Carnaval e literatura, dá samba?

A escola do Rio de Janeiro, União da Ilha do Governador, em 2013, fez seu enredo a partir da vida e obra do poeta Vinicius de Moraes assinalando a passagem de seu primeiro centenário.


As escolas de samba têm sempre preferido quando a data permite homenagear nomes da literatura na avenida. Ano passado, era ano de centenário de Jorge Amado, por exemplo, e aí, a Imperatriz Leopoldinenseprestou homenagem ao escritor e sua obra. Também já foram à avenida nomes como Monteiro Lobato, Machado de Assis, Jorge Amado e Carlos Drummond de Andrade e obras como Invenção de Orfeu, de Jorge de Lima, Os Sertões, de Euclides da Cunha, entre outras.

Em 2013, o carnaval já está próximo do fim – de hoje até meio-dia de amanhã tudo chegará nas cinzas. Antes do fim, lembrar é útil: pelo menos três escritores tiveram sua biografia e sua obra transformada em enredo e em diferentes estados brasileiros: uma, em Vitória, outra, em São Paulo e mais outra no Rio de Janeiro.

Em Vitória a Escola de Samba Unidos de Jucutuquara, que é de Cachoeiro do Itapemirim, fez o enredo/desfile com base na vida e obra do cronista Rubem Braga que celebra neste 2013 seu primeiro centenário. O escritor é tido com um dos mais importantes nomes da crônica nacional.

Já em São Paulo a homenagem foi da Escola Mancha Verde que homenageou o poeta, compositor e ator Mário Lago, que, muito antes de ser homenagem em escola de samba foi célebre autor de sambas como “Amélia” e “Aurora”, já caído no gosto popular tem seu tempo.

A outra homenagem, a do Rio de Janeiro, veio da União da Ilha do Governador que fez homenagens ao poeta Vinicius de Moraes, que neste 2013 também está passando pelo seu primeiro centenário.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath