Ainda há centenários em 2012

O escritor Lúcio Cardoso e a atriz Maria Fernanda. Registro de provavelmente 1949, quando o escritor fazia filmagens em Niterói, Rio de Janeiro, para um filme que ficou incompleto, mas foi recuperado agora pelo cineasta Luiz Carlos Lacerda. Foto: Ruy Santos.

Passado os 100 anos de Jorge Amado feitos no último dia 10 e muito bem servido de comemorações, diga-se, e ainda haverá muitas outras ainda. Veja uma prévia por aqui. Ainda há e neste mês de agosto, dois outros escritores que estão também fechando um século. Lúcio Cardoso e Nelson Rodrigues. O primeiro está perfazendo a data hoje. Num ano de tantas celebrações em torno de nomes muito bem conhecidos, o de Lúcio ainda é pouco lembrado pelos brasileiros. Mas uma campanha encabeçada na cidade em que escritor nasceu, Curvelo, Minas Gerais, quer torná-lo figura que seja lembrada por lá e pelo Brasil, já que as atividades em torno do nome de Lúcio não se restringirão apenas à cidade mineira. E é merecido.

Exemplo disso é a apresentação de Crônica da casa assassinada, um dos principais títulos do autor, sob forma de peça para o teatro, em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde Lúcio Cardoso passou boa parte de sua vida. Já o livro receberá novo tratamento gráfico e será reeditado pela Civilização Brasileira. Algumas das traduções que Lúcio fez de clássicos da literatura mundial, como Anna Kariênina, de Tólstoi, serão também reimpressas. Sem falar nos inéditos; depois de Lúcio Cardoso: poesia completa editado pela Editora da Universidade de São Paulo (EDUSP) em dezembro do ano passado, Ésio Ribeiro, prepara uma compilação dos diários do escritor. O livro reunirá Diário primeiro publicado pelo próprio Lúcio, uma continuação da publicação feita por Otávio de Faria e publicações que estavam no espólio do escritor na Casa de Rui Barbosa.

Nesse mesmo itinerário, os trabalhos escritos do gênero contos estão sendo compilados em dois volumes por Valéria Lamego. São contos que nunca haviam sido reunidos e que foram publicados avulsamente em jornais do Rio de Janeiro e de São Paulo entre os anos de 1930 e 1950. A mesma Valéria, que também é escritora, está produzindo uma novela sobre a vida de Lúcio. O livro deverá sair até 2013.

Além de romance, poesia, teatro, conto, crônicas, Lúcio escreveu roteiros de cinema. Luiz Carlos Lacerda, quem descobriu, depois de 60 anos desaparecido, 13 minutos de um copião para A mulher vista de longe, além do diário de filmagens e partes do roteiro. O filme é um documentário sobre o escritor mineiro começou a dirigir em 1949, mas ficou inacabado. O filme terá estreia no Festival de Cinema de Ouro Preto.



Nelson Rodrigues

Já no próximo dia 23 de agosto é a vez de Nelson Rodrigues fechar seu primeiro centenário. Desde julho o Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro apresenta o espetáculo Rodriguianas: tragédias para rir, montado a partir das crônicas do autor pernambucano publicadas na coluna “A vida como ela é”, no diário Última hora.

A partir do dia de aniversário do escritor em Recife será aberta uma exposição com a trajetória de Nelson em materiais impressos e videográficos. A mostra tem curadoria da sua filha e da sua neta.

Em Olinda, a 8ª Festa Literária Internacional de Pernambuco (aqui para ver a programação e outras novidades) tem como homenageado o escritor. O evento acontecerá entre os dias 15 e 18 de novembro e reunirá especialistas na sua obra, como Ruy Castro, autor da biografia O anjo pornográfico – a vida de Nelson Rodrigues. Também Sonia Rodrigues, filha de Nelson, lança o inédito Nelson Rodrigues por ele mesmo pela Nova Fronteira. O livro traz depoimentos dos mais variados dados pelo escritor na imprensa.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

A ignorância, de Milan Kundera

Há muitos Faulkner

Boletim Letras 360º #239

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017