Contra a ignorância, ler



Já tantas vezes alguém terá repetido o entendimento de que um povo sem cultura está com os dois pés atolados na barbárie. Em tempos de ócio, como os que vivemos hoje, para pensar tal qual Domenico Masi, é mais perigoso ainda, porque, vou me repetir agora pela via do popular, mente vazia é oficina do diabo – não exumando, claro está, essa criatura vítima da ambição divina, coisa para se discutir noutra ocasião. O que salvará a humanidades nesse estágio de crise, e volto ainda uma vez mais ao Masi, pode ser que seja a criatividade, uma palavrinha que tem dominado e muito todos os cenários sociais. Parece óbvio que também um povo sem cultura é um povo sem criatividade e vice-versa. Os dois termos têm forte relação de interdependência. Sem os dois estamos condenados à ignorância – um elemento da barbárie ou quem sabe a própria barbárie em seu estado mais alto.

Mas, tudo isso que digo aqui é para tratar de alguns mal entendidos que têm tomado forma ao redor do mundo; não faz tanto tempo e eu andei comentando por aqui sobre o caso de apreensão de ‘livros eróticos’ acusados de promoverem uma espécie de ofensa a moral infante. Semanas depois disso vieram dois novos: um, a seita Opus Dei, tão atrasada que ainda anda a fazer listinhas de proibições, divulgou um catatau de obras consideradas impróprias, entre elas, claro, quase que integralmente a obra do escritor português José Saramago, que, tenho para mim, não foi toda porque os fazedores da lista devem ter guardado o restante para uma segunda listagem a ser divulgada quando passar o réveillon de 2013 para 2014. Sim, agora, em São Petersburgo, o Museu Nabokov tem, depois de vinte dias, um segundo ataque promovido por outro grupo-quase-seita Cossacos de São Petersburgo. Acusam Nabokov, já morto há quase trinta e seis anos de incitar a pedofilia e atrair a fúria de Deus, isso só porque teve ele a triste ideia de redigir Lolita, clássico da metade da década de 1950 que conta a paixão do professor Humbert pela enteada de doze anos de idade.

Toda vez que escuto ou leio coisas do tipo a primeira pessoa para quem eu olho é para mim mesmo. Há muitos outros próximos a mim, mas eu prefiro ainda confiar um tanto naquilo que venho sendo. E é possível que seja mesmo anormal, porque a lista desenhada pela Opus Deis, por exemplo, já li de ponta a ponta e também o livro do Nabokov, entre outras coisas proibidas e mais ‘pesadas’ e, até agora, não tenho sido ao menos na minha vida fora dos livros vândalo, assassino, psicopata, pedófilo e outras ‘anormalidades’ sociais. Enquanto isso, os que saem escandalizando a imoralidade de papel são os que mais exercem o papel da imoralidade. Sim, por que quem são os vândalos e os pedófilos senão os que picham e quebram janelas como os Cossacos e a grande seita maior da Opus, a igreja católica? Sem generalizações, entendam.  

Esses tipos são apenas individualistas extremistas, incapazes de uma vida social porque à sua frente não existem outros senão os que a eles se associam pelo mesmo motivo sectarista. Para alcançarem o limite da convivência precisam urgente de professores de literatura que os façam ler de ponta a ponta suas listas de proibições a fim de desenvolverem outras capacidades da faculdade mental. Nada justifica atitudes de violência seja de que tipo for e vejo duas razões para os justiceiros da moral. Apesar de não ser indicado, mas é muito mais fácil ter apenas uma visão sobre as coisas e mundo que conviver com variadas visões; outra, em tempos de mídia, o que alguns querem, repito o que disse em “O cerco à literatura”, é aparecer, ocuparem o espaço da fama seja lá com o que for tal como o falso suicida que sobe a torre de televisão da sua cidade e além de acolher um grupo de admiradores também atrai as câmeras para si.

Ocupar as mãos com livros e o ócio com leitura ainda me parece a decisão mais acertada para a criatividade e para a alargamento das fronteiras culturais; consequentemente é também uma das alternativas mais coerentes de desvio da ignorância e logo da barbárie. Pela literatura, sobretudo, nos experimentamos vândalos, psicopatas, pedófilos e outras ‘anormalidades’ sociais, mas só experimentamos, enquanto outros necessitam ser justamente pela ausência  da capacidade da experimentação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236