O lado bom da vida, de David O. Russel




Já foi comentário por aqui da grande gafe cometida nesta última edição do Oscar ao dar o prêmio a Jennifer Lawrence pela sua atuação neste filme. Não é que atriz não esteja bem. É que a atuação é simplória se formos ver o trabalho de Emmanuelle Riva, por exemplo, em Amor – comentávamos. Se a atuação é um caso à parte e houve injustiça, é caso de se perguntar se o filme não atende à expectativa do telespectador. Não, não atende. Tem um enredo bem construído, uma narrativa sem arestas, mas não atende a expectativa do telespectador. Talvez os arsenais que nos preparam para ver o filme, o trailer, boa parte das resenhas e aquela badalação feita em torno da produção de David O. Russel sejam os reais responsáveis pelo dissabor enfrentado por quem se senta quase duas horas para vê-lo.

Agora, não é caso de dizer que seja este O lado bom da vida um péssimo filme. Também não. O diretor já cometeu coisas piores, mas não é este nada que decole do chão. Tudo é muito previsível e o drama se perde no riso, pecando na classificação de comédia dramática. É este sim, uma comédia romântica, porque o drama passa longe mesmo sendo ensaiado.

Se apropriando da ideia-tema “de perto todo mundo é anormal” ou “de louco todo mundo tem um pouco”, Russell põe em cena, um “recém-louco” saído do manicômio para findar o tratamento em casa – sabemos logo que o rapaz que passa boa parte do filme correndo envolto no saco de lixo, estratégia para alavancar o suor e perder calorias mais rápido, teve um distúrbio psicológico depois de flagrar sua mulher por quem é igualmente louco de amores numa pesada cena de sexo com o amigo de trabalho; do choque, a tentativa de assassinato do corneador.

Até aí, tudo bem, tem-se a propriedade para um desencadeamento do drama. Até que, por medo de que filme se reduza a um dramalhão barato, coloca-se no meio do caminho, num daqueles encontros provocados de propósito, uma jovem (a Jennifer Lawrence), recém-viúva e igualmente louca,  – pelo quê, adivinhem? – a morte do marido. Daqui em diante não será mais preciso dizer nada que leitor astuto já terá em mãos o desfecho da história. Não topará nas conclusões com os intermédios: um pai metido no vício do futebol e nas apostas, uma mãe que não faz mais que caras e bocas pelo filho, pelo marido e pela situação a que a família vai se metendo, um concurso de dança no qual se metem os dois loucos e... só. Intermédios que não terão outro papel que não o de adiamento do desfecho positivo da trama.

Tem uma construção de diálogos bem arquitetada, ao menos, mesmo numa trama em que quase todos, ou, por que não generalizarmos, todos têm parafusos a mais ou a menos, sobra alguns ao diretor para não se perder e instalar um vai-e-vem no qual o enredo se transforma desde o encontro das duas personagens principais. No mais, é possível reiterar aqui o que outros críticos terão melhor observado: o clima da dança para participação do casal num concurso cuja previsão de vitória é coisa inexistente, poderia dá o fôlego buscado pelo diretor quando resolve por a viúva no caminho do ex-professor; poderia se ensaiar aí o embaraço divertido daquele concurso de dança em Pequena Miss Sunshine. Não é o que acontece. Seríssimos, os amadores entre os profissionais de linha conseguem atingir os pontos exatos da aposta contribuindo para um desfecho armado desde o princípio de tudo: todos felizes para sempre, todos ricos sem muito esforço, todos...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma farmácia literária que pode curar quase tudo

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Sartre: a autenticidade e a violência

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20