Sousândrade

Por Pedro Fernandes



Há alguns anos que participei de um evento no qual assisti uma comunicação de Ana Santana de Souza sobre O Guesa, de Sousândrade. Depois, sua tese de doutorado foi publicada em livro, ainda disponível à venda, creio eu: A nação guesa de Sousândrade – uma narrativa de viagem

Recupero o episódio para dizer que foi a primeira vez que ouvi falar na existência do escritor. Rondei pela web à cata de mais detalhes sobre a obra e o poeta e as recolhas de notas que fiz perderam-se. Mas, não será para falar do primeiro encontro com Sousândrade que escreverei este post. A ocasião se deve que, depois dos fragmentos publicados entre 1867 e 1884 da edição de sua obra, agora chega às livrarias organizada por Luiza Lobo, outra especialista na obra do escritor, uma edição revista e atualizada. 

Evidente que não será a obra definitiva, porque as lacunas e os enigmas característicos de um escritor que não se preocupou em fazer uma obra de fácil acesso, em todos os sentidos do termo, ainda persistem, como uma espécie da “maldição”, como chama Luiza para o trabalho de Sousândrade. E olha que ela tem mais que autoridade para entender essa maldição, porque já está perto dos 40 anos que se dedica a mapear poemas dessa obra quase sem fim. A própria Luiza já escreveu dois livros sobre a obra do escritor, Tradição e ruptura: O Guesa de Sousândrade e Épica e modernidade em Sousândrade.

Sousândrade é o nome pelo qual ficou conhecido Joaquim de Sousa Andrade. Que nasceu em julho de 1832, e teve um dia a certeza de que O Guesa só seria lido cinquenta anos após a sua morte. Morreu em São Luis, em 1902. E já depois de cem anos, ainda é um escritor por conhecer-se. Se a previsão falhou não deixou de traduzir a dificuldade no acesso da sua obra.

Formado em Letras pela Sorbonne, em Paris, as letras parecem não ter-lhe sido o suficiente. Depois do curso, foi estudar Engenharia de minas. Quando findou os estudos foi para os Estados Unidos, antes de viajar por vários países da Europa e da América Latina. Nesse intervalo das viagens publicou Harpas Selvagens, título que substituiu o primeiro que era Harpas eólias. A primeira parte de O Guesa será publicado quando já está morando nos Estados Unidos. Neste país chegou ajudou a fundar o periódico O Novo Mundo, em Nova Iorque, onde ocupou os cargos de secretário e colaborador publicando aí alguns de seus textos.

No retorno ao Brasil, já depois de proclamada a república, ocupou o cargo na Intendência Municipal de São Luis,  realizando na cidade uma ampla reforma no ensino, com a criação de escolas mistas. Ao separar-se da mulher e desistir de candidatar-se ao senado, foi ser professor de grego.

Terminou sua vida entregue à miséria e sua obra só foi recuperada graças ao trabalho dos irmãos Campos, na década de 1960, quando foi revelado como um dos escritores mais originais e instigantes do Romantismo e um dos precursores da vanguarda no Brasil. 

Abaixo, disponibilizamos um fac-símile do Canto 1 de O Guesa, edição de 1874, publicada em Nova Iorque. A edição completa pode ser acessada no site da Brasiliana USP, por aqui.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Os melhores diários de escritores

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239