Os 10 mandamentos de Zadie Smith para escritores






Ai, os duelos com a palavra! Até os que escrevem mesquinharias para um blog como este têm os seus. E se for diário, diariamente duela.

O fato é que os que estão de fora terão sempre a falsa sensação de que os que vivem da palavra têm um conjunto bem detalhado e único de macetes que, seguidos ao pé da letra lhe darão o caminho do ouro. Mas, não é bem assim. É verdade que cada um tem seus próprios rituais, que cada um tem seus macetes, mas nem tudo deve ser levado tão a sério.

Algumas dicas, quando referidas ao processo de escrita, hão de ser úteis, de fato, nem seja para que criemos os nossos próprios macetes também. Por que não? Em meados de 2010, o New York Times foi procurar entre os autores mais conhecidos de hoje 10 regras básicas de escrita e entre as consultas estão as respostas de Zadie Smith.

1. Quando ainda criança, leia muitos livros. Passe mais tempo fazendo isso que qualquer outra coisa.

2. Quando adulto, tente ler seu próprio trabalho como um estranho iria lê-lo, ou melhor, como um inimigo leria.

3. Não romantize sua vocação. Você pode escrever ou não boas frases. Não há estilo de vida do escritor. Tudo o que importa é o que você deixa na página.

4. Evite seus pontos fracos. Mas faça isso sem dizer a si mesmo que coisas que não vale a pena você fazer. Não mascare a dúvida com desprezo.

5. Deixe um espaço razoável de tempo entre escrever algo e corrigi-lo.

6. Evite panelinhas, gangues, grupinhos. A presença de uma multidão não vai fazer a sua escrita nada melhor do que ela deve ser.

7. Trabalhe num computador que esteja desconectado da internet.

8. Proteja o tempo e o espaço onde e em que você escreve. Mantenha todo mundo longe dele, mesmo as pessoas que são as mais importantes para você.

9. Não confunda honras com realização.

10. Diga a verdade através de qualquer véu, mas trate de contá-la. Demita-se da tristeza ao longo da vida, mas o que vem, vem de nunca está satisfeito.


* Tradução livre para texto publicado no The New York Times.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Quando Borges era Giorgie