A poesia de Herman Melville



Quando estamos diante de um escritor de grande proficuidade é comum recorrermos aos gêneros, entre o mais cultivado, pelos quais ele transitou; é assim que se dão boa parte das grandes descobertas que podem desaguar numa redescoberta do escritor ou a ficarmos apenas com aquilo que de fato o fez estar entre as melhores leituras que já fizemos. Fora do universo dos escritores, no universo comum, muita gente algum dia já se arriscou a desenhar alguns versinhos, nem que seja naquelas situações – delicadas situações – de paixonite aguda (quer dizer ainda supomos que se faça isso). Então, se todos os mortais já se aventuraram por essa seara, esse tipo de aventura tem sido a mais recorrente entre os escritores. Machado de Assis, Rachel de Queiroz, José Saramago, Roberto Bolaño, e a lista se queda para muito longe.

Entre os da lista, está Herman Melville. Autor traduzido no Brasil e conhecido por Moby Dick, eleito já um dos grandes romances universais, e Bartleby, o escrivão. Não muito recente, a Cosac Naify, editora que melhor tem traduzido e editado o romancista por aqui deu a conhecer outro romance, Billy Budd. Mas, além da leva de outros textos inéditos de Melville no país, há uma face que é totalmente desconhecida dos nossos leitores; e, se não é totalmente, é porque ou sabem ler em inglês e têm profundo interesse pela sua obra, ou pela antologia organizada por Mário Avelar em Portugal e editada pela Assírio & Alvin.

A antologia traduz uma seleção de poemas a partir de três de seus livros do gênero: Battle-Pieces and Aspects of the War, de 1866, John Marr and Other Sailors, de 1888, e Timoleon, Etc., de 1981. Mas Melville publicou ainda Clarel – A Poem and a Pilgrimage in the Holy Land, em 1876, justificada pelo próprio Mário como um texto que foge as regras pré-estabelecidas para a edição: o livro de 1876 se caracteriza pelos poemas bastante extensos, seminarrativos, e isso motivou ainda o corte de textos com essa característica que estão nos títulos anteriores citados. Aliás, foi essa lógica também a que guiou Douglas Robillard, que em 2000, editou em inglês The Poems of Herman Melville, sendo este livro, aliás, a base para o trabalho do português. O desafio de Mário foi lidar com uma poesia que, ainda aos olhos da crítica de quando a obra poética de Melville começou a circular, era de difícil acesso, pela linguagem: os jogos prosódicos, as interferências do Middle-English ou do anglo-saxão, a assistemática convocação de vocábulos náuticos, dos jargões científicos, tudo coexistindo ou dialogando com referencias a passatempos ou jogos, as rimas, os jogos intertextuais de difícil compreensão aos que não estão familiarizados com o conjunto de sua narrativa poética, os ecos biográficos de conhecimento apenas dos que tiveram a oportunidade sobre a vida do autor, as elisões, enfim, esse conjunto de características elencadas pelo tradutor de Melville para o português é útil o suficiente para atestar que toda tentativa de torná-lo palatável é já uma grande tentativa.

Quando Melville publicou sua primeira coletânea de poemas já há 20 anos havia publicado Typee, seu romance de estreia. A obra marcou ainda a abertura do insucesso do escritor. Mesmo o primeiro livro tendo sido bem aceito, depois de Battle-Pieces todas as obras seguintes ganharam o desgosto popular e só mesmo os dois primeiros trabalhos que citamos logo na abertura deste texto tiveram a atenção devida, mas isso, depois de sua morte.

A obra poética de Melville está situada na longa tradição da poesia de guerra estadunidense, embora,  todo caráter histórico deva ser, na medida do possível, ‘atualizado’; uma vez ocorra essa possibilidade, como é o caso aqui, o leitor está diante de um trabalho que merece seu devido reconhecimento. Referimo-nos a obra poética, mas a observação é também oportuna para outros gêneros literários, como o romance ou o teatro.  Como terá observado Henrique Fialho sobre, os poemas de Melville, em grande parte ultrapassam as correntes do datado: "A guerra pode ser interpretada sob vários prismas, nomeadamente sob o prisma de quem busca a glória através de um acto que deseja ver-se inscrito na história. Ela é o cenário daquele que se aventura para lá das suas forças, daquele que procura ultrapassar-se a si próprio, mas acaba, paradoxalmente, ultrapassado pela vanidade e pelo esquecimento. Melville pôde constatar por si próprio as injustiças da história." Talvez esteja neste argumento um dos incentivadores para a necessidade de conhecer essa face oculta e ocultada do autor de Moby Dick.

A seguir, um catálogo com alguns poemas de Melville.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236