Explicação dos pássaros, de António Lobo Antunes




Foi mais um da longa travessia que ainda tenho pela obra de António Lobo Antunes. Está à minha frente Fado alexandrino, que é o romance que sucede este Explicação dos pássaros. Tenho a impressão de leitor iniciante que terá sido este, não os da ‘trilogia memorialística’ que marca o início da carreira literária do escritor, o livro de fato em que Lobo Antunes se inicia, embora sabendo que, para os bons escritores, toda nova obra será sempre um princípio. Mas, neste caso em particular, é o começo de tudo porque o autor de Explicação dos pássaros se desvincula do tema da guerra colonial, marca dos três primeiros romances, para temas mais caros à subjetividade: como a ideia de finitude que perpassa todo o andamento da narrativa.

Dividido num fim de semana, de quinta-feira para domingo, neste livro também notamos o narrador antuniano cada vez mais seguro da ideia de esfarelamento e entrelaçamento temporais exercitadas ao longo de sua trilogia. Temos a sensação de que, cada vez mais, o escritor se aperfeiçoa na técnica e vai produzindo uma narrativa também cada vez mais complexa, exigindo do leitor certo esforço mental – por vezes maçante, mas prazeroso – para alcançar o todo do enredo. É entre quinta-feira e domingo, o tempo marcado textualmente que Rui S., professor universitário, se desloca. É de uma viagem entre o hospital, onde visitou a mãe em estado terminal, e a um lugar qualquer, onde pretende pedir a separação à segunda mulher, espaço marcado também textualmente e em que se formam as ações. Mas nem este entre-tempo e nem entre-espaço é preservado em sua linearidade; isso porque a simples ação de dirigir que parece ser o que povoa boa parte do romance é intercalada pelos acontecimentos do passado, como a morte do pai, a separação da primeira mulher com quem teve dois filhos, o presente, como a atual situação do casamento e o futuro, pela oscilação de uma vida que como tudo está no fim, apresenta os mesmos sinais de desgaste e desencantamento.

Explicação dos pássaros é um exercício dramático; quer se desvincular do drama comum, porque diz respeito à existência. Rui S. é o típico herói falido, aquele que decepcionado dos deuses e da razão, não tem mais nada que lhe apeteça: a vida lhe é um pesado fardo impossível de se livrar e não notamos nenhum esforço de sua parte para fazê-lo. É um sujeito que não se pergunta sobre as coisas, apenas aceita como elas são, e este terá sido seu maior erro ou um dos defeitos imperdoáveis. É que sem esforço, sabemos, não é possível ir a lugar algum e tudo, até mesmo a vida, é capaz de se revoltar contra. E quando dermos pelo que fizemos, já não teremos capacidade alguma de mudar os rumos para onde fomos levados.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro