As aventuras de Pi, de Ang Lee

Por Pedro Fernandes



1. Com esta produção Ang Lee provou que é mesmo possível um diretor está sempre se reinventando e cumprindo grandes apostas. Sim, porque qualquer um que olhar para a cinematografia sua que teve maior repercussão entre os da crítica comprovará, mesmo sem ter nenhuma aptidão para observar detalhes técnicos e outras parafernálias de cinema, o que estou dizendo. Antes deste bem conceituado Life of Pi – aqui traduzido como As aventuras de Pi – houve, só para refrescar a memória dos leitores, O tigre e o dragão, filme cuja fotografia é, sem dúvidas, um caso à parte, e O segredo de Brokeback Mountain, produção que lhe rendeu o Oscar de Melhor Diretor.

2. Em As aventuras de Pi repete-se o espetáculo imagético e nele está uma das razões que fazem este filme arrancar boas doses de lágrimas dos olhos dos telespectadores. Não é nenhum drama no sentido derramado da palavra (ao mesmo tempo em que por trás do desenvolvimento da trama ele, o drama, está lá, mas não é coisa que atravesse todo o filme); é, sim, uma história de superação. E talvez esteja aí a nascente das lágrimas e não será um choro barato. Ao que eu saiba, todo mundo, em algum momento da sua vida, já terá passado por instantes arrebatadores como o vivenciado pela personagem a fim de superar alguma coisa. Pi, antes de tudo, é um curioso sobre o mundo. Criado num país que se equilibra entre o sectarismo do Ocidente com sua razão marcada pelos encantos soprados com o vento da modernidade e a pluralidade cultural marcada pelos cortejos ritualizantes de uma fé sem limites num número extenso de divindades, o menino desde cedo tem de provar sua capacidade de existir nesse universo sem perder-se do interesse, por exemplo, de se livrar da perseguição entre os colegas de escola que lhe caçoam pelo nome – Pi é a abreviatura de Piscine, nome com o qual foi batizado em homenagem ao complexo de piscinas localizado em Paris, Piscine Molitor. Quando adolescente, já depois de experimentar várias possibilidades de entender o fenômeno da divindade e encontrar-se com que quem talvez fosse sua futura mulher, a família, dona de um zoológico, decide vir para o Canadá. Embarcados num cargueiro que está mais para arca de Noé, uma vez que todos os animais do zoológico também vão junto com a mudança, ocorre um acidente com o navio e, daqui até o desfecho do filme, será a luta pela sobrevivência do adolescente e um tigre, Richard Parker, isso depois de ter seu fim uma zebra, um orangotango e uma hiena.

3. Apesar de lido como um filme sobre a busca, não consigo ver busca alguma. Apenas um embate de naturezas pela sobrevivência; entre o homem dono da razão e o animal, o lado selvagem. O conflito entre os dois lugares vai pelo caminho de que não há sequer uma linha tênue entre esses dois lugares: por vezes, a razão ultrapassa seus limites ao ponto da selvageria – um bom exemplo é quando Pi, num sinal de protesto ao tigre, decide marcar seu território tal qual os felinos, urinando – e outras vezes a selvageria pode parecer a razão, como quando o tigre encanta-se com o brilho das águas-vivas no escuro da noite no mar. Nesse embate entre duas forças, sobrevivem o homem e o animal e este graças ao primeiro, justamente pela capacidade de usar da razão para entendimento do lado do animal.



4. Ainda neste embate entre o senso da razão e o selvagem, outro embate: o da fantasia e o da realidade. No fim de tudo, tendo de contar sua história de sobrevivência aos investigadores japoneses, Pi faz o relato tal como vemos no decorrer do filme; insatisfeitos, pedem que ele reveja a história, que dê explicações mais sensatas sobre o ocorrido, ao que adolescente rediz tudo de outra maneira, substituindo os animais pelas pessoas possíveis da viagem. A interferência do escritor que ouve todo o relato de Pi adulto, que esta é a base narrativa do filme, sobre o acontecido, numa tentativa de explicar, aclarar a história recém inventada é o maior desperdício da narrativa e, do meu ponto de vista, estraga o movimento sugerido de suspensão da verdade inaugurado desde a salvação atordoada do garoto quando do acidente do navio. Era preferível que não houvesse esse diálogo; que ficasse para o telespectador a busca por uma resposta se, afinal, as coisas procederam da maneira primeira narrada por Pi ou da maneira segunda.

5. Por fim, não se deve esquecer que o filme tem por base a obra do canadense Yann Martel. O livro homônimo que já tem tradução no Brasil é o centro de uma polêmica inaugurada ainda em 2002, quando o escritor recebeu o Booker Prize, um dos mais importantes prêmios para literaturas de língua inglesa. Na ocasião o jornal The Guardian publicou uma matéria classificando Life of Pi como plágio: o livro teria sido escrito a partir de Max e os felinos, obra do escritor brasileiro Moacyr Scliar. Yann Martel, à primeira vista, negou as acusações e depois disse ter lido uma resenha publicada em seu país sobre o texto de Scliar; o texto de Scliar foi, sim, traduzido para o inglês, mas segundo o próprio escritor, a resenha apresentada por Yann Martel nunca existiu. Fato é que, Moacyr Scliar diplomaticamente não quis levar adiante na época um processo contra o canadense e já não vive para falar (depois de tantas vezes) sobre, mas a parte lúcida da imprensa literária não esqueceu o caso e agora com este filme a história volta à tona. A verdade é que inspiração ou não, o livro de Yann não existiria sem o livro de Scliar e se o livro de Yann não existisse também o filme de Ang Lee não existiria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236