Os desenhos de Ana Miranda


Quem estiver de posse de alguma edição dos romances de Ana Miranda já editados pela Companhia das Letras, irá notar desde a capa, certa excentricidade nos desenhos aí apresentados. E não tardará muito para saber a sua autoria: a própria escritora.


Folha de rosto do romance Desmundo
com ilustração de Ana Miranda. A capa e as 10 partes que compõem
o romance são ilustrados com desenhos da escritora.


O traço se beneficia de certa caracterização medieval ou do surrealismo da xilogravura do nordeste; nunca estamos diante de uma figura simples, mas híbrida que mantém um extenso diálogo com a narrativa; em Desmundo, por exemplo, cada uma das 10 partes do romance é indicada por um desenho específico, que, logo vamos percebendo parece cumprir com o trabalho de sugerir ao imaginário do leitor, primeiro, uma expectativa pelo andamento do enredo, segundo, um elo entre as partes, e por fim, constituir uma relação mais própria entre o visual e o verbal.

E o que a princípio terá parecido uma simples constatação, essa intrínseca relação entre o desenho e a narrativa já serviu ponto de pesquisa para uma dissertação de mestrado. Em Literatura e imagem: diálogos entre a narrativa e as ilustrações em Desmundo, de Ana Miranda, Gerson Esteves Guedes corrobora com as observações iniciais que aqui fizemos: “As composições gráficas (...) estão carregadas de informações e em constante diálogo com o texto. Os desenhos priorizam não uma contextualização visual, mas uma representação gráfica dos sentimentos e estados emocionais da protagonista do romance, seus sonhos, dúvidas, desilusões, revoltas e alucinações estão ali representados em cada ponto, em cada traço, o que, provavelmente só a própria escritora pudesse representar com tamanha fidelidade à narrativa.”

Abaixo, um recorte com alguns de outros desenhos da escritora disponibilizados na sua página pessoal que pode ser acessada aqui; no Tumblr do Letras, disponibilizamos todas as 10 ilustrações que compõem as 10 partes do romance Desmundo. Para ver, basta ir aqui.





  



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói