Repulsa ao sexo, de Roman Polanski

Catherine Deneuve em cena de Repulsa ao sexo. Ela é uma manicura que sofre de esquizofrenia.

Thriller psicológico acompanha caminho de garota sexualmente reprimida até a loucura e esquizofrenia

"Obsessão" é a palavra que melhor define o cinema de Roman Polanski. Com uma vida marcada por tragédias, como a morte da mãe em um campo de concentração nazista, o assassinato de sua ex-esposa Sharon Tate pela gangue de Charles Manson e a acusação de pedofilia que fez com que fosse proibido de  pisar nos Estados Unidos, o diretor transformou seus personagens em usinas de excentricidades, desejos indistintos e fetiches impublicáveis.

Depois de um início de carreira promissor na Polônia, Polanski começou uma trajetória internacional com Repulsa ao sexo, rodado na Inglaterra. O resultado foi comparado a Psicose (1960), de Alfred Hitchcock, por suas investigações sobre o lado obscuro do consciente (neste caso, a esquizofrenia), por meio da figura de uma jovem mulher trancada em um apartamento. Carol (Catherine Deneuve) é uma manicure belga, tímida, retraída e sexualmente reprimida, que resiste às investidas de Colin (John Fraser). No seu horror a homens, sofre ao ouvir sua irmã Helen (Yvonne Furneaux) fazendo sexo com o namorado (Ian Hendry).

Até que o casal parte em viagem de fim de semana à Itália e a deixa sozinha no apartamento. A moça lacra o local, isola-se completamente do mundo e começa a ter alucinações para onde quer que olhe - homens passando rapidamente pelo espelho, mãos que surgem da parede para acariciá-la, brutamontes tentando estuprá-la, telefones tocando - a ponto de ela perder a noção entre realidade e pesadelo. Polanski criou, na fotografia de tons expressionistas, uma atmosfera assustadora para reforçar o terror. Deneuve, com pouco mais de 20 anos na época, interpretou tão bem o papel que demorou para perder a fama de frígida.

Poucos anos depois de Repulsa ao sexo, Polanski foi para a América, onde começou uma série de trabalhos em gêneros distintos - comédia em A dança dos vampiros (1967), terror em O bebê de Rosemary (1968), policial em Chinatown (1974) e, na França realizou O inquilino (1976), outro filme assustador também passado em um apartamento. Com o drama sobre o holocausto O pianista (2002), foi premiado com a Palma de Ouro em Cannes e com o Oscar de Melhor Direção.

* Revista Bravo!, 2007, p.87.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)