A vela de cera - inédito de Hans Christian Andersen

O manuscrito descoberto depois de dois meses de estudo é mesmo de Hans Christian Andersen. O texto agora é o primeiro escrito do autor. Deve ter sido produzido quando ele tinha ainda 18 anos.



No passado dia 16 de dezembro de 12 divulgamos na fan page do Letras no Facebook da possível descoberta de um inédito de Hans Christian Andersen. Então, ontem, 23/12, em matéria no caderno Ilustrada do jornal Folha de São Paulo, a confirmação: é sim um inédito do autor.

A descoberta foi feita pelo historiador dinamarquês Esben Brage, um dos mais importantes especialistas na obra de Andersen, quando fazia uma pesquisa no arquivo público de Funen, em Odense, Dinamarca, terra natal do escritor. Depois de 15kg de papéis dos arquivos da família Plum, no fundo de uma caixa, um documento amarelado; dois meses de estudos depois, os especialistas deram a confirmação.

O texto passa a ser agora o primeiro conto do autor de tantas histórias famosas que fizeram a infância de muita gente, como O patinho feio, O soldadinho de chumbo ou A pequena vendedora de fósforos, dentre as 213 que ele deixou. Apesar de o manuscrito não ser escrito pelas mãos de Andersen, o texto tem traços, tanto estilísticos como temáticos que se tornariam característicos da sua obra, asseguram os especialistas.

É que a letra do manuscrito é uma cópia de uma parente da viúva Bunkeflod, figura fundamental na formação de Andersen, a quem ele dedica o texto encontrado. Para Askgaard, curador do museu em homenagem ao escritor em Odense, a descoberta é importante não pela qualidade literária, mas pelo caráter biográfico; denominado por ele de “exercício literário” e “escrito íntimo”, o documento esclarece a importância que a viúva teve na formação de Andersen desde sua infância.

Bunkeflod foi vizinha da família de Andersen e por ter melhores condições ela muito o ajudou introduzindo-lhe na literatura. Quando se conheceram, ela havia perdido o filho que morreu afogado no rio de Odense e Andersen havia perdido o pai, vítima de uma doença pulmonar; na época ele tinha 11 anos. Na casa da viúva funcionava uma espécie de sociedade literária, em que senhoras se reuniam para ler e discutir literatura. Foi então quando ele teve contato com autores como Shakespeare, Milton e Schiller.

Os estudiosos atribuem o ano de 1823 como o de escrita do texto agora descoberto. Andersen já tinha 18 anos e vivia em Copenhague. O texto pode ter sido entregue numa sua visita a Odense como recordação para a viúva.

O manuscrito recebeu uma tradução para o português, direta do original e pode ser lida a seguir.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói