Uma garrafa no mar de Gaza, de Thierry Binisti

Por Pedro Fernandes



Se houve uma questão que perpassou boa parte dos filmes franceses exibidos este ano no Festival Varilux de Cinema Francês foi a dos trânsitos identitários e posso, de memória citar, aleatoriamente, o título de alguns desses filmes: Aliyah, Americano, O barco da esperança, Intocáveis, E agora, aonde vamos?, e este Uma garrafa no mar de Gaza.

Pode ser que não seja, neste, como em alguns dos outros citados, uma questão central, mas o tema está lá. Aqui, Thierry Binisti, elege a história de um amor impossível tal qual o dos clássicos que nós já conhecemos, mas, a família rival, é substituída pela pátria e, diferentemente do amor à primeira vista, é um amor que se constrói meio pela passagem do tempo a partir de um acaso; isso porque é a partir de uma garrafa lançada ao mar em Israel e encontrada por um grupo de adolescentes na Palestina, desse simples fato, que se instaura o enredo amoroso.



Percebo que não foi interesse do cineasta tratar meramente da descoberta do amor, mas pela sutileza e talvez pela secular ideia de que o amor vence todos os cercos reais e imaginados, propor uma reolhar para ódio também secular que separa dois países. Mas, também não é interesse discutir politicamente esse ódio e atribuir ao telespectador a capacidade de opinar qual dos dois lados está com a razão. Isto é, parece não haver uma preocupação em reatualizar o mito do amor impossível e nem ser um panfleto sobre a questão Israel-Palestina e o filme conseguirá atingir muito bem o seu pretexto. Antes tudo, até mesmo de uma história de amor, Uma garrafa no mar de gaza quer singularizar a ideia de superação como elemento primordial para revisão das formas identitárias.




A atitude de um dos adolescentes em responder o bilhete disposto na garrafa o colocará diante de Tal, uma francesa que mora com a família em Jerusalém. A troca de correspondências eletrônicas entre os dois num território movediço entre a vida e a morte, já que tanto os moradores de lá, quanto os de cá estão à mercê das bombas, num conflito que é mais impiedoso que o da guerra propriamente dita, porque o limite entre viver e morrer é determinado, mas que naturalmente, artificialmente ao sabor do acaso.

O contato de Naim com Tal, levará o rapaz, filho único e órfão de pai que fora um homem bomba, ao contato com uma nova cultura e a um destino diferente do já elaborado pela família que é, a exemplo do  primo Hakim, casar e continuar levando os negócios da família. Naim trabalha para o tio e com este primo numa confecção com o serviço de transporte e entrega de encomendas. Conhecendo Tal, tem a iniciativa de estudar francês e, dedicado ao idioma, consegue uma bolsa de estudos em Paris. O itinerário dessa conquista é responsável por toda carga emotiva do filme, daí porque entendo ser este um filme sobre a superação. Singular no conjunto de cenas é o cruzamento solitário de Naim da fronteira entre Palestina e Israel, como se denotasse ali, a possibilidade de uma via outra, ou mesmo um ato de resistência que não o de desperdício da vida em nome de pátria.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro