Joyce para crianças

Uma das versões para a capa de The cats of Copenhagen, o inédito de James Joyce editado na Irlanda pela ITHYS PRESS


Se James Joyce é complexo para os adultos (convenção questionável), resta lê-lo na "versão infantil" para saber se essa característica se revigora ou muda. Vou confessar que sou admirador do escritor por causa desse mito da leitura complexa - devo ter algum tipo de masoquismo por leituras do tipo - mas desconheço sua obra, tanto a "adulta" quanto a "infantil".

A ITHYS PRESS, uma pequena editora da Irlanda anunciou, recentemente, a primeira aparição de uma versão impressa de um conto do autor de Ulisses. The cats of Copenhagen (Os gatos de Copenhague - tradução literal) é o nome da obra em questão. A edição que agora sai publicada é uma tiragem rara e especial de somente 200 exemplares.

A modo de O gato e o diabo (já editado no Brasil pela Cosac Naify), outro exemplo e parece que único apenas conhecido do Joyce "infantil", essa nova obra, diz a editora, soma-se no teor de surpreendente subtexto do anterior. As duas obras foram escritas a poucas semanas entre uma e outra, e estão no original em forma de cartas que foram enviadas por Joyce ao seu neto, Stephen. 

The cats of Copenhagen publicado ela ITHYS foi transcrito dos manuscritos originais datado de 5 de setembro de 1936. A carta é um dos muitos itens que foram doados para a Fundação James Joyce, em Zurique, pelo filho da segunda mulher de Giorgio Joyce. 

Quase perdida e esquecida, a carta ora publicada é um achado para a bibliografia do autor de Ulisses. Os editores se inspiraram no espírito excêntrico do escritor para a composição do design da obra que foi impressa com tipografias do início do século XX e com capas em diferentes formatos, além das ilustrações compostas em caneta e encomendados pela Typographique. Edição, logo, digna de colecionador.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

A ignorância, de Milan Kundera

Há muitos Faulkner

Boletim Letras 360º #239

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017