Só dez por cento é mentira




Há várias maneiras sérias de não dizer nada
mas só a poesia é verdadeira

Manoel de Barros


Apresentado no Festival de Cinema do Rio de Janeiro Só dez por cento é mentira roteirizado e dirigido por Pedro Cezar é um original mergulho cinematográfico na biografia inventada e nos versos fantásticos do poeta sulmatogrossense Manoel de Barros.

Na sinopse de apresentação do filme – elogiado pela crítica e premiado várias vezes em festivais como II Festival Paulínia de Cinema 2009 e o V Fest Cine Goiânia 2009 – entende-se que seja este um videodocumentário que “ultrapassa as fronteiras convencionais do registro documental. Utiliza uma linguagem visual inventiva, emprega dramaturgia, cria recursos ficcionais e propõe representações gráficas alusivas ao universo extraordinário do poeta”.

O filme se constrói alternando sequências de entrevistas inéditas do escritor, versos de sua obra e depoimentos de “leitores contagiados” por sua literatura compondo, desse modo, um painel revelador da linguagem do poeta, considerado o mais inovador em língua portuguesa.

Pela verve da poética de Manuel de Barros os produtores procuram resignificar as “desimportâncias” biográficas e a personalidade “escalena” do poeta, ao pontuar o filme com momentos de breves testemunhos ao fundo.

Com 97 anos, Manoel de Barros, já publicou mais de 20 livros e atualmente endossa uma lista que vem sendo pensada pela União Brasileira dos Escritores (UBE) como um dos possíveis indicados para indicação ao Prêmio Nobel de Literatura 2013.

O documentário pode ser visto integralmente no canal do Letras in.verso e re.verso no Youtube, aqui.

Comentários

Lou Salomé disse…
É bem verdade que a poesia escreve direito por linhas...curtas! :)

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236