A necessidade humana de expressão artística – parte II

Nota: Em maio de 2010, publiquei no jornal Correio da tarde um texto que se intitulava "A necessidade humana de expressão artística - parte I"; meses depois voltei com o mesmo tema. Essa é uma das publicações que provavelmente pode ter saído, mas a certeza, só alguns leitores terão, porque não acompanhei se de fato o texto foi para as páginas do jornal ou não. Como aqui reúno - à medida que posso - as publicações que saem nos jornais, deixo, depois já de tanto tempo, aquilo que se constitui na segunda parte para "A necessidade humana de expressão artística". (Pedro Fernandes)

A Cidade Desperta - Umberto Boccioni


Ainda naquele tour de force da arte enquanto elemento instintivo, consiste voltar a ele para mais algumas considerações. Entre os instintos de conservação e de reprodução, a arte dá a ideia (pela presença constante em todos os ambientes sociais humanos) de um instinto “intermediário” entre eles dois, ou, por que não, um primo legítimo deles. E há nesse rol ainda outro caráter, para além da presença constante nos meios humanos, que vem reforçar esse critério de instintividade à arte. A sua beleza. Todo elemento fruto do instinto, diferente da razão, é belo por natureza. É, aliás, o que de mais belo há na natureza, se entendo, que foi e é sob o critério da razão que o homem já cometeu e comete as maiores atrocidades que esta mesma razão julga; o instinto é uma força que se mantém mais forte do que as rédeas de controle que inventamos para superá-lo; é o único elemento que nos aproxima do sublime, que nos preenche, ainda que em breves instantes – porque, é da natureza humana, a incompletude. 


Não será difícil de aceitar essa proximidade da arte com o instinto, ainda quando procurarmos analisar com simplicidade a verdadeira natureza da emoção estética, sua inquietação produzida no sujeito diante da obra de arte, seu estágio orgástico. Quando contemplamos uma obra de arte que nos agrada por qualquer motivo, o que realmente experimentamos, sob denominação de emoção estética ou sentimento do belo, parece ser uma sensação de bem-estar, de euforia, um entusiasmo, uma inquietude; noutras palavras, um acréscimo de nossa vitalidade. Não importa se for depressivo, macento ou ilegível o conteúdo da obra de arte; seja ao lermos o Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa ou contemplarmos o Naufrágio da Medusa, de Teodoro Géricault, ou ouvir Bach naqueles desníveis das cordas do violoncelo. Essa sensação está próximo, claro está, daquele instinto de conservação, visto que re-engendra em nós o viço da existência, a satisfação da alma; pelo êxtase, nos acresce de um sentimento de vitalidade e ser-no-mundo. Além de que, tudo isso também contém, na sua essência de prazer, um sentido altruísta de renúncia ou sacrifício, divisão e ao mesmo tempo que viço, perda do plano vital. Sensações que nos são apresentadas diretamente quando estamos diante de alguma obra de arte.     

Porém, alguém pode ainda torcer o nariz para tal assertiva do instinto, porque o instinto ainda é aquilo que tanto nos causa repulsa; aquilo que desejamos encoberto porque quebra a ordem, a estabilidade, o plano da razão erguido a tanto custo. Ao instinto ainda é associado o lugar cativo do vulgar, do pejorativo, geralmente usado para indicar impulsos e paixões grosseiras. Não é assim, portanto, que delego seu lugar. E por isso mesmo que associo ao caráter artístico. O instinto, a meu ver, se atrela a significação de uma forma de inteligência, dotada de alta sabedoria, imanente e necessária à matéria viva; ao instinto se associa o prazer e o prazer é que move o traço de humanidade que ainda teimamos em ter. E justo por sua natureza instintiva ou biológica e não apenas intelectual e social é que essa necessidade de expressão artística é tão elementar, precoce, permanente e universal no ser humano. Sendo tão elementar, deve ser na essência, igual em todas as pessoas. Deve ser a mesma num sambista a bater no couro de gato de um tamborim, como num Beethoven compondo a Nona Sinfonia. 

Se assim as pessoas ainda torcem o nariz é porque estas fazem uma confusão comum. A da essência com a forma. Toda a questão está em não confundir a essência, biológica e absoluta da Arte, vinda do universo misterioso dos instintos, com as formas técnicas e expressivas, que são particulares, relativas e transitórias. Quando se diz que a necessidade de expressão artística de um sambista a bater no couro de gato de um tamborim é como a de um Beethoven compondo a Nona Sinfonia, fala-se de essência, que é absoluta e permanente, não das formas técnicas e expressivas, ou dos estilos, que são relativos e transitórios. Fala-se de um caráter inerente a todas as criaturas humanas.
No mais, outra ideia que vem reforçar essa relação da arte com o instinto, tem a ver com o caráter de sanidade mental que ela nos provoca. Parece que ela recupera em nós, ou pelo reelabora em nós espaços de lucidez a fim de que possamos rever, pelo lado contrário, todas as cadências perigosas que nos cerceia a carne humana; cumpre, pois, uma “missão”, que é a de nos salvar da loucura e privar do mal dos discursos reducionistas.


Penso ainda que esse caráter de dessubstanciação da loucura tem a ver com o caráter de desautomatização da vida, em apreendê-la como algo impreciso e, sobretudo, não-transparente, “preocupação” que fia toda obra de arte, é também o fio que alia arte-instinto e norteia, sem dúvida, que a arte se abre, atenta, em obter, por através do seu corpo, todas as vias possíveis da própria existência humana.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse