Aparição, Vergílio Ferreira

Por Pedro Belo Clara



“Sento-me aqui nesta sala vazia e relembro” – eis a forma crua, simples e directa com que o preâmbulo desta magnífica obra se inicia, dando o mote à mesma. Convém referir que, a par de Manhã Submersa (1953), Aparição é das mais notáveis e famosas obras do existencialista Vergílio Ferreira, um autor que debruçou o seu grandioso talento maioritariamente sobre a ficção e o ensaio. A prova dessa justa fama encontra-se nas mais de sessenta edições (!) que a obra regista, desde que em 1994 a Bertrand Editora comprou os direitos da mesma. A título de curiosidade, diga-se que o livro foi lançado aos prelos em 1959.

Falecido no ano de 1996, aos oitenta anos de idade, Vergílio foi dos vultos maiores do existencialismo que em Portugal se conheceu. Por um lado, poder-se-á considerar o autor como um discípulo de Sartre; mas, por outro, torna-se igualmente válido designá-lo de “embaixador português do existencialismo”. Resta apenas dizer que os parâmetros dessa corrente filosófica (e literária) encontram-se impressos, de forma mais clara e profunda, na obra que aqui trago para análise.

Logo no preâmbulo da mesma, como no início deste texto subtilmente sugeri, é possível compreender os motivos que guiarão o desenvolvimento da história apresentada. Afinal, ela não passa de uma grande e abrangente analepse, o que revela, desde já, o carácter circular que a obra nos apresenta. Ou seja: recordações à parte, ela terminará no exacto espaço em que começa – a «sala vazia» onde o narrador (que assume, como veremos, um duplo papel) «relembra». Entre esses períodos, lançar-se-ão os diversos temas propostos a reflexão: a própria vida e a humana condição; o milagre do ser; a inevitabilidade da morte; o mistério do tempo. E é aqui que os pressupostos do existencialismo se embutirão. Senão, vejamos: ao privilegiar a meditação nos temas, o autor opta por renegar a acção; o severo conceito da morte como uma estação de paragem obrigatória deduz a crueza da vida e, como tal, a inexistência de Deus; a aleatoriedade que parece reger os acontecimentos da existência humana supõe a fragilidade do Homem perante um impiedoso destino.

Para além destas “problemáticas do self”, à medida que os capítulos se vão consumindo assiste-se ainda à natural construção do percurso do “eu”, culminando no seu respectivo encontro – a inevitável e tão ansiada “aparição”. Por isso, o facto da obra ser redigida de forma circular conferir-lhe-á uma certa aura de sacralidade. Uma vez que tudo se encerrará no local onde se iniciou, testemunhamos uma espécie de viagem que, por fim, é transcendida, onde nenhum caminho fica por percorrer ou palavra por dizer. Reevocando levemente os valores pagãos que a essa forma geométrica eram normalmente associados, como a Perfeição e o Sagrado, o autor tentará imprimir uma sensação de paz e de aceitação finais.

No entanto, para podermos encarar a obra de uma forma mais translúcida e, por isso, perceptível, é importante que nos debrucemos sobre a sua peculiar e extremamente bem concebida estrutura. Desde logo, as personagens essenciais ao conto surgem divididas em dois grupos deveras distintos: os “eleitos” e os “não eleitos”. Embora no romance tal epíteto não lhes seja dado, o mesmo é facilmente entendido. Os primeiros são, obviamente, aqueles que reflectem. Não apenas por disporem de tal capacidade, claro, mas por se decidirem a exercê-la. Em oposição, o segundo grupo compreende aqueles que o não fazem, aceitando a realidade da vida tal como ela é (recordo aqui, a título de exemplo, a disciplinada ataraxia de Ricardo Reis). Neste momento, é prontamente anunciada a crucial importância que o autor atribui ao pensamento e aos reveladores efeitos do mesmo (as virtudes do filosofar, se o caro leitor assim preferir). Tanto que categoriza, indirectamente, esse grupo de personagens “iluminados”. São eles: Alberto, Sofia, Ana, Carolino, Tomás, Álvaro e Cristina. Na outra margem da concepção, demoram-se Alfredo, Chico e Evaristo. Por esta simples anunciação há um outro aspecto que desde logo sobressai: o universo feminino é claramente privilegiado. Bastará ver que todas as personagem femininas de relevo se encontram na primeira categoria. Isto porque Vergílio Ferreira o liga, neste trabalho, à valência depuradora que as mulheres possuem de se saberem conduzir até à verdade de todas as coisas, até à sua íntima essência. Simbolicamente, surge ligado à noite, o que, como consequência inevitável, o liga à morte. Ao invés, o universo masculino, tolo e torpe, apresenta-se sob evidências falsas e enganadoras, invariavelmente ligado, como oposto que é, à luz do sol. Será, então, justo afirmar que, dadas as evidentes ligações, a morte é igualmente a reveladora da verdade e a vida, tão solar e efémera, é a ignóbil ilusão que atormenta o Homem? Dou o mote à reflexão…

Assim como, nesta complexa estrutura conscientemente pensada, a acção do romance se divide, sendo obviamente principal (na cidade de alentejana de Évora, Portugal) e secundária (na aldeia), também o seu tempo se encontra repartido. As intenções filosóficas são claras. O tempo da história, portanto, reflecte-se na cidade de Évora, onde a personagem Alberto, metaforicamente, realiza a procura e o conhecimento do seu “eu”, terminando no acontecimento que determinará a morte de Sofia. O tempo da escrita equivale a um ano e iguala-se ao tempo anteriormente referido, sendo uma espécie de reaparição pela forma como relembra e revive os sucedidos da estadia naquela cidade e o porquê da partida. Já mais diluído surge o tempo histórico, onde apenas se refere a época das vindimas após a IIª Guerra Mundial e a prisão de Machado, acusado de simpatizar com ideias comunistas (tempo da ditadura de Salazar). É, por isso, óbvia a intenção de Vergílio: criar um “tempo mítico” em detrimento do material, valorizando a época da descoberta interior. Compreende-se ainda o tempo do discurso (a analepse que antes referi) e o tempo psicológico, o grande beneficiado desta intencional construção – ou não fosse esse o tempo que descreve todos os passos da busca interior que pauta a obra, a aparição do “eu” perante si próprio.

Mas não é somente o tempo da obra que merece destaque e uma análise mais atenta e, como tal, detalhada. O espaço da mesma é também revelador das intenções do filosófico autor, ainda que se divida apenas em dois. Assim, deparamo-nos, primeiramente, com a aldeia, a montanha e o casarão. Eis o espaço da memória, da origem e da própria escrita, aquele que parece transparecer estabilidade e placidez, o lugar da final reconciliação consigo próprio e da consequente aceitação dos sucedidos. Já o Alentejo, a planície e a cidade de Évora (que sem dúvida alguma merece uma atenta visita turística, in loco – fica feito o convite) é o local onde a busca do “eu” se desenrola, o palco de angústias e desesperos. É igualmente nele que Alberto, o bom professor, narrador e personagem principal desta contida odisseia, adquire a sua consciencialização, não só do seu reencontro, como do amor impossível por Sofia. Ainda que distintos, ambos os lugares da obra primam pela sua brancura, uma claro símbolo da pureza (e consequente desejo de sua conquista).

O texto já assume uma dimensão considerável para os propósitos desta coluna, mas compreenderá o estimado leitor que a obra em questão, tão simples e ao mesmo tempo complexa (notável virtude…), merece toda a atenção que se lhe puder dispensar. Pois em cada linha se oculta uma intenção perfeitamente definida que apenas irá conduzir o leitor pelas principais meditações que a Aparição tem para oferecer. É, assim, justo que se reserve um instante para a sua compreensão. Por isso, optei por revelar a estrutura que antes analisei, de forma a clarear intenções, ideias e pressupostos que auxiliarão na formação do principal pensamento deste valoroso trabalho. Contudo, não poderei terminar sem que a relação entre personagens seja devidamente abordada, o suficiente, apenas, para o leitor compreender as tramas e os simbolismos com que se impregnam.

A mais desconcertante, intensa e, ao mesmo tempo, reveladora, é a de Alberto Soares (o narrador e personagem principal, como atrás descrevi) e Sofia. Este, é um ser inconstante que, como já foi por certo compreendido, procura um válido percurso de vida (buscando-se a si mesmo ao longo de tal trilho). E estabelece uma forte e, em certas ocasiões, algo disfuncional relação com Sofia, bela e sedutora, uma adepta da “vida vivida nos limites”. Como tal, a convivência entre os dois pauta-se por constantes jogos de sedução – ora impulsionadores do afastamento, ora fomentadores de intensas provocações. A relação, curiosamente, atinge o seu clímax com Carolino, uma espécie de discípulo, se não mesmo duplo, de Alberto. Que ultraje maior poderá existir? Não só o professor se apaixona por alguém que apenas parece interessado em brincar com seus sentimentos, como, para cúmulo, o objecto da sua paixão se envolve com uma pálida sombra daquilo que, em verdade, ele é! Física e intelectualmente, Alberto e Sofia atraem-se e estimulam-se. Mas a relação parece desde cedo condenada ao afastamento. Não só pelo trágico destino de Sofia, mas essencialmente pelo imenso abismo existente entre o carácter destas duas personagens: Alberto busca a plenitude da vida e Sofia vive-a em perigosos limites.

De forma mais esbatida, mas igualmente digna de nota, surge a relação do professor com Ana. A princípio, floresce uma enorme cumplicidade entre ambos, rapidamente terminada pela brusca agressividade que ocultamente medrará entre eles. Contudo, Ana alcança a paz e a serenidade, os desejos mais íntimos de Alberto, com a adopção dos filhos de Bailote. Seja ainda referida Cristina, o símbolo da pureza e da angelicalidade. É retratada como um ser perfeito, um autêntico exemplo a seguir, seja por inspiração ou por ensinamento indirecto. Os seus dotes musicais traduzem a sua sensível percepção, isto é, a sua inata virtude da revelação, apesar de, como tudo o que na vida material é puro e perfeito, lhe estar reservado um destino igualmente trágico. Por fim, a mãe de Alberto… A personagem mais simples de entender e de caracterizar, pois não passa de uma simples presença vazia. Contudo, note-se que é a própria ausência que muito nos irá dizer sobre a sua índole. Neste caso, o “nada” que é diz “tudo”.

Aparição é, como se conclui, uma obra de leitura simples mas de complexa compreensão. Pela sua estrutura, pela sua intenção e pela meditação que pretende, subtilmente, instigar. É, com todo o louvor, uma obra filosófica que ombreia, por exemplo, com o melhor que Camus produziu. Desde o seu inicial desejo de “justificar a vida em face da inverosimilhança da morte” até à derradeira aceitação de que “a vida do homem é cada instante”, explana-se todo um percurso interno que pode muito bem ser um percurso comum ao mais comum dos mortais. Apesar de tudo, adquire essa cativante proximidade com os leitores ao debruçar-se sobre factos da vida e as consequências dos mesmos. As grandes obras, na verdade, conseguem alcançar esse virtuoso patamar. E, como antes se enunciou, a mesma não termina com suspensões, dúvidas multiplicadas ou fantasmas por sepultar; mas com placidez, resignação, conforto e… uma estranhamente harmoniosa paz. Pois o eterno, afinal, subsiste no momento; e é o momento aquilo que o Homem, efémero como ele, dispõe. Apenas. Que isso lhe baste.

“Não procures a noite por não suportares o dia. Leva para o sol a tua aparição e serás um homem”
Vergílio Ferreira, Aparição.

Ligações a este post:
Leia mais sobre Vergílio Ferreira aqui.


 ***

Pedro Belo Clara é colunista do Letras in.verso e re.verso. Por decisão do editor do blog preservamos o grafia original portuguesa. Nascido em Lisboa, Pedro é formado em Gestão Empresarial e pós-graduado em Comunicação de Marketing. Atualmente centrado em sua atividade de formador e de escritor, participou, com seus trabalhos literários, em exposições de pintura e em diversas coletâneas de poesia lusófona, tendo sido igualmente preletor de sessões literárias. Colaborador e membro de portais artísticos, assim como colunista de revistas e blogues literários, tanto portugueses como brasileiros, é autor dos livros A Jornada da Loucura (2010), Nova Era (2011) e Palavras de Luz (2012) – sendo os dois primeiros de poesia. Outros trabalhos poderão ser igualmente encontrados nos blogues pessoais do autor – Recortes do Real (artigos e crônicas diversas) e O Manifesto (artigos políticos). 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inferno provisório, de Luiz Ruffato

L’amour, de Michael Haneke

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Como alguém se transforma num escritor? Dez notas sobre o primeiro livro

Entre a interdição e a plenitude: treze livros para o Orgulho Gay

Clara dos Anjos: a chaga dos anos 20

O progresso do amor, de Alice Munro

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói