abrir espaço para publicações de poemas, dados, fotos, vídeos e outras notícias.

De caráter cultural, informativo e social, a rede pretende, segundo seus criadores, tornar-se um portal de referência no assunto, tanto na Espanha quanto na América Latina em geral. O projeto inovador conta com o apoio de diferentes entidades, como a Casa da América, a Fundação José Saramago e a Fundação Caja Madrid, além dos poetas Carlos Marzal e Juan Carlos Mestre. 

Para acessar a novidade vá aqui. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse