"Pena mínima", o primeiro livro potiguar dedicado (completamente) ao haikai



Haikais e poemas curtos constituem essa Pena Mínima do poeta Lívio Oliveira, que parece-nos não querer findar-se, uma vez que, deixa a sensação de que o autor ainda tenha algo mais a declarar. Se finda rápido como um cometa, antecedido em página em branco, como a esperar que a pena lhe venha preencher; cruza sertão e beco e deságua no alto mar, e inicia-se como consequência de uma busca, de um duelo, do desejo humano mais íntimo e ao mesmo tempo paradoxal, posto que, ao mesmo tempo é simples e complexo como a relação do corpo e do espírito, da razão e da desrazão, numa paisagem na qual se descortina a teleologia, que de repente apresenta-se como renovação, recomeço, apontando em direção a um epílogo, que não aparece como fim pelo fim em si, mas chega com segurança e sem temor, como se continuasse a nos transportar a cumprir a pena mínima cotidiana com a liberdade de voar pela literatura norte-rio-grandense. 

Pena Mínima é o primeiro livro da poesia potiguar totalmente dedicado ao haikai. Antes, foram feitas apenas algumas experimentações com essa forma poética, por exemplo: Maria Sylvia com o livro Tempo de Romance e Outros Tempos de 1983, Luís Carlos Guimarães com Pauta de Passarinho de 1992, e Diógenes da Cunha Lima com Os Pássaros da Memoria de 1994. O livro de poemas Pena Mínima nasceu grande, com uma apresentação de Nei Leandro de Castro o abrilhantando ainda mais. Com essa obra Lívio Oliveira nos transporta pelas veredas que levam a contemplar a riqueza de nossa terra, na alma das letras, que vivas nascem e povoam nossa literatura.

**

Lívio Oliveira é advogado, procurador federal, pesquisador, articulista e poeta;  nasceu em Natal. Começou a escrever ainda adolescência, inspirado pelas leituras de autores como Fernando Sabino, Manuel Bandeira, Augusto dos Anjos e Fernando Pessoa. Dos escritores potiguares que o influenciaram, o poeta menciona Vicente Serejo, Marize Castro, Américo de Oliveira Costa, Dorian Jorge Freire, dentre outros. 

Lançou seu primeiro livro em 2002, O Colecionador de Horas (poesia), pela A.S. Editores, em 2004, publicou uma pesquisa sobre livros e bibliófilos potiguares, com o título Bibliotecas Vivas do Rio Grande do Norte. Ainda em 2004, lançou Telha Crua, livro de poesias vencedor do prêmio Othoniel Menezes, através da Fundação Capitania das Artes. 

Em 2004 Lívio Oliveira teve seus poemas vencedores do prêmio Luís Carlos Guimarães, promovido pela Fundação José Augusto. Também recebeu duas menções honrosas no prêmio Zila Mamede, e conquistou o 3º lugar em um prêmio de poesia organizado pela da Justiça Federal do Rio Grande do Norte. 

Em 2009 publicou Dança em Seda Nua, uma seleção de poemas eróticos ilustrados pelo traço modernista de Dorian Gray e com textos de prefácio por  Lisbeth Lima e Moacy Cirne. No mesmo ano, em parceria com o músico Babal,  lançou o o CDCineclube, álbum que homenageia a sétima arte. Lívio Oliveira  além de ser um dos maiores nomes da poesia potiguar contemporânea, escreve em sites, blogs e órgãos da imprensa sobre cultura e literatura.

Pena Mínima é de 2007, e o escritor Nei Leandro de Castro, responsável pelo texto de apresentação afirma que, mesmo os poemas curtos, de estrutura fora do haikai, têm o mesmo nível de qualidade, livres da estrutura dos 17 versos, com maior autonomia para voar, seduzir, aninhar-se na intimidade da poesia.

***

Thiago Gonzaga é colunista no Letras in.verso e re.verso. Nasceu em Natal, é graduado em Letras e especialista em Literatura Potiguar pela UFRN. Autor dos livros Nei Leandro de Castro 50: anos de atividades literárias e Literatura Etc. Conversas com Manoel Onofre Jr. Dentre os vários trabalhos inéditos que possui destacam-se Novos Contistas Potiguares e Personalidades Literárias do RN. Como pesquisador da literatura do estado criou o Blog 101 livros do RN (que você precisa ler), com interesse por autores e livros locais sob diversos aspectos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro